O Gil encontrou-se na esquina com a artista Rita Manso, depois da performance “47” na Ignição Gerador #8 de dia 9 de Abril :-)

Qual é a tua primeira memória?

Memória de elefante.

Memória de elefante?

É um bocado fora se eu disser que sou um elefante, não é, mas na realidade acho que sim, acho que todos temos um animal de poder, e acho que isso… acho que é o elefante. Faz sentido.

Com que idade te sentes?

Sinto-me sempre criança. Acho que é a nossa essência. O que envelhece é o teu corpo, e o espírito esta sempre em altas e arco-íris. Se o souberes conservar e alimentar.

E um medo que tinhas e acabaste por ultrapassar?

Medo da rejeição. Acho que sim. Sempre tive medo de arriscar por medo de ser rejeitada, a todos os níveis. Na minha arte, como Rita, como amiga, como amante, como familiar, como tudo… e acho que, aliado a um acto de coragem — eu digo sempre que estou  trabalhar os três C’s: a Consciência, a Cura e a Coragem — acho que acabou por levar em onda o medo da rejeição.

Com o que é que vais à bola?

Com pessoas. Adoro pessoas. Estou sempre num estudo sociológico, até porque, apesar de a minha arte ser muito intrínseca, eu trabalho muito com o público, e vejo muitas coisas. Trabalho à noite há 15 anos, e vejo tantas coisas, e é um estudo tão grande… é isso: eu vou à bola com pessoas.

Entrevista por Gil Sousa