Feliz 2021 a todos, que corra tudo bem e que 2020 fique muito lá para trás.

Bem, sinceramente, pensava que este início de ano iria ser muito soft e cheio de coisas boas, tipo passamos do hard para o soft, mas, epá, passaram 9 dias e o caos continua.

Ao nível da covid, os casos continuam a aumentar de dia para dia, e o medo está cada vez mais presente na sociedade, 2021 vai trazer esperança??

Hum… não me parece. Entrámos em 2021 com um sentimento de dever cumprido e de superação por termos sobrevivido a porcaria que foi 2020, e a mudança de ano deveria vir com todo um novo sentimento e esperança.

O voltar à normalidade é o que todos queremos e o que sonhámos que viesse a acontecer em 2021, mas, para mim, não começamos bem o ano. Do meu lado, tenho dois amigos que perderam o pai, outro amigo fechou o negócio, e duas relações acabaram derivado a problemas criados por toda esta crise que estamos a passar.

Foi bom termos o Natal e Ano Novo, estarmos em família, convivermos, acho que todos demos mais valor a esta época, porque foi diferente. Para mim, há anos que não passava um Natal assim, com tanto amor e mais impacto, o sentimento foi diferente.

Foi o ano em que todos duvidámos de tudo e pensámos que tudo podia acabar do nada, ou que poderíamos perder um familiar próximo.

Voltando a 2021, temos um candidato à presidência do país, com ideias de extrema direita. Apesar de ter quase a certeza de que não irá ganhar, é de ficar atento à quantidade de apoiantes que tem a nível nacional, e, pelos vistos, internacional também, visto que esta semana tivemos a Marine Le Pen em Portugal a demonstrar o seu apoio ao tal candidato.
Foi bom ver o Sr.Presidente Marcelo com bons argumentos para ele, e, no momento certo, conseguir o pô-lo no seu devido lugar. Tenho visto muitos apoiantes do Chega que não fazem a mínima ideia do programa do partido. Acho que iriam vomitar ao ler, com tanta coisa sem sentido, chega a dar pena, e medo, ao mesmo tempo, não vá ele conseguir ganhar e temos o país entregue a malucos. São tempos de muita reflexão e, acima de tudo, de darmos uma maior importância ao poder que temos com o voto.
Do outro lado do mundo, tivemos uma invasão ao Capitólio, algo que até agora, pelo que sei, já provocou cinco mortos, mas como é possível? Sempre vimos em filmes que estas coisas na America só aconteciam se lá fosse um Exterminador ou um Rambo, com mil granadas e umas 300 metralhadoras, mas não aconteceu e não vimos nenhuma arma nos invasores.
Muitos têm sido os movimentos que têm feito manifestações nos Estados Unidos e pelo mundo fora. Gostaria que se fizesse o seguinte exercício mental, imaginar este cenário: imaginem os milhares de jovens que se andaram a manifestar pelo mundo todo pelo movimento Black Lives Matter a invadirem espaços políticos, jovens na sua maior parte negros, será que o numero de mortes seria o mesmo que temos neste momento? Eu duvido.

9 dias se passaram e já temos assunto para muitas horas de conversa e sumo para o guião de muitos filmes, continuamos confinados, com barreiras invisíveis e com recolher obrigatório, presos na selva de betão, que esta nova variante do vírus seja soft.
Será que é este ano que voltamos aos festivais? Foi tudo adiado para 2021, acredito que com a esperança que por esta altura tudo fosse diferente, temos centenas de artistas já confirmados e muitos são os eventos já com milhares de bilhetes vendidos. Se 2021 for igual a 2020 e nada mudar, acredito que, agora sim, toda uma indústria será gravemente afetada, mais do que já foi. Há milhares de profissionais que se estão aguentar para tentar recuperar em 2021, mas se nada mudar vai ser o caos total.

Queria aproveitar para enviar os meus sinceros sentimentos à minha grande amiga Cátia Rodrigues e aos meus amigos da família Freire pela perda que sofreram esta semana.

-Sobre Nuno Varela-

Nuno Varela, 36 anos, casado, pai de 2 filhos, criou em 2006 a Hip Hop Sou Eu, que é uma das mais antigas e maiores plataformas de divulgação de Hip Hop em Portugal. Da Hip Hop Sou Eu, nasceram projetos como a Liga Knockout, uma das primeiras ligas de batalhas escritas da lusofonia, a We Deep agência de artistas e criação musical e a Associação GURU que está envolvida em vários projetos sociais no desenvolvimento de skills e competências em jovens de zonas carenciadas.Varela é um jovem empreendedor e autodidata, amante da tecnologia e sempre pronto para causas sociais. Destaca sempre 3 ou 4 projetos, mas está envolvido em mais de 10.

Texto de Nuno Varela
Fotografia de Lucas Coelho
gerador-gargantas-soltas-nuno-varela