fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A reclamação de obras de arte e de culto, mas também arquivos e restos mortais tem um longo historial e é indissociável de um movimento global de descolonização e de reparação aos povos e nações sujeitos à escravatura e ao colonialismo, pelos então impérios europeus. Enquanto em alguns países, como a Alemanha, França, Bélgica e Países Baixos, o processo de restituição já foi iniciado, em Portugal, a discussão efetiva sobre o assunto continua a ser evitada.*

No âmbito da reportagem «Restituição às ex-colónias: a luta pela libertação da memória e identidade», publicada originalmente na Revista Gerador 40, o Gerador reuniu uma biblioteca de recursos, de vários suportes, que pensam esta questão.

Esta biblioteca está em construção. Ajuda-nos a enriquecê-la, deixando sugestões no formulário que encontras na última secção desta página.

*Texto retirado da reportagem

LIVROS

 

Inconvenient Heritage: Colonial Collections and Restitution in the Netherlands and Belgium

Jos van Beurden
2022

Revelations of Dominance and Resilience: Unearthing the Buried Past of The Akpini, Akan, Germans and British at Kpando, Ghana

Wazi Apoh
2019

Treasures in Trusted Hands: Negotiating the Future of Colonial Cultural Objects

Jos van Beurden
2017

Cultural Heritage Ethics: Between Theory and Practice

Editado por Constantine Sandis
2014

O debate sobre objectos, restos humanos e arquivos provenientes de antigos territórios coloniais está a tornar-se cada vez mais aceso. Ao longo dos séculos, uma grande quantidade de objetos – incluindo um canhão do rei de Kandy, objetos de autoridade da República Democrática do Congo, bronzes do Benim, estátuas de templos javaneses, cabeças de M.ori e documentos estratégicos – foi parar a museus e colecções privadas na Bélgica e nos Países Baixos por meios impróprios. Desde a sua independência, as antigas colónias reclamam a devolução do seu património perdido. Como a posse continuada destes objectos se torna cada vez mais incómoda, os governos e os museus têm de decidir o que fazer. Como é que estes objectos chegaram aqui? Foram todos saqueados? Como é que a restituição funciona na prática? Existem exemplos apelativos? Como é que outras antigas potências coloniais lidam com a restituição? As antigas colónias confiam nas suas intenções? As respostas a estas questões estão longe de ser inequívocas, mas são indispensáveis para uma discussão equilibrada.

O autor Chinua Achebe (“A Arte da Ficção”) observou que, enquanto os leões não tiverem os seus próprios historiadores, “a história da caça glorificará sempre o caçador”. Neste volume, que relata os complexos envolvimentos imperiais e coloniais da região de Kpando, no leste do Gana, ao longo dos últimos séculos, os leões encontraram o seu proverbial historiador.

Recorrendo a uma série de fontes – arqueológicas, históricas, orais e documentais – Wazi Apoh apresenta uma perspetiva com nuances locais das complexas relações sociais, políticas e económicas entre os Akpini, os alemães e os britânicos.

A sua análise de histórias anteriormente silenciadas fornece uma plataforma rica a partir da qual nos provoca a imaginar e a agir sobre as possibilidades de repatriamento reparador no presente. A sua nova combinação de estudo histórico com análise dos diálogos em curso sobre o repatriamento é uma contribuição única para os estudos africanos.

Este estudo pioneiro mapeia o tráfico unidirecional de objectos culturais e históricos durante cinco séculos de colonialismo europeu. Apresenta abundantes exemplos de objectos coloniais desaparecidos e sistematiza-os em espólio de guerra, confiscos por missionários e aquisições contestáveis por particulares e outras categorias. As antigas colónias consideram que se trata de uma injustiça histórica que ainda não foi corrigida.

As antigas potências coloniais mantiveram a maior parte dos objectos à sua guarda. Nos anos 70, os Países Baixos e a Bélgica devolveram objectos às suas antigas colónias, Indonésia e República Democrática do Congo, mas o seu número foi consideravelmente inferior ao que tinha sido pedido. Os pedidos da Nigéria para a devolução de alguns objectos do Benim, confiscados pelos soldados britânicos em 1897, foram rejeitados.

