No dia 14, pelas 19h30, falamos acerca do teatro documental como exercício de honestidade intelectual. A sua origem, métodos de trabalho usados em teatro documental e os principais temas que têm sido abordados neste género em Portugal serão assuntos abordados nesta conversa com Daniel Gamito Marques, Júlio Martín da Fonseca, Ricardo Correia e Rui Pina Coelho.

Daniel Gamito Marques tem formação em representação e dança contemporânea. Foi seleccionado para a 1.ª edição do Laboratório de Escrita para Teatro do Teatro Nacional D. Maria II (TNDMII), no âmbito do qual escreveu a peça EUROPA, apresentada no Voz Alta 2016 – Festival de Leituras Encenadas do TNDMII, e publicada pela Bicho-do-Mato (2016). Em conjunto com outros dramaturgos, escreveu a peça O Novo Mundo, apresentada na Culturgest (2018). Enquanto dramaturgista de teatro e performance, participou em criações de Os Possessos, Isabel Costa e Tiago Lima.

Júlio Martín da Fonseca é ator, encenador, investigador, director artístico do TUT – Teatro Académico da Universidade de Lisboa, coordenador do GECAPA – Gabinete de Estudos de Cultura, Artes Performativas e Audiovisuais do CLEPUL e membro do Teatro Maizum. Como investigador destaca-se a organização do I Colóquio Internacional – A Inter e a Transdisciplinaridade nas Artes Performativas e Audiovisuais, em 2014, e as I Jornadas de Investigação Artística Transdisciplinar e Arts-Based Research, em 2016, na FLUL.

Ricardo Correia trabalha desde 2001 em teatro, cinema e televisão como ator, dramaturgo e encenador. Detêm o Título de Especialista em Teatro desde 2016 e é Doutorando em Estudos Artísticos pela Universidade de Coimbra desde 2018. Como Bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, frequentou a London International School of Performing Arts – método Jacques Lecoq (2013).

Rui Pina Coelho é Professor Auxiliar na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É Director do Centro de Estudos de Teatro da FLUL e da Sinais de Cena – Revista de estudos de teatro e artes performativas. Como autor, dramaturgista ou tradutor colaborou com Trimagisto – Cooperativa de Experimentação Teatral, Teatro o Bando, TEUC, Teatro dos Aloés, Projecto Ruínas, CENDREV e Mundo Razoável.

A Central Gerador está aberta de quarta a sábado, entre as 18h e as 23h, e domingo das 15h às 20h. Fica atento ao Facebook e Instagram oficiais da Central Gerador para estares a par de todas as novidades :)

Onde fica a Central Gerador?

A entrada faz-se pela Rua Luis Pastor de Macedo, nas traseiras do edifício da Junta de Freguesia do Lumiar, pelo portão verde que estará aberto. A Central Gerador fica no Largo das Conchas, Casa da Cidadania, nº 5, Lumiar (Lisboa).