“A Ana Aragão vive no Porto, é arquitecta e descobriu o desenho como oficio de liberdade só no doutoramento, enquanto rabiscava cadernos. Viu que essa era a sua forma de ser e fez disso uma actividade a tempo inteiro.”

O Sérgio Gomes da Costa fala-nos da Ana Aragão na Revista Gerador de Julho. Agora, publicamos algumas das palavras que trocaram, aqui mesmo ;-)

Qual a tua cidade imaginária preferida?

Não tenho uma cidade imaginária preferida, gosto muito de quase todas as narrativas de lugares imaginários, como por exemplo as do Italo Calvino ou as do Dicionário de Lugares Imaginários de Alberto Manguel e Gianni Guadalupi, porque são sempre formas de nos levar a viajar estando parados no mesmo sítio. Gosto dos lugares da ficção, portanto: são muitas vezes passaportes para viagens mais intensas do que algumas viagens reais. As cidades que visitamos ao longo da vida são guardadas como lugares imaginários pela memória, que cria uma imagem subjectiva das vivências. Essas cidades fazem também parte da minha biblioteca pessoal de urbes.

Quais os teus materiais de eleição para desenhar?

Em termos técnicos, gosto de usar a caneta e o papel, apenas. Muito simples, portanto.

Além de trabalhos por iniciativa própria, também tens feito alguns por encomenda. Qual a encomenda que mais gostarias de receber?

Essa questão dá que pensar. Gostava que me encomendassem um desenho infinito. Mas e daí talvez tenha que ser eu a fazer essa encomenda a mim própria.

Qual o teu arquitecto e o teu urbanista preferidos?

Não tenho selecção de preferidos. É-me difícil destacar um apenas. Gostamos sempre das coisas que nos estão mais próximas, por isso o nome do Siza Vieira é incontornável, não fosse eu uma aluna da escola do Porto. Fascina-me o pensamento em relação à cidade do Paulo Mendes da Rocha, por exemplo. Mas nomear apenas alguns é muito incompleto.

O tema desta edição é “laurear a pevide” e por isso pergunto-te como é a rua perfeita para fazer isso?

É uma rua que alterna movimento e tranquilidade. Talvez uma rua com bares, galerias, lojas, esplanadas, miradouros e terrains vagues.

Entrevista por Sérgio Gomes Costa, a nossa autoridade local no Porto.

A Autoridade Local é uma rubrica da Revista Gerador onde vamos à procura daquilo que de melhor se faz na cultura portuguesa. Mas quem somos nós para o dizer? Pedimos, por isso, ajuda àqueles que sabem mesmo da região onde vivem.

Ilustração de Catarina Vieira

Pede já a tua Revista Gerador de Julho, aqui.