Como não existe consenso sobre a forma de lidar com os objetos coloniais, são analisadas as disputas sobre outras categorias de objectos contestáveis. No que se refere às obras de arte saqueadas pelos nazis, os princípios da Conferência de Washington de 1998 foram amplamente aceites. Embora não sejam vinculativos, promovem soluções justas e equitativas e ajudam as pessoas a recuperar obras de arte que perderam involuntariamente.

Para promover soluções para os objectos coloniais, são apresentados nove princípios para o tratamento de objectos culturais e históricos coloniais, baseados nos princípios da Conferência de Washington. Os nove fazem parte de um modelo para facilitar a mediação em litígios sobre os objectos. Este modelo pode ajudar a quebrar o impasse nas negociações entre os antigos colonizadores e as colónias.

A Europa, os antigos colonizadores, deveria fazer uma investigação mais pró-ativa da proveniência das aquisições da época colonial, tanto em instituições públicas como em colecções privadas.

A teoria sem prática é vazia, a prática sem teoria é cega, para adaptar uma frase de Immanuel Kant.

O sentimento não poderia ser mais verdadeiro no que diz respeito à ética do património cultural. Este livro intra-disciplinar preenche a lacuna entre a teoria e a prática, reunindo um elenco estelar de académicos, activistas, consultores, jornalistas, advogados e profissionais de museus, cada um contribuindo com a sua própria experiência para o debate mais amplo sobre o significado do património cultural no século XXI.

Decolonizing Museums: Representing Native America in National and Tribal Museums

Amy Lonetree
2012

UTIMUT
Past Heritage – Future Partnerships
Discussions on Repatriation in the 21st Century

Editado por Mille Gabriel & Jens Dahl
2008

L’Afrique De Nicolas Sarkozy; Un Déni D’Histoire

Jean-Pierre Chretien (dir.)
2007

Looting in Africa: one hundred missing objects

International Council of Museums – ICOM (Corporate author)
1994

As exposições de museus centradas na história dos índios americanos são, desde há muito, controladas pelos curadores. No entanto, está a ocorrer uma mudança, dando aos povos indígenas um papel mais importante na determinação do conteúdo da exposição. Em Decolonizing Museums, Amy Lonetree examina as complexidades destas novas relações com o objetivo de explorar a forma como os museus podem lidar com séculos de traumas não resolvidos ao contarem as histórias dos povos indígenas.

Lonetree investiga a forma como os museus podem honrar uma visão do mundo e uma forma de conhecimento indígenas, desafiar representações estereotipadas e falar das duras verdades da colonização nos espaços de exposição para abordar os legados persistentes do luto histórico não resolvido nas comunidades nativas.

Lonetree centra-se na representação dos nativos americanos em exposições no Museu Nacional do Índio Americano do Smithsonian, no Museu do Índio Mille Lacs no Minnesota e no Centro Ziibiwing no Michigan. Com base nas suas experiências como académica indígena e profissional de museus, Lonetree analisa textos e imagens de exposições, registos de desenvolvimento de exposições e entrevistas com membros do pessoal. Aborda as práticas históricas e contemporâneas dos museus e traça possíveis caminhos para a futura curadoria e apresentação dos modos de vida dos nativos.

Mais do que nunca, grupos étnicos, povos e nações lutam para recuperar o controlo do seu património cultural perdido e dos restos mortais ancestrais, o que levanta questões quanto à propriedade dos museus ocidentais sobre as suas colecções estrangeiras. No entanto, este livro identifica a necessidade de ir além das discussões sobre propriedade, poder e controlo, explorando novos tipos de parcerias entre os museus e os povos ou países de origem, parcerias baseadas na equidade e na reconciliação.

