“Turno do Dia” é um documentário observacional, concebido por Pedro Florêncio, com estreia marcada para o dia 21 de novembro no Cinema City Alvalade, em Lisboa. Esta longa-metragem traz-nos os rostos, os gestos, os procedimentos e os dramas de um turno diurno na central telefónica da linha 112, na sede do INEM (Instituto Nacional de Emergência Médica) de Lisboa.

Vídeo de apresentação de Turno do Dia - Página do DocLisboa no Youtube

Pedro Florêncio levou Turno do Dia ao DocLisboa 2019 para competir na secção de longas-metragens. O filme é intenso. As filmagens rodam entre os operadores telefónicos do número 112, mostrando-nos como é o dia a dia destes profissionais de saúde. Por outro lado, embora nunca seja possível ouvir quem está do outro lado da linha, é perceptível a aflição de quem liga. Este filme tem certamente uma faceta educativa, pondo-nos a par das perguntas e procedimentos-chave em situações de emergência, mas é sobretudo um retrato social com vista à reflexão.

“Este filme representa um espaço social que, até à data, continua em funcionamento sob as mesmas (ou muito semelhantes) condições”, diz-nos o autor do filme. “Com isto, pretende-se aludir à importância cívica de se dar atenção a uma série de informações culturalmente relevantes que o filme revela”, conclui.

O autor deseja reforçar que o assunto do atendimento de chamadas médicas do INEM, apesar da sua relevância temática, não é o eixo principal do filme. "Este filme trata de gestos, rostos e procedimentos", tal como se pode ser na sinopse do mesmo.

Pedro Florêncio, autor de "Turno do Dia".

Antes de começar as filmagens na sede do INEM, Pedro Florêncio teve contacto com técnicos de Ambulância da mesma Instituição e ficou muito intrigado quando esses técnicos lhe disseram que o trabalho no CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgentes) podia ser bem mais pesado. “Ao conhecer o espaço, deparei-me imediatamente com algumas questões que queria trabalhar cinematograficamente”, conta Pedro Florêncio. “Fascinou-me sobretudo a relação entre as pessoas naquele espaço, a tecnologia e aqueles que estão do outro lado da linha e que não vemos”, revela o autor.

“Este Turno do Dia podia ser o de qualquer call center em qualquer parte do mundo, só que aqui trata-se de questões de vida ou de morte, muitas vezes no espaço de duas chamadas. E o que também se vê no filme de Pedro Florêncio, pelo meio deste olhar, é um retrato à la minuta de um Portugal 'profundo', comum, médio, não raras vezes frustrante e poucas vezes visto desta maneira no cinema que por cá se faz, seja ele documental ou de outro género.” - Escreve Jorge Mourinha, numa crítica sobre o DocLisboa que pode ser lida na revista Ípsilon do jornal Público. Lê a crítica completa aqui.

Não te esqueças: Podes ver o filme Turno do Dia a partir do dia 21 de novembro, no Cinema City Alvalade, sempre às 19h40. Compra os bilhetes online aqui.

Texto de Maria Costa
Fotografia do autor - Politécnico de Lisboa, cortesia de Pedro Florêncio.

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.