O Museu Amadeo Souza-Cardoso (MMASC) iniciou o ano de 2020 a acolher o evento de apresentação da nova identidade visual do Município de Amarante, onde está localizado. Nessa altura, em meados de janeiro, ainda nada fazia prever o desfecho. O Museu manteve assim a sua atividade regular até ao dia 12 de março, quando encerrou ao público por decisão da Câmara Municipal de Amarante. Em resposta ao surto pandémico da covid-19, o Museu Amadeu Souza-Cardoso fechou as portas sem data prevista para a reabertura, por forma a cumprir as orientações dadas pela Direção Geral de Saúde.

A exposição patente no Museu desde o dia 22 de fevereiro foi, assim, suspensa. Dedicada à relação entre a arte e a gastronomia, “Fuck Art Let’s Eat” reunia obras de mais de 30 artistas, entre os quais Pedro Cabrita Reis, Julião Sarmento, Joana Vasconcelos, Nikias Skapinakis e João Louro. Só no dia 19 de maio estas obras voltaram a poder ser visitadas, com a reabertura oficial do MMASC ao público. A exposição está ainda patente e assim continuará até ao fim do presente mês.

Mas a reabertura do Museu Amadeo Souza-Cardoso trouxe mais do que a possibilidade de revisitar esta exposição. O Museu abriu as portas ao público cumprindo o verdadeiro sentido da expressão, já que as entradas permaneceram gratuitas até dois meses após a reabertura, portanto até ao passado dia 19 de julho. Com o número de visitas limitadas a 15 pessoas em simultâneo, restrição que se mantém até à data, o Museu procurou desta forma reconquistar o seu público.

Esta medida adoptada pelo equipamento cultural amarantino permitiu ainda ao público visitar gratuitamente, durante 8 dias, a exposição fotográfica “Review”, de Catarina Lira Pereira, inaugurada a 11 de julho. Esta é a primeira vez em que a artista plástica expõe individualmente em Amarante, fazendo “uma homenagem a momentos extremos, entre narrativas interrompidas e sem esquecer a relação entre a fotografia e a pintura”, descreve a Câmara Municipal de Amarante em comunicado. O Município acrescenta ainda que em “Review” “Catarina Lira Pereira partilha um conteúdo autobiográfico, de um universo privado, criando uma comunicação emocional com o público que fica confrontado com todo um espírito de abertura, com um ambiente familiar e lúdico”.

A exposição estará patente até 30 de agosto. A par desta e de outras exposições que o Museu acolhe, poderá sempre visitar a exposição permanente da Coleção Amadeo Souza-Cardoso.

Mais informações aqui.

Texto de Bárbara Dixe Ramos
Fotografia via Câmara Municipal de Amarante