fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Onun Trigueiros

Uma entrevista a Onun Trigueiros, autor da obra gráfica “Vivências”, originalmente publicada na Revista Gerador 39, que podes descobrir também em baixo.

Texto de Andreia Monteiro

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

É de selos que colecionam imagens que é feita a obra de Nuno Trigueiros, mais conhecido por Onun Trigueiros, e foi essa intemporalidade e identidade que quisemos trazer para a obra gráfica da edição desta Revista

Nascido e criado na Linha de Sintra, Nuno apresenta-se como o artista dos selos que coleciona imagens, sendo através das suas pinturas e colagens que nos remete para a atmosfera vivida e sentida na sua cabeça. Onun Trigueiros expressa-se de diversas formas artísticas, desde a montagem fotográfica, desenho até à serigrafia e pintura. Mais recentemente, os seus trabalhos têm saído do espaço suburbano e, aos poucos, tem-se vindo a afirmar no mundo das artes, tendo já participado em diversos projetos. 

Onun considera-se um artista que emerge de contextos periféricos e da inspiração recebida por toda a sua comunidade da Linha de Sintra, com a qual desenvolve o seu trabalho. Neste momento, ocupa grande parte do seu tempo a desenvolver novos projetos para exposições.

Dando-lhe liberdade para criar a obra sobre o tema que desejasse, presenteou-nos com Vivências, uma representação visual do quotidiano dos jovens de Mem Martins, na Linha de Sintra, através de “pinturas intemporais e nostálgicas”.

Vivências

Vivências, esta obra faz parte de uma sequência de imagens sinalizadas especificamente. São representações inspiradas em fotografias e em acontecimentos da zona de Mem Martins na Linha de Sintra. Cada zona tem a sua história e identidade local e, ao contrário do que se pensa, a periferia da cidade não é exceção. Pretendo destacar uma realidade dos jovens que nela vivem. Estes não se veem identificados e valorizados com o sistema atual devido a todos estes anos em que os segregaram de oportunidades de se expressarem de variadas formas. Através da representação visual do quotidiano dos jovens, pretendo dar cor e voz a quem está esquecido e invisibilizado.

Descobre a obra aqui:

« de 5 »

Quisemos saber mais sobre as ilustrações que criou para esta obra e partilhamos contigo, de seguida, a breve entrevista que lhe fizemos.

Gerador (G.) – Foste o autor da obra gráfica desta Revista Gerador. Quando te lançámos o desafio de ocupares estas páginas da Revista, o que te levou a escolher ilustrar estas Vivências?

Nuno Trigueiros (N. T.) – O que me levou a escolher estes temas para as ilustrações esteve relacionado também com alguns dos temas que esta revista aborda. Escolhi abordar os jovens que, muitas vezes, são inviabilizados na nossa sociedade.

G. – Que histórias e identidades procuraste trazer nestas ilustrações que tomam lugar em Mem Martins?

N. T. – Procurei trazer simples experiências e vivências básicas de rua, cheias de histórias, gargalhadas, entre outras coisas.

G. – Na tua obra, vemos que destacas os jovens. Que invisibilidades notas existirem no quotidiano dos mesmos?

N. T. – Os jovens da periferia são sempre vistos como «ocupadores», «vândalos» aos olhos de muitos cidadãos. Existe muita falta de compreensão por parte da sociedade em geral, e tento pintá-los de forma a perpetuá-los em pinturas e suavizar a sua presença.

G. – Apresentas-te como o artista dos selos que coleciona imagens. O que encontras nesta linguagem dos selos que te levou a escolhê-los para enquadrar as tuas ilustrações, de uma forma transversal no teu trabalho?

N. T. – Os selos começaram apenas como uma nova forma estética de me exprimir, até que, quando dei conta, faziam grande parte do meu trabalho. Os selos são um registo e uma forma de identidade com muitos anos e, de alguma forma, sinto que escolhi os selos pela sua característica intemporal, que é o meu desejo – fazer pinturas intemporais e nostálgicas.

A obra gráfica foi originalmente publicada na Revista Gerador 39, que podes comprar aqui:

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

12 Junho 2024

Haris Pašović: “Não acredito que a arte deva estar desligada da realidade”

10 Junho 2024

Matilde Travassos: “A intuição é a minha única verdade”

6 Junho 2024

João Albuquerque: “O consenso que marcou as gerações de crescimento da União Europeia está em risco”

29 Maio 2024

Lídia Pereira: “O maior desafio que temos é o compromisso com o diálogo na defesa da democracia”

22 Maio 2024

Sara Cerdas: “Não podemos apenas viver de políticas feitas a pensar no ciclo político”

8 Maio 2024

Campanha “Vamos fazer o (im)possível acontecer” quer mais mulheres imigrantes nas europeias

2 Maio 2024

Foco, família e determinação: o segredo do campeão Zicky Té

1 Maio 2024

Roberto Saraiva: “Os descendentes de africanos nem possuem um lugar nas estatísticas nacionais”

24 Abril 2024

Lara Seixo Rodrigues: “É negada muita participação cultural a pessoas com deficiência”

17 Abril 2024

Marta Nunes: «A arte é sempre uma manifestação do espírito do seu tempo»

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0