Os autores exploram uma grande variedade de diferentes abordagens de cooperação, tais como a partilha de conhecimentos, o desenvolvimento de capacidades e o repatriamento físico e virtual.

Cinco académicos africanos e franceses juntam-se numa crítica à perpetuação do colonialismo como um acontecimento positivo, ideia veiculada no discurso de Sarkozy em 2007.

Cada um dos autores escolheu o seu ângulo de ataque: o lugar de África na história universal, a persistência do imaginário colonial, o peso da tradição racista, a notável ausência de África nos currículos escolares de França e a riqueza do debate historiográfico em África.

Sabe mais aqui.

FILMES

Palimpseste du Musée d’Afrique

Matthias De Groof
2019

Africa’s looted art

DW Documentary
2020

Under the White Mask

Matthias De Groof
2020

Em 2013, o Museu Real da África Central (Bélgica) fecha para renovações. É uma oportunidade para conferir uma visão moderna à existência e à missão do museu. O processo de descolonização leva a discussões acesas. É preciso colocar questões fundamentais: quem está a olhar para quem? E está-se a contar a história de quem?

Os antigos colonizadores de África despojaram o continente de inúmeros tesouros culturais. Agora, o destino desses objetos está a ser objeto de um debate aceso na Europa e também em África. Alguns dizem que as peças devem ser devolvidas, enquanto outros têm reservas. Na Alemanha, a questão da restituição assume uma nova urgência. Calcula-se que mais de 1,5 milhões de artefactos de todo o mundo estejam armazenados nos museus etnológicos alemães.

Este documentário apresenta uma perspetiva africana sobre alguns destes bens, incluindo bronzes valiosos da Nigéria, uma proa ornamental de um barco dos Camarões e a chamada Bíblia Witbooi da Namíbia. O que é que as pessoas dos países africanos de onde as peças são originárias pensam de tudo isto? Qual é a opinião de investigadores, diretores de museus, artistas e curadores? Que emoções surgem quando o passado, muitas vezes doloroso, é remexido e examinado? E qual a importância desta questão no contexto de problemas como a pobreza, a fome e a corrupção nas antigas colónias?

“Under the White Mask” utiliza fragmentos de “Under the Black Mask”, um filme de 1958 sobre arte congolesa dirigido pelo artista belga Paul Haesaerts e qualificado como propaganda colonial. Este novo filme imagina o que as máscaras, agora sujeitas e não objectos, diriam. O “Discurso sobre o Colonialismo” de Aimé Césaire é falado em Lingala pela primeira vez. Este discurso continua a ser um espelho crítico para a Europa. A curta-metragem é limitada aos elementos já existentes em 1958.

ARTIGOS CIENTÍFICOS E ENSAIOS

 

Reflections on the issue of repatriation of looted and illegally acquired African cultural objects in Western museums | Emery Patrick Effiboley | 2020

Este artigo aborda a questão da repatriação/restituição de objetos culturais africanos em museus ocidentais, analisando a terminologia utilizada para discutir as demandas de retorno por parte dos estados e povos africanos. Depois de analisar esses termos usados, que diferem ligeiramente entre si, o artigo faz uma visão geral dos vários tipos de objetos culturais que foram parar nos museus europeus. O texto discute os destinos dos objetos culturais recuperados na África pós-colonial, mostrando que não apenas os contextos originais desses objetos culturais mudaram, mas também que os países que pedem a devolução desses objetos devem trabalhar em prol de identidades coerentes para o benefício de todos.

Sabe mais aqui.

Restitution and beyond in contemporary museum work: Re-imagining a paradigm of knowledge production and partnership | Pearl S.N.O. Lamptey e Wazi Apoh | 2020

Hoje, os museus antropológicos precisam buscar interessados externos para reprocessar e reavaliar a história e a aquisição de suas coleções. Eles são muito mais do que meros intérpretes de uma herança passada, mas instituições que têm um lugar na história contemporânea para debater e moldar culturas em constante evolução baseadas em preocupações locais e globais. O artigo explora essas questões usando o exemplo de uma parceria trilateral de museus em andamento na geração de conhecimento entre Uganda e Suíça.

