Continuam a chegar ao nosso correio as conversas que o Gil teve com alguns dos autores do Trampolim Gerador #2 no Príncipe Real :-)

Desta vez, encontrou-se na esquina com o Filipe Ferraz e com a Mariana, da banda madeirense Punk D’Amour, que actuou no Palácio Cor-de-Rosa.

Encontrei-te na Esquina #3 com Filipe Ferraz e Mariana dos Punk D’Amour 

Uma história que vos marcou.

Mariana – Talvez a da finlandesa… Nós somos da Madeira, e um dia fomos a uma casa de fados no Funchal onde estava uma finlandesa que foi de propósito para a Madeira para ter uma carreira de fadista.

Filipe – E a dona da casa de fados disse algo como “Já viram? Na Finlândia não há oportunidades para os fadistas, ela teve que vir para cá…”

Sentem-se bem em multidões?

Filipe – Não me dou muito bem em multidões estando no meio delas; passo ao lado. Os concertos mais pequenos são mais acolhedores e há uma grande partilha entre o público e os artistas.

Quanto vale o vosso trabalho?

Filipe – Vale uma grande parceria entre um business angel e um fundo de investimento privado…
Mariana – Hã?
Filipe – …e com algum financiamento europeu que tem em consideração a cultura…
Mariana – O quê? Não! Acho que neste momento vale a nossa vida, porque nós vivemos juntos, somos namorados, ensaiamos em casa, e é isso tudo que vale. Acho que é mais simples.

Qual é o vosso lugar predilecto?

Filipe – É andar na rua a pé. Em ruas que não conheço.

Mariana – A Ponta do Sol na Madeira.

Entrevista feita pelo Gil Sousa