fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

“Quando estou triste”, um monólogo “onde descobrimos que a tristeza não pode ser assim tão má”

“Quando Estou Triste” é uma criação da atriz Mia Tomé e do músico Noiserv, com texto…

Texto de Patrícia Nogueira

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

"Quando Estou Triste" é uma criação da atriz Mia Tomé e do músico Noiserv, com texto de Luís Leal Miranda, que parte de uma residência artística com os alunos do Agrupamento de Escolas Tenente-Coronel Adão Carrapatoso, de Vila Nova de Foz Côa. O espetáculo acontece de 25 a 27 de fevereiro no Cine-teatro do Centro Cultural de Vila Nova de Foz Côa.

"Quando Estou Triste" é "um monólogo sobre estar triste (mas divertido)", começa por contar Mia Tomé que dá voz ao monólogo escrito por Luís Leal Miranda e musicado por Noiserv. A peça partiu de um exercício de escrita sobre a tristeza, expressão dramática e gravação da própria voz, com os alunos do Agrupamento de Escolas Tenente-Coronel Adão Carrapatoso, de Vila Nova de Foz Côa.

Mia Tomé conta, em entrevista ao Gerador, que a experiência foi "surpreendente, alegre e curiosa", uma vez que "olhar para aquilo que os deixa tristes, "pode ser muito emocionante, mas não deixa de ser interessante observar também aquilo que eles decidem deixar registado na gravação. Nem todos quiseram gravar todas as angústias e tristezas que tinham colocado no papel". Depois, partilharam o resultado deste trabalho com Luís Leal Miranda (o autor do texto) e "o texto ganhou uma dimensão muito especial através dessa camada vinda das crianças". O resultado é um espetáculo que vê a tristeza de um outro prisma, com os olhos da positividade - "Descobrimos que a tristeza pode não ser assim tão má. Há um lado positivo na tristeza e isso é uma boa notícia para todos nós!".

O espetáculo vem também de uma vontade antiga de colaboração, entre Mia Tomé e Noiserv - "Somos amigos, e a vontade de criarmos algo para cena sempre pareceu interessante. Gosto muito do trabalho do David, não só da música que ele cria para os discos, mas de todo o universo Noiserv. Não é a primeira vez que o David faz uma banda sonora, escutei e vi vários filmes ou espetáculos onde ele trabalhou, o resultado é sempre muito bonito e inteligente, quis essa beleza para este espetáculo também", conta.

Em cena de 25 a 27 de fevereiro, no Cine-teatro do Centro Cultural de Vila Nova de Foz Côa, a atriz salienta a aposta do município na cultura de uma forma "entusiasmante", e como este espetáculo incentiva à descentralização, para que cultura chegue a todo o país.

Texto de Patrícia Nogueira
Fotografias da cortesia de Mia Tomé

Se queres ler mais notícias, clica aqui.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

4 Junho 2024

Irene Flunser Pimentel: “o identitarismo é a grande arma da extrema-direita”

28 Maio 2024

Tiago Fortuna: “a deficiência é um espaço de combate para quem a habita”

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

14 Maio 2024

António Sampaio da Nóvoa: “a melhor política educativa é a valorização daquilo que já se faz”

7 Maio 2024

Festival Mental está de volta a Lisboa para a sua 8.ª edição

30 Abril 2024

Flávio Almada: “Devemos recusar a geografia do medo”

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [para entidades]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0