Sabe mais aqui.

Restitution and return of looted royal heritage: the role of Ghanaian chiefs and queens in sustaining heritage traditions| Thomas Laely | 2020

Ao interrogar o discurso sobre a restituição e devolução de objetos reais saqueados, nosso papel e contribuição nessa conversa como líderes tradicionais nas comunidades ganenses são inevitáveis, isso se deve ao fato de que a fonte da maioria desses objetos de arte reais saqueados ilegalmente colocados na Alemanha e alguns museus europeus são da área da Bacia de Volta, em Gana, anteriormente parte da Togolândia alemã. Argumentamos que considerar as visões de caciques e rainhas, líderes tradicionais de comunidades na África, permite uma melhor compreensão da origem e contextos de uso da maioria desses objetos culturais piratas destacados nos debates de restituição e repatriação.

Sabe mais aqui.

The restitution debate and return of human remains: implications for bioarchaeological research and cultural ethics in Africa | Thomas Laely | 2020

Os pedidos de repatriação e restituição de objetos africanos e restos mortais humanos sob custódia ilegal euro-americana estão ganhando força global. Este artigo examina como as análises bioarqueológicas são feitas em restos humanos legitimamente escavados ou adquiridos. Esses estudos são avaliados em conjunto com as práticas eugenistas negativas associadas aos restos humanos africanos saqueados que foram estudados na Europa e na América durante os períodos de escravidão e colonização na África. Além disso, examina as questões que envolvem a repatriação de restos humanos e discute as implicações dessa prática na ética e nos direitos culturais das sociedades na África. Restos de esqueletos humanos escavados em Begho são examinados dentro de seu contexto cultural como um estudo de caso ganense. Ao explorar essas questões, somos da opinião de que as complexidades na natureza da aquisição e devolução de restos humanos requerem uma compreensão holística de múltiplos pontos de vista, e não de uma única perspectiva subjetiva. Tais abordagens múltiplas devem incluir a necessidade de procedência adequada e pesquisa bioarqueológica para lidar com os contextos e práticas associadas à antropologia da morte nas sociedades de origem.

Sabe mais aqui.

A quem pertence o património cultural? Propriedade em debate | Karine Lima da Costa | 2018

O presente artigo tem como objetivo apresentar um panorama geral sobre a questão da propriedade do patrimônio cultural e os conflitos suscitados, em especial as disputas atuais entre diferentes países pela posse de bens patrimoniais, a maioria dos quais sob guarda de museus conhecidos internacionalmente. Com o auxílio da análise de instrumentos como a legislação nacional e internacional, assim como o aporte teórico do filósofo francês Michel Foucault no que concerne aos discursos relacionados ao poder, visamos compreender de que forma a noção de propriedade desses bens pode ser contestada e modificada em tempos pós-coloniais, particularmente, por meio do estudo de caso dos pedidos de repatriação cultural do Egito.

Sabe mais aqui.

Restituição de Bens Patrimoniais em Portugal: Da década de 1980 à actualidade | Júlia Coelho Ferreira Trindade | 2018

A restituição ou repatriação de bens culturais tem-se tornado assunto recorrente nos jornais, nos órgãos internacionais e nas universidades ao redor do mundo. Contudo, há pouca informação sobre a forma como essa realidade se apresenta e é discutida em Portugal. Procura-se, com essa pesquisa, contribuir para a compreensão do conceito de restituição patrimonial e produção de conhecimento sobre casos de restituição de bens culturais em Portugal, da década de 1980 aos dias atuais. A abordagem é, essencialmente, qualitativa e de caráter exploratório, e utiliza o inquérito por entrevista (entrevistas semi-estruturadas), revisão bibliográfica, estudo exploratório de casos práticos e análise de documentos para cumprir este objetivo. Os entrevistados selecionados são diretores de museus portugueses, presidente do ICOM Europa e diretor da Direção Regional da Cultura Norte. A interpretação do material coletado adotou as propostas da Análise de Conteúdo. A coleta de dados proporcionou uma ampla visão sobre o estudo da restituição de bens culturais em Portugal, mostrando o grande conhecimento dos profissionais do campo, sublinhando, porém a necessidade de maior aplicação e desenvolvimento de estudos sobre o tema no país. Com o avanço de estudos sobre restituição de bens culturais no mundo, percebeu-se que em Portugal esta discussão e o desenvolvimento de trabalhos com comunidades-fonte em relação a bens culturais é necessária para evitar futuras situações litigiosas.

