Todos já sabemos como as aventuras fora de casa podem sair caras, sejam elas as escapadelas de fins-de-semana com a legítima e os rebentos; ou simples almoços, jantares ou noites de copos entre amigos.

Mantenho todavia que por menos de 25€ por cabeça ainda é possível comer bem fora das nossas quatro paredes – e sentados! Não é de pé como as bestas (salvo seja) – desde que se observem alguns preceitos fundamentais.

É claro que o principal destes “preceitos” é sentarmo-nos à mesa em local que seja bem afastado dos centros de decisão de Lisboa ou do Porto (sobretudo de Lisboa, onde a dolorosa é sempre mais pesada).

Mas mesmo relativamente perto do Terreiro do Paço ou do Palácio da Bolsa ainda é possível comer por menos de 25€ se tivermos em conta o seguinte:

– Escolham-se Vinhos Verdes Tintos ou Verdes Brancos sem ser da Casta Alvarinho.- – Para Entrada fiquem-se pelo queijo fresco
– Escolham-se “pratos de tacho” evitando os peixes ao Kg.
– Substitua-se a sobremesa doce por fruta ou evite-se a dita cuja
– Nada de digestivos (quanto muito uma bagaceira “da casa” se for garantida).

É claro que em Lisboa, Porto ou seus arredores é mais difícil alcançarmos este objetivo dos 25€ “sentados”, mas temos também de equilibrar a gasolina que se gasta no passeio mais longínquo com o dispêndio mais cordato em restaurantes “saloios”.

Os Restaurantes de que aqui falo foram todos experimentados por mim e garanto a qualidade. Obviamente que quem ainda desejar vista de mar e som de violinos terá de procurar noutro lado…

Mais ainda, não falo de Pizzarias nem de casas de Hambúrgueres, cuja proliferação no pátrio solo tem laivos de invasão estrangeira, um pouco como aconteceu na Europa do século XIV com os mongóis da Horda de Ouro.

Começando pelo Porto, temos as “7 Maravilhas”, na Rua das Taipas, com cervejas artesanais e muito boa comida. E a Dona Rosário da “Taberna do Barqueiro” (Miragaia) que serve também ela maravilhosamente e a preços comedidos. O clássico “Antunes”, na Rua do Bonjardim tem o pernil assado e o vinho de Espadeiro rosado natural que dão saúde a qualquer falecido, e se forem 4 ou 5 pagam menos de 15 € por cabeça.

E em Lisboa? Tarefa bem mais difícil. Mas lá vamos.

Já aqui falei do “João do Grão” na Praça da Figueira e de como é possível banquetearmo-nos com o “fiel amigo” sem passar das estribeiras.

O “Miudinho” de Carnide tem fama e proveito de ser acessível e de bom trato. Um pouco mais longe, a “Casa dos Pneus” à entrada de Bucelas (para os fanáticos do MARL) é também um poiso agradável onde uma dose do célebre Cozido à Portuguesa dos Domingos e Quintas Feiras dá bem para três pessoas…

Outra hipótese de boa qualidade e de proletários preços é o “Filho do Menino Júlio dos Caracóis” à Rua do Bem Formoso, em Lisboa, bem conhecido da malta do centro de operações de Correio em Cabo Ruivo. Tem um bife da vazia à casa, com ovo, batatas, arroz e fiambre que dá para duas pessoas. Com batatas honestamente descascadas na casa e lá também fritas (não congeladas). Caracóis, segundo informação “espetada” nas paredes, só a partir das 16.00H e até às 22.00H. Quando era mesmo uma tasca “tascosa” faziam caracóis a qualquer hora do dia e da noite.

Na altura das sardinhas é bem possível tratar do assunto nas grandes cidades sem resfolegar. Ou então meter um desvio pelo famoso “Janeiro” de Brejos de Azeitão e comer do bem bom peixe grelhado até nos fartarmos… Levem é o vinho porque o que lá existe nem para temperar as iscas serve… Como diz o proprietário “Sou peixeiro, não sou azeiteiro, nem vinhateiro”.

Nota: “azeiteiro” em dialeto da Invicta é uma palavra feia…

Em Cascais – e por estranho que pareça – também se consegue encontrar alguma coisa de comer por 25€. Experimentem o Restaurante “O Pereira” na R. Visconde da Luz, 47. Atenção! Não se metam no “Jardim Visconde da Luz” que é de Marisco e Peixe fino e que vos escaldará a bolsa. Falo d’O Pereira , lá mais para cima dessa mesma rua.

E pronto! Bom apetite!

Esta história de comer bem a preços controlados é como a história da diferença entre Eficiência e Eficácia: Eficiência, como sabem, é a Eficácia a custos controlados.

Eficácia gastronómica é ir à Sopa de Peixe do Gambrinus (32€ a dose). Eficiência é passar antes pela Caldeirada do Restaurante Baía do Sado, na Doca dos Pescadores, em Setúbal, onde uma dose para duas pessoas custa 30€.

Manuel Luar