Lavoisier é a voz de Patrícia Relvas e a guitarra eléctrica de Roberto Afonso, que começou enquanto terapia musical berlinense, em 2012, para tratar uma crise de identidade lusitânica. Contam estórias através de melodias, atos e pensamentos comuns, criando uma “partilha antropológica”. Apesar de novas sonoridades, a essência é algo que os preocupa, daí que a captação das bases guitarra/voz seja feita ao vivo de modo a preservar a energia do movimento orgânico, tendo a responsabilidade de gerar algo com conteúdo e não simplesmente uma forma/fórmula.

Pedimos-lhes que escolhessem dez músicas portuguesas que lhes dão alento. Eis o resultado:

Morgadinha dos Canibais – Banda do Casaco
Psicadelismo puro portugês gravado pelo melhor técnico de som do Mundo, José Fortes! ;)

Cortejo dos penitentes – Fausto Bordalo Dias
A melhor viagem nunca antes navegada, pelo melhor músico português vivo.

Fuga – José Valente
Não só por ser um grande amigo, mas por ser um músico com uma Alma enorme, sempre pronto para “partir a loiça toda”!

Projéctil – Ermo OUVE AQUI
O futuro da nova música portuguesa, passa definitivamente por eles.

Requiem – Fernando Lopes Graça
Nome incontornável na música portuguesa, e que deveria ser muito mais incontornável no imaginário colectivo português.

Fran – Norberto Lobo
Uma das melhores musicas escritas no séc. XXI.

Nossa Sinhora da Azenha – Ti Chitas (com Banda do Casaco)
Catarina Chitas. A voz de um povo.

Espalhem a notícia – Afinidades, Clã com Sérgio Godinho, ao vivo
Primeiro por ser ao vivo, e depois pela linda transformação que os Clã fizeram desta canção, fazendo dela deles, e tão nossa. Se aqui tudo se transformou para além da criação, ainda bem que nada se perdeu.

Maio maduro Maio – Zeca Afonso
Por tudo, tudo o que fez! Inspirou e vai continuar a inspirar, é pela vontade, pela força e por avisar a malta como é importante livrarmo-nos do medo!

Ir e vir – GAC 
Para a importância de uma consciência política, maior que a insipidez da actualidade.

Fotografia por Joana Batista