Sabe mais aqui.

Deconstructing Systems of Bias in the Museum Field Using Critical Race Theory | Melanie A. Adams | 2017

Com o cenário cultural, político e social acelerado e em constante mudança de hoje, os museus estão em uma posição única para oferecer aos visitantes a oportunidade de se conectar e refletir sobre o mundo ao seu redor. De questões de justiça social a imigração e direitos reprodutivos, comunidades em todo o país estão buscando espaços que permitam e incentivem conversas desafiadoras. Os museus precisam abraçar esse novo papel. Quando penso no papel de um museu na abordagem de questões atuais, há muitos que vêm à mente. Devido à minha experiência profissional e formação educacional, concentro-me principalmente em questões de raça e como isso influencia a maneira como as pessoas interagem entre si e com as instituições.

Sabe mais aqui.

Empty The Museum, Decolonize The Curriculum, Open Theory | Nicholas Mirzoeff | 2017

Este ensaio analisa a possibilidade do espaço de aparência sob o nacionalismo autoritário introduzido pelo Brexit e pela eleição de Donald Trump. Para aqueles que trabalham no ensino superior e em torno dele, proponho que as tarefas pelas quais devemos começar são: descolonizar o currículo; esvaziar o museu; e teoria da abertura. Cada uma dessas categorias tem uma história em movimentos passados de resistência e libertação e uma dinâmica atual que é explorada aqui desde o movimento sul-africano Rhodes Must Fall, passando pelo Occupy Wall Street até a Free University and Antiuniversity.

Sabe mais aqui.

Sankofatization and Decolonization:The Rapprochement of German Museums and Government with Colonial Objects and Postcolonialism | Wazi Apoh | 2016

Este artigo examina como três museus nacionais da Alemanha estão lidando com objetos coloniais em seus espaços. Também explora a recente reaproximação do governo alemão com estudiosos em suas ex-colônias sobre como lidar com seu passado colonial dentro de um discurso de evidência e sankofatização. A sankofatização é definida como uma ideologia ganense-aca que significa a seleção de ideias passadas para retenção dentro de um tipo de paradigma renascentista. Em dezembro de 2015, o Ministério Federal das Relações Exteriores da Alemanha convidou delegados de Togo, Gana, Namíbia, Tanzânia e Camarões para participar de um programa exclusivo denominado “Um passeio temático pela história colonial alemã”. Relatando esta viagem, o jornal avalia o ativismo de organizações cívicas e museus alemães em suas tentativas contínuas de descolonizar paisagens urbanas coloniais, nomes de ruas e exposições. Mas esta discussão é muito mais do que um relato etnográfico. As implicações dessa política de aproximação para os discursos sobre a arqueologia do colonialismo alemão e a antropologia dos museus coloniais denotam mudanças significativas na cooperação transnacional. No geral, a turnê temática lembrou que o silenciamento de experiências negativas do passado e más ações do passado nunca é permanente. A mudança geracional muitas vezes influencia um renascimento, ou sankofatização, de realidades passadas para atender às necessidades pós-coloniais emergentes.

Sabe mais aqui.

The Recovery of Cultural Objects by African States through the UNESCO and UNIDROIT Conventions and the Role of Arbitration | F. Shyllon | 2000

A maioria dos países africanos que poderiam beneficiar do estatuto de Estados Membros da Convenção da UNESCO de 1970 sobre os Meios de Proibir e Prevenir a Importação, Exportação e Transferência Ilícitas de Propriedade de Bens Culturais não são Estados Membros.

