fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A comunidade contra o totalitarismo

Nas Gargantas Soltas de hoje, Jorge Pinto fala sobre os riscos do totalitarismo e como promover a participação na vida da comunidade o pode evitar.

Opinião de Jorge Pinto

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

No seu portentoso ensaio sobre as origens do totalitarismo, a filósofa Hannah Arendt apresenta uma caracterização deste conceito, distinguindo o regime totalitário de outros regimes, como o regime autoritário ou o regime tirânico. Tendo algumas semelhanças com os outros regimes agora citados, o regime totalitário apresenta especificidades que Arendt identifica com clareza. Enquanto um regime autoritário é organizado de forma piramidal, num regime totalitário o chefe, indisputado, está no centro de uma série de círculos concêntricos onde se inclui num nível mais próximo deste a sua clique e as forças repressivas, alargando-se estes círculos até se chegar à base popular de apoio do regime. 

Mas há ainda outros aspetos-chave do totalitarismo que são relevantes no presente. Para vingar, este regime necessita de muita gente e desorganizada. Segundo a autora, “os movimentos totalitários são organizações de massas de indivíduos atomizados e isolados”. Uma vez instituído, o regime totalitário precisa de assegurar a sua manutenção e preservação. E como o faz? Segundo Arendt, não permitindo qualquer livre iniciativa ou qualquer atividade que não seja totalmente previsível. E, “uma vez chegado ao poder, [o totalitarismo] substitui invariavelmente todos os verdadeiros talentos, sejam quais forem as suas simpatias políticas, pelos iluminados e imbecis a quem a falta de inteligência e de criatividade é a melhor garantia de lealdade”.

Pode parecer exagerado falar de totalitarismo (pelo menos em Portugal) nos dias que correm, sobretudo quando comparado com os regimes que levaram Arendt a desenvolver a sua tese. Mas o risco é sempre real – nem os nossos antepassados eram mais imbecis que nós, nem a história nunca se arrisca a repetir. Igualmente assustadoras são as condições necessárias ao totalitarismo e como estas se mantêm uma realidade. Não serão “as massas de indivíduos atomizados e isolados” uma realidade no presente?  Não serão até uma realidade mais vincada hoje que na época de Arendt? A isto acrescenta uma outra passagem do livro da filósofa alemã que ressoará hoje como uma possível realidade do presente: o totalitarismo é “internacional na sua organização, universal na sua visão ideológica e planetário nas suas aspirações politicas”.

Portugal tem dos mais baixos índices europeus de participação cívica. Significa isto que os portugueses estão entre os europeus que menos militam em partidos políticos ou outro tipo de organização, como sindicatos, ONGs, associações ou outro tipo de grupo. Em paralelo, o nosso país é também caracterizado por baixíssimos índices de confiança interpessoal. Se é certo que correlação não é casualidade, não é preciso ser muito imaginativo para imaginar que estes dois indicadores estão relacionados. Temos assim massas de indivíduos despolitizados, sem participação cívica e sem confiança entre si.

Haverá um grande conjunto de razões para estes indicadores, do pouco tempo disponível para atividades extra laborais a razões históricas. Mas mais do que as razões, importa pensar em como melhorar esses indicadores e, assim, reduzir as possibilidades de um regime totalitário se instituir. Desde logo, é essencial garantir mais tempo livre para todos, com as condições que permitam a participação cívica verdadeiramente livre. Mas é preciso mais. É preciso apostar, como escreve Catarina Neves, na promoção da “amizade cívica” e na sua relação com as ideias de reciprocidade. 

Para uma republicana aristotélica como era Hannah Arendt, a participação na vida da polis era, antes de mais, a verdadeira maneira de ser livre. Talvez essa participação seja também uma garantia de liberdade conjunta. 

-Sobre Jorge Pinto-

Jorge Pinto é formado em Engenharia do Ambiente (FEUP, 2010) e doutor em Filosofia Social e Política (Universidade do Minho, 2020). A nível académico, é o autor do livro A Liberdade dos Futuros - Ecorrepublicanismo para o século XXI (Tinta da China, 2021) e co-autor do livro Rendimento Básico Incondicional: Uma Defesa da Liberdade (Edições 70, 2019; vencedor do Prémio Ensaio de Filosofia 2019 da Sociedade Portuguesa de Filosofia). É co-autor das bandas desenhadas Amadeo (Saída de Emergência, 2018; Plano Nacional de Leitura), Liberdade Incondicional 2049 (Green European Journal, 2019) e Tempo (no prelo). Escreveu ainda o livro Tamem digo (Officina Noctua, 2022). Em 2014, foi um dos co-fundadores do partido LIVRE.

Texto de Jorge Pinto
Fotografia de Luís Catarino
*As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.*

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

24 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

23 Maio 2024

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

22 Maio 2024

Sara Cerdas: “Não podemos apenas viver de políticas feitas a pensar no ciclo político”

21 Maio 2024

Miradouro da Lua, colonialidade crua

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

20 Maio 2024

Mulheres em situação sem-abrigo: números atuais podem ser apenas a ponta do icebergue

17 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

16 Maio 2024

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0