No mês dezembro, a Culturgest celebra os 56 anos da gravação do álbum A Love Supreme, de John Coltrane, com um ciclo de música e de dança, da autoria de Ricardo Toscano e Anne Teresa de Keersmaeker & Salva Sanchis.

Com o concerto do primeiro dia já esgotado (dia 18), Ricardo Toscano sobe ao palco do Grande Auditório para duas atuações ao vivo numa homenagem a A Love Supreme em formato septeto, nos dias 18 e 19 de dezembro.

O músico vai apresentar-se em formato septeto, num ensemble composto por saxofone (Ricardo Toscano, Bernardo Tinoco), trompete (João Almeida), piano (João Pedro Coelho), contrabaixo (Romeu Tristão) e bateria (João Lopes Pereira e Luís Candeias). "Toscano traça, desta forma, um caminho para novas ideias e explorações para voltarmos a aproximar-nos da icónica obra que tão bem conhece", pode ler-se em comunicado.

Antes disso, no dia 15, Toscano presenteia-nos com o evento intimista a solo À Volta de A Love Supreme, numa transmissão exclusiva, no Facebook e YouTube da Culturgest.

Aqui, o músico regressa a cada uma das quatro partes que compõem o álbum, "para um diálogo mais íntimo, direto e emotivo". O artista interpreta cada uma das quatro partes com uma instrumentação diferente, em duetos: no saxofone com piano, com contrabaixo, com uma bateria e com duas baterias, "com o objetivo de ampliar a essência e vitalidade desta obra de Coltrane".

O acesso ao evento online é gratuito e os bilhetes para o concerto custam entre 5 e 14 euros (consultar descontos e bilheteira online aqui).

Cinquenta e seis anos depois, esta celebração de A Love Supreme na Culturgest acontece no mesmo mesmo mês em que John Coltrane entrou em estúdio para gravar, numa única sessão, aquela que viria a ser uma das peças fundamentais do jazz, da música e da arte do século XX. O álbum foi gravado no dia 9 de dezembro de 1964 e lançado no mês seguinte, em janeiro de 1965, pela Impulse! Records.

A homenagem em formato dança aconteceria, no Grande Auditório da Culturgest, com A Love Supreme, de Anne Teresa de Keersmaeker & Salva Sanchis. Mas o espetáculo, inicialmente agendado para os dias 12 e 13 de dezembro, foi cancelado devido à lesão de um dos intérpretes. A Culturgest está, no entanto, a analisar a possibilidade de reagendá-lo para o próximo ano. O valor dos bilhetes será devolvido.

“Apercebemo-nos de que esta é uma das mais puras e descomplicadas danças de jazz que jamais vimos. Mesmo enquanto ainda estava a acontecer, apeteceu-me logo assistir outra vez, ali mesmo, naquele instante", afirmaram os dois coreógrafos ao The Village Voice de Nova Iorque. A coreografia resulta do fascínio de ambos pela música de John Coltrane: “Sentimos neste álbum uma acumulação única de energias, o núcleo do poder criativo de Coltrane, do seu quarteto e, talvez, de uma sociedade e uma época inteira”.

Neste álbum, Coltrane e os seus músicos "desenvolvem uma estrutura melódica enganadoramente simples para permitir uma improvisação ilimitada", lê-se no comunicado avançado pela Culturgest. "Esta liberdade encontra na dança uma tradução quase literal, na medida em que cada um dos quatro bailarinos «incorpora» um dos instrumentos do quarteto musical." Tal como no álbum lendário, a composição e a improvisação entrelaçam-se de "forma indiscernível, numa interpretação que reflete a vitalidade imortal da música de John Coltrane."

[notícia atualizada às 16h19 de 10 de dezembro de 2020]

Texto por Flávia Brito
Fotografia de Vera Marmelo

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.
A Love Supreme