Desde que a Convenção entrou em vigor em 24 de abril de 1972, houve apenas vinte Estados Membros africanos. Da mesma forma, a maioria dos Estados africanos esteve ausente da Conferência diplomática que, em Roma, adotou o texto da Convenção UNIDROIT sobre Bens Culturais Roubados ou Exportados Ilegalmente em junho de 1995. Treze países africanos enviaram representantes e um, um observador. A Convenção entrou em vigor em 1º de julho de 1998 entre China, Equador, Lituânia, Paraguai e Romênia. Sete outras nações, incluindo a Itália, aderiram à Convenção. Nenhum país africano é um Estado Parte, embora Burkina Faso, Costa do Marfim, Guiné, Senegal e Zâmbia sejam signatários da Convenção. Segundo todos os relatos, os Estados africanos parecem ser os mais vulneráveis de qualquer grupo de países ao comércio ilícito de bens culturais. Volumes recentes como “One Hundred Missing Objects – Looting in Africa”,”Illicit Traffic in Cultural Property in Africa”, “Illicit Traffic in Cultural Property: Museums Against Pillage” e “Plundering Africa’s Past” atestam isso. O objectivo deste estudo é sensibilizar as autoridades em África para as vantagens que advirão da adesão a ambas as Convenções, em particular à recente Convenção UNIDROIT.

Sabe mais aqui.

Ethiopia, the Aksum Obelisk, and the Return of Africa's Cultural Heritage | Richard Pankhurst | 1999

A Etiópia, um antigo estado africano, sofreu duas grandes pilhagens estrangeiras nos tempos modernos. Em primeiro lugar, em 1868, quando a expedição britânica contra o imperador Tewodros II saqueou coroas, cruzes e manuscritos religiosos de sua fortaleza montanhosa de Maqdala. A segunda ocasião foi durante a ocupação fascista italiana de 1936-1941, quando os invasores apreenderam coroas, papéis do estado e um dos famosos obeliscos do início do século IV de Aksum. Ambos os atos de saque são relevantes para a discussão atual sobre o retorno à África de artefatos saqueados durante a era colonial, para os quais fornecem precedentes. O saque de Maqdala foi seguido, no século seguinte, pela restituição gradual do governo britânico à Etiópia de vários artefatos saqueados – embora a maior parte ainda permaneça na Grã-Bretanha. A derrota da Itália fascista na Segunda Guerra Mundial foi seguida em 1947 por um Tratado de Paz italiano com as Nações Unidas, no qual a Itália concordou em devolver todo o saque retirado da Etiópia. A maioria, mas não todos, os artigos foram devolvidos. O obelisco de Aksum, no entanto, permaneceu em Roma. Isso levou à agitação etíope e internacional, após a qual o governo italiano concordou com a devolução do obelisco. No entanto, isso ainda precisa ser feito.

Sabe mais aqui.

DEBATES E CONFERÊNCIAS

 

Acertando contas com o racismo: a memória social do comércio de escravos

Museu Nacional de História Natural e da Ciência
2023

The Restitution Debate: African Art in a Global Society

The Italian Academy – Columbia University
2019

THW Return Looted Art Back To Its Country Of Origin

Cambridge Union
2019

Simpósio de um dia que decorreu no Museu Nacional de História Natural e da Ciência, em Lisboa, e que procurou divulgar novas direções para as instituições públicas se envolverem e lidarem com a história, memória e legados da escravatura e colonialismo em Portugal, na Europa e através do mundo lusófono. Enquanto país europeu com o envolvimento histórico mais longo no comércio de escravos, e com um crescente apelo para um confronto público com este passado e seus legados, Portugal constitui um espaço crucial para abrigar uma discussão pública sobre como, apesar da escravatura ter moldado o nosso mundo moderno, se mantém um silêncio palpável nos nossos museus, memoriais e instituições públicas acerca desta história e respetivo património. Investigadores, curadores, conservacionistas e profissionais dos museus de Portugal, Angola, Brasil, Moçambique, Países Baixos, Reino Unido, e Estados Unidos da América irão explorar questões importantes, catalisar conversas, e responder a perguntas sobre diversidade na participação, investigação, e representação deste passado e sua presença nas nossas questões atuais sobre justiça social e racial em contextos locais, nacionais e globais.

