fbpx
Menu Grande Pesquisa
Carrinho0

Liberdade de expressão, para que te quero?

Há 47 anos, neste mesmo dia, terminava, em Portugal, algo de que muito ouvi falar, mas que nunca conheci – e ainda bem. Uma ditadura.

Não sei o que é não ser livre – mesmo em confinamento –, mas sei que, neste contexto de liberdade, continuam a existir lutas por que erguer o punho, por que cantar e por que sair à rua.

A liberdade de expressão foi uma das grandes conquistas do 25 de Abril de 1974. Hoje somos livres de nos expressar, com autodeterminação, independência e autonomia, de acordo com os nossos pensamentos, crenças e ideologias – sejam elas políticas, religiosas ou outras –, bem como livres de sermos informados, sem qualquer discriminação, impedimento ou limitação.

Mas também hoje vemos valores democráticos a serem ameaçados – novamente – por discursos extremistas, populistas, de ódio e de discriminações várias, alavancados pelas redes sociais, que nos permitem partilhar com o mundo tudo o que nos passa pela cabeça – e encontrar suporte.

O fenómeno não é restrito a Portugal, mas também cá tem ganhado força, e já contribuiu para situações tão caricatas, quanto assustadoras noutras democracias – lembremo-nos da invasão do Capitólio há poucos meses, tão impensável, como real.

À luz da lei portuguesa, “não há opiniões interditas, no sentido de se proibirem opiniões diferentes de uma certa «verdade» acolhida e protegida pelo Estado. No entanto, a expressão de uma opinião pode ser ilícita, se ofender outros direitos ou interesses dignos de protecção”1.

De Direito, não tenho conhecimentos, mas penso que seja consensual que as redes sociais – provavelmente, a maior plataforma de comunicação da atualidade – se afiguram hoje como espaços sem regulação ou escrutínio, onde cada um de nós se pode afirmar como um sujeito de plenos direitos a exercer a sua liberdade, enquanto ofende, agride, difama, um outro sujeito cujos direitos, liberdades e garantias estão, normalmente, a ser postos em causa.

E, sem punição, ou qualquer impedimento, o ódio vai-se disseminando.

Neste 25 de Abril, lembremo-nos – principalmente, nós, jovens – de que há sempre lutas por travar, direitos, liberdades e garantias por defender – nossos e dos outros. Tornemo-nos mais interventivos, participativos, expressivos. Corajosos, como, em 74, foram aqueles que ambicionaram um futuro melhor para o país e o fim da opressão.

Com palavras de justiça, igualdade e tolerância, respondamos ao ódio e à discriminação, para garantirmos que nunca conheçamos outra coisa que não seja a liberdade e a democracia.  

1 Fonte: Website “Direitos e Deveres dos Cidadãos”, da Fundação Francisco Manuel dos Santos

-Sobre Flávia Brito-

Portuguesa, afrodescendente, mulher, negra, jornalista. Licenciou-se em Jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social (ESCS). No Gerador, procura dar o seu contributo para uma sociedade mais justa, esclarecida e tolerante.

Texto de Flávia Brito
Fotografia de David Barata
gerador-gargantas-soltas-flavia-brito

NO GERADOR ABORDAMOS TEMAS COMO CULTURA, JUVENTUDE, INTERIOR E MUITOS OUTROS. DESCOBRE MAIS EM BAIXO.

Já pensaste em tornar-te sócio gerador?

Ser Sócio Gerador é ter acesso à assinatura anual da Revista Gerador (4 revistas por ano), a descontos nas formações da Academia Gerador, passatempos exclusivos, experiências e vantagens na cultura.

Shopping cart
There are no products in the cart!
Continue shopping
0
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}
Copy link
Powered by Social Snap