A encenadora e realizadora brasileira Christiane Jatahy é a Artista na Cidade 2018, uma inciativa promovida em Lisboa pela EGEAC.

O projeto Artista na Cidade procura não só trazer a Lisboa obras já existentes mas também fomentar colaborações entre o artista convidado, o público, organizações lisboetas e outros artistas.

O ciclo de Christiane Jatahy inicia-se com a apresentação de três das suas peças de teatro, no Teatro Nacional Dona Maria II. Esta é uma trilogia marcada pelo olhar atual da encenadora sobre três textos clássicos, olhar este que se desdobra em muitos: nos últimos anos, Jatahy tem explorado a fusão entre o cinema e o teatro, procurando reunir no mesmo espetáculo espaços e perspetivas diferentes, que se juntam para contar a mesma história com maior profundidade. Desafiando os limites do espaço teatral, a sua obra cruza grandes narrativas com episódios do quotidiano e alterna entre o palco, o ecrã e a própria rua.

A primeira parte da trilogia trata-se da peça Julia, inspirada no texto Menina Júlia, de August Strindberg e decorreu no fim de semana de 4 a 6 de maio. Com uma câmara em palco, Jatahy colocou uma lupa sobre as personagens, permitindo ao público um olhar invasivo sobre o ambiente familiar e os conflitos entre diferentes classes sociais na mesma casa.

E se elas fossem para Moscou? esteve no Alkantara Festival em 2016 e é a segunda peça da trilogia, regressa aos palcos portugueses entre 11 e 13 de maio. Parte de As Três Irmãs de Tchekhov para nos falar do desejo de mudança e de utopias. Divide-se em dois, e, na mesma sessão, é apresentada ao público tanto em teatro como em cinema.

De 18 a 20 de maio, a Sala Garrett do Teatro Nacional Dona Maria II recebe A Floresta que anda, uma vídeo-instalação que envolve os atores e o público. O espaço cénico será uma galeria de arte, onde toda a gente poderá circular livremente, fazendo parte desta performance que misturará realidade e ficção.  Neste último espetáculo da trilogia, Christiane Jatahy inspirou-se em Macbeth para pensar a questão da ganância e do poder no mundo contemporâneo.

Christiane Jatahy vai continuar por cá com o seu trabalho e, a seguir a esta trilogia, iniciará um novo ciclo com a peça Ítaca, no Alkantara Festival :-)

 

Créditos – Fotografia por Inês Costa Monteiro