Nos dias 9, 13 e 16 de Setembro podes assistir a Territórios Temporários no Palácio Sinel de Cordes, no Campo de Santa Clara, de entrada gratuita.

A sede TRIENAL recebe Ciclo de Música e transforma-se no cenário para os territórios temporários criados por três artistas sonoros nacionais. É já no próximo sábado que arranca este ciclo de Música onde podemos contar com Gustavo Costa, Diogo Alvim e Ricardo Jacinto para nos mostrar o resultado da resposta ao desafio de testar e explorar um sistema de prática de música em rede. As três intervenções artísticas cruzam as relações entre som, espaço e tempo, no contexto atual da era da informação e da era digital das redes.

Aqui fica a programação:

Sábado, 9 de Setembro / 17h-21h

GUSTAVO COSTA, Control and Unpredictability nº6

[percussão e electrónica]

Conjunto de ações onde é feita uma adaptação dos recursos instrumentais disponíveis segundo as características acústicas do Palácio Sinel de Cordes. Existem elementos fixos que são trabalhados individual ou coletivamente, servindo de base estrutural para moldar a forma e identidade da peça. Estes elementos são intercalados com apontamentos indeterminísticos que surgem de uma forma natural no decorrer do processo criativo e do acto performativo.

 

Quarta, 13 de Setembro, quarta / 17h-21h

DIOGO ALVIM, 1/500

[electrónica]

Performance que estabelece uma relação com a cidade de Lisboa sustentada numa redução de escala. Assente numa rede que liga vários pontos da cidade através do som – Xabregas, Av. 5 de Outubro e Rua de São Paulo – a peça propõe uma situação de escuta em que a espacialização sonora remete para o contexto geográfico alargado da cidade. Os sons destes lugares distantes entre si, interferem numa concentração sonora e espacial, um território temporário à escala 1/500.

 

Sábado, 16 de Setembro / 17h-21h

RICARDO JACINTO, Medusa

[violoncelo, electrónica e objectos]

Dispositivo nómada de carácter instrumental, projetado para incorporar um concerto de violoncelo solo que ativa uma instalação sonora. Incorporando características sónicas e arquitetónicas específicas do local onde é apresentado, aborda questões de especificidade local tanto na configuração de instalação quanto no desempenho musical. Este sistema eletroacústico visa uma “transfiguração sónica” do corpo do violoncelo quando em contacto com o local que alberga a sua performance.

Podes, ainda, seguir o ciclo em direto em stress.fm .