Mesclado por Valter Lobo 

André Barros – Gambiarras
O André tem um dos discos mais bonito de 2016 – “In between” – e é dos meus artistas portugueses preferidos. Destaco o tema Gambiarras de um álbum anterior que é uma viagem profunda ao nosso interior. Absolutamente sublime.

Manel Cruz – Canção da canção triste
O Manel Cruz é um monstro da música cantada em Português. Incomparável é inconfundível. Consegue sempre surpreender em cada projecto, supera-se artisticamente em cada um deles. Admiro-o pelo artista e pessoa que é. Esta canção canta um pouco de mim: a tristeza faz-me sentir bem.

Coelho Radioactivo – Juízo
Para mim, dos melhores singersongwriters da nova geração. Artista independente na execução e pensamento, tem dois grandes discos, mas destaco o “Canções Mortas”. Um grupo de canções ultra-depressivas mas tão verdadeiras. É também um dinamizador de projectos alternativos independentes.

Luis Severo – Ainda é cedo
Cancioneiro nacional. O Luis é também um jovem cantautor da nova geração que faz canções com demasiada facilidade, bem escritas e num estilo descritivo muito próprio. Traz novos ares à música nacional com um estilo muito independente. Este tema é um grande exemplo disso. Sem grandes pretensões, ousa.

Cristina Branco – Às vezes dou por mim
Um tema incrivelmente interpretado pela fadista, com música do Filho da Mãe e letra do André Henriques. Apetece-me atear fogo às paredes, gritar à janela quando o oiço. Altera-me completamente. A música cumpre a sua função de libertação.

Samuel Úria – Carga de Ombro
É um grande single, com um grande refrao e não deixa de ser sublime e tão simples. A relação com algo que nos é tão próprio chegando ao comum dos mortais de uma forma deliciosamente literária. Um dos grandes escritores e músicos nacionais que quero sempre rever.

Rodrigo Leão – Terrible Dawn
Um tema incrivel de outro baluarte da música nacional, desta feita com Scott Matthew nas vocalizações. Intenso e tendencialmente depressivo, como uma grande canção deve sempre ser. Cinematográfico e literário. É um filme, é um livro.

Peixe:Avião – Avesso
Inovadores e sem amarras. São uma banda fortíssima com um som sofisticado e sem preocupações com a sua dureza. Ao vivo não facilitam na parte estética e apresentam um concerto de nível internacional. Este tema foi o escolhido mas outros podiam ter sido.

B Fachada – kit de prestidigitação
Alguém que consegue fazer uma canção com este título. Brinca com a nossa língua e faz canções que só podiam ser dele. Tem uma identidade única e sonoridade que me é tão próxima e ao mesmo tempo tão alternativa.

Governo – Meio bicho e fogo
Um dos projectos mais interessantes que já ouvi em Portugal com Valter Hugo Mãe na voz é parte lírica. Absolutamente delicioso o Ep solitário. Esta canção, num registo a fazer lembrar Antony Hegarty, é incrível. Ouvi-a vezes sem conta.