No dia 20 de Abril, a Fundação Eugénio de Almeida lançou a iniciativa 1001 objectos para um museu imaginário, convidando-nos a partilhar uma peça do nosso espaço doméstico, bem como a sua história.

Este desafio permite reencontrarmo-nos com a casa e reparar no que o hábito e o trânsito apressado foi escondendo. O álbum já conta com uma máquina de lavar roupa SOLAC, de 1940/1950, uma cabaça pintada e um fogão a petróleo, entre outros. Este último é de Pedro Agostinho, que o apresenta: "pertenceu ao meu avô, pai de minha mãe, que mais tarde o ofereceu ao meu pai e agora me pertence."

Para a tua história ser partilgada no álbum "1001 objetos para um museu imaginado", terás que enviar uma mensagem para a página de Facebook da Fundação Eugénio de Almeida ou do Centro de Arte e Cultura - Fundação Eugénio de Almeida, com a ficha técnica do objecto, a qual deve apresentar a seguinte informação: nome da peça/título; autor/proprietário; breve descrição ou história associada (3-5 linhas); dimensões (opcional) e material (opcional).

Texto de Raquel Botelho Rodrigues

Cartaz disponível na página de Facebook da Fundação Eugénio de Almeida