fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Visitantes mais do que duplicaram em dois museus nacionais

O ano de 2021 ficou marcado, de modo geral, por um aumento das entradas nos…

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O ano de 2021 ficou marcado, de modo geral, por um aumento das entradas nos museus, palácios e monumentos nacionais, mas há dois que se destacaram, tendo visto o seu número de visitantes mais do que duplicar, de acordo com as estatísticas publicadas pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). Em causa estão o Museu Nacional dos Coches, em Lisboa, e o Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto.

Segundo os dados agora conhecidos, ao longo do último ano, 65.110 pessoas visitaram o primeiro dos referidos museus, quando em 2020 tinham sido registadas menos de 27 mil entradas. Ou seja, houve um salto de 142,3%. Já no que diz respeito ao Museu Nacional Soares dos Reis, o disparo foi de 236%, tendo passado de cerca de seis mil visitantes em 2020 para mais de 21 mil entradas em 2021.

A DGPC salienta que, contas feitas, em 2021, os museus, monumentos e palácios que tutela contabilizaram um aumento de 3,9% dos visitantes, face ao período homólogo. Em termos absolutos, foram registadas mais 50.722 entradas no ano passado do que no ano anterior, totalizando, assim, 1.346.250 visitantes. De notar, contudo, que os dados destes dois anos têm sido significativamente influenciados pela crise pandémica e pelas restrições que a ela têm ficado associadas. Por exemplo, entre 13 de março e 17 de maio de 2020, estes espaços culturais foram forçados a encerrar para mitigar a propagação do coronavírus. E entre 15 de janeiro e 4 de abril de 2021, voltaram a ter de fechar portas pelo mesmo motivo.

Ainda assim, no ano passado, registou-se uma “recuperação de público notória” particularmente a partir do mês de junho. “Comparativamente a idêntico período em 2020, a tendência de crescimento caracterizou todo o segundo semestre de 2021, com subidas muito acentuadas em novembro (598,2%) e em dezembro (364,7%)”, especifica a DGPC, em comunicado enviado às redações.

Quanto à distribuição destas entradas pelos vários museus, monumentos e palácios, a Direção-Geral indica que o mais visitado foi o Mosteiro dos Jerónimos, com 271.612 entradas, mais 16,1% do que em 2020. Segue-se o Mosteiro da Batalha, com cerca de 124 mil entradas, mais 23,5% do que no período homólogo. Já o terceiro lugar do pódio é ocupado pelo Convento de Cristo, com pouco mais de 116 mil visitantes, o que corresponde a um crescimento de 2,3% face ao ano de 2020.

Por outro lado, a Torre de Belém destaca-se como o espaço cultural tutelado pela DGPC que registou a maior quebra do número de entradas. Em causa está um decréscimo de 87,2%, o que é explicado pelo encerramento ao público deste monumento durante quase todo o ano de 2021 (reabriu somente a 23 de novembro).

Mosteiro dos Jerónimos foi o mais visitado, mas Museu Soares dos Reis foi o que mais viu as entradas crescerem.

De notar, além disso, que o Palácio Nacional da Ajuda e o Museu Nacional e o Museu de Arte Popular contabilizaram subidas homólogas consideráveis, na ordem dos 70%. Deste modo, o primeiro desses espaços viu o número de visitantes crescer 78%, totalizando 55.704 entradas, no ano em que inaugurou uma nova ala. Já o Museu de Arte Popular contou com 2.195 visitantes, mais 76,7% do que em 2020.

Em comunicado, a DGPC faz ainda questão de assegurar que todos os equipamentos culturais que tutela “são espaços seguros, que cumprem integralmente as normas e orientações da Direção-Geral de Saúde (DGS)”.

Antes da crise pandémica, e desde 2015 que os museus, monumentos e palácios nacionais vinham a registar totais de visitas anuais superiores a quatro milhões, “destacando-se o ano de 2017, em que excepcionalmente foi ultrapassada a casa dos cinco milhões”. A Covid-19 veio, contudo, mudar este cenário, fazendo emagrecer o número de entradas. O ano de 2021 trouxe alguma recuperação, mas as estatísticas mostram que as visitas ainda estão longe dos níveis pré pandemia.

Texto de Isabel Patrício
Fotografia de RFRumbao via Flickr

Se queres saber mais sobre a agenda da cultura em Portugal, clica aqui

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

17 Julho 2024

Mais de 1800 pessoas e entidades defendem “liberdade de escrever, de publicar e de ler”

10 Julho 2024

Junho de 2024 foi globalmente mais quente do que qualquer junho de que há registo

4 Julho 2024

Porto: novo programa apoia melhorias na casa de pessoas com deficiência

25 Junho 2024

Último Recurso esteve no principal fórum climático que prepara as decisões da COP29

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

4 Junho 2024

Irene Flunser Pimentel: “o identitarismo é a grande arma da extrema-direita”

28 Maio 2024

Tiago Fortuna: “a deficiência é um espaço de combate para quem a habita”

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

14 Maio 2024

António Sampaio da Nóvoa: “a melhor política educativa é a valorização daquilo que já se faz”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0