Este debate integra o Observatório Internacional do Património Cultural da Academia Italiana. Tem como tema a restituição do património cultural africano e a resposta ao relatório de Felwine Sarr e Bénédicte Savoy apresentado em 2018 ao Presidente de França, Emmanuel Macron. Sarr e Savoy, juntamente com outros curadores, académicos e empresários culturais de África, Europa e América, refletiram sobre as ramificações globais do relatório.

A Cambridge Union é uma associação de debate que acolhe oradores de todo o mundo para discutir temas da atualidade. O tema deste debate é a devolução de arte saqueada ao seu país de origem. Como habitual neste formato, há um grupo de pessoas que se posiciona a favor; e um grupo de pessoas que se posiciona contra.

PROJETOS, PERFORMANCES E MOVIMENTOS

 

Banataba

De Faustin Linyekula com Moya Michael

Decolonize this place

The Open Restitution Africa Project

Molemo Moiloa (Andani.Africa, África do Sul) e Chao Tayiana Maina (African Digital Heritage, Quénia)

O dançarino, coreógrafo e contador de histórias Faustin Linyekula diz que nunca se interessou por objetos. Mas é um objeto que o leva a embarcar com a mãe e o tio numa árdua viagem à aldeia dos seus antepassados – uma escultura, encontrada nas despensas do Metropolitan Museum. Em Nova York, não parece valer a pena expor. Nas aldeias Lengola onde foi criado, provavelmente encontrar-se-ia na praça pública, desprotegida, mas por isso acessível a todos os residentes. Ao encomendar a um escultor local a cópia da estátua, Linyekula transporta simbolicamente a obra de arte de volta ao seu local de origem, refletindo sobre a injustiça do roubo da arte colonial. Na performance de dança que surgiu dessa jornada, ele e a dançarina Moya Michael interrogam a relação entre a história da arte local e a identidade coletiva. Se máscaras e estátuas são os arquivos das aldeias congolesas, como suas comunidades podem manter contacto com seu passado saqueado? O que resta das histórias inerentes aos objetos se eles são arrancados do seu ponto de origem?

Sabe mais aqui.

 

Decolonize This Place (DTP) é um movimento ativista sediado em Nova Iorque que se descreve como orientado para a ação e centrado na desestabilização das estruturas coloniais das cidades. As suas ações têm lugar, por norma, em museus e instituições culturais, para os quais propõem uma visão descolonizada e de libertação coletiva.

Sabe mais aqui.

Projeto liderado pelo continente africano que procura alargar o acesso a informação sobre restituição de bens culturais e de valor histórico africanos, de modo a capacitar todas as partes interessadas a tomar decisões informadas.

Sabe mais aqui.

AJUDA-NOS A CONSTRUIR ESTA BIBLIOTECA

 

Esta biblioteca de recursos está em construção. Ajuda-nos a torná-la mais rica, deixando aqui sugestões de livros, filmes, ensaios, ou outros recursos, que pensam a questão da devolução de obras de arte e bens de valor histórico a povos e nações sujeitos à escravatura e ao colonialismo.

Click or drag a file to this area to upload.

 

 

A reportagem «Restituição às ex-colónias: a luta pela libertação da memória e identidade», publicada originalmente na Revista Gerador 40, e que dá mote à construção desta biblioteca de recursos, insere-se no projeto Lusotropicalismo, nome dado ao conjunto de iniciativas organizadas pelo Gerador que, até 2024, abordam a forma como a sociedade portuguesa olha para o período da colonização e para os preconceitos raciais que prosperam ainda hoje.
A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0