fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A intolerável radicalidade da moderação

Nas Gargantas Soltas de hoje, Jorge Pinto nos fala sobre outros posicionamentos.

Opinião de Jorge Pinto

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Ser-se moderado nos dias que correm é uma missão quase impossível. Desde logo, porque, como já aqui escrevi, o conceito de moderação não tem parado de encolher. Conscientemente, tem-se promovido uma cada vez mais limitada definição do que é a moderação e do que é ser-se moderado. O resultado é o de caracterizar todos os que fujam desta definição como extremistas, radicais ou contrários à boa prática democrática que a moderação promove. 

Em segundo lugar, porque temos assistido a um aprofundar da procura de se agradar exclusivamente ao seu próprio campo ideológico, sendo essa necessidade cada vez mais traduzida numa obrigação de antagonizar quem pensa de maneira (ligeiramente) diferente. Esta procura do purismo de posicionamento leva, forçosamente, a um extremar das posições e ao apagamento de qualquer tipo de nuance. Quem se atreva a tentar uma posição mais colorida num mundo a preto e branco é tratado como “moderado”, leia-se, traidor do radicalismo do (cada vez mais pequeno) nicho que é suposto defender. Voluntária ou involuntariamente, também esta postura contribui para o perigoso estreitar do conceito de moderação. 

Não surpreende o espanto, quando não o choque, com que as declarações sobre o conflito entre Israel e o Hamas do Secretário-Geral da ONU, António Guterres, foram recebidas, também em Portugal. Guterres, talvez o político português que melhor representa a ideia de moderação, tornou-se subitamente num radical, em alguém que decidiu abdicar, lá está, de ser moderado. A razão? A sua condenação inequívoca dos ataques terroristas do Hamas enquanto relembrava o óbvio: que estes ataques não surgiram do vácuo. 

Embora muitos dos que imediatamente saltaram dos seus sofás para atacar as declarações de Guterres não tenham sequer ouvido o seu discurso na íntegra, a sua posição enquanto Secretário-Geral da ONU não poderia ser mais moderada. Aliás, a solução dos dois Estados tal como preconizada pela ONU, por mais difícil que possa parecer no presente, deve continuar a ser a proposta que nos guie. Defender a liberdade do povo palestiniano e o seu direito à autodeterminação, o final de todas as atrocidades cometidas pelo mais, esse sim, radical governo israelita e aceitar as fronteiras como defendidas pela ONU é ser-se moderado. É ser-se verdadeiramente moderado. 

Num artigo recentemente publicado no Público, Alexandra Lucas Coelho escrevia que se tornou radical dizer a verdade – aquela verdade, como a escritora se refere às declarações de Guterres. Do mesmo modo, e indo para lá da questão palestina, parece ter-se tornado radical ser moderado. E esse é um dos grandes problemas que temos pela frente. Se queremos garantir uma democracia saudável, a moderação, no seu sentido mais amplo, tem de ter lugar. 

Mas ser-se moderado não significa encontrar um pretenso quase-neutro ponto intermédio entre duas posições antagónicas; tampouco significa forçar pontes entre ideologias e perspetivas irremediavelmente díspares e que estarão em conflito. Nem significa procurar aliados ou procurar agradar a todos a todo o custo. Ainda assim, e em contraponto com o posicionamento purista acima referido, ser-se moderado não implica a alienação automática e imediata de potenciais aliados pelo simples facto de pensarem de forma ligeiramente diferente. A moderação e a nuance tornam-se assim condições essenciais para o reforçar da democracia. 

Num mundo cada vez mais de extremos – e em particular extremos reacionários, quando não abertamente fascistas – a moderação pode servir propósitos progressistas. Assumir que a moderação é, por definição, reacionária, é desistir à partida de uma das mais importantes lutas políticas da nossa era. E essa é uma luta que nós, progressistas, mais ou menos radicais, podemos também abraçar: a de radicalizar a moderação. Olhando para o passado, essa parece ser uma luta que vale a pena travar. Temos de voltar a fazer com que seja moderado defender a autodeterminação dos povos, que seja justa a justa redistribuição da riqueza, que seja moderado pedir que aqueles que mais contribuíram para as alterações climáticas tenham agora um maior contributo para a sua resolução, que seja moderado defender a vida, toda a vida, e que deixar que morram tantos seres humanos às portas do nosso continente é um crime que não podemos permitir. No fundo, é com a radicalidade da moderação que poderemos criar a hegemonia de que tanto precisamos. 

-Sobre Jorge Pinto-

Jorge Pinto é formado em Engenharia do Ambiente (FEUP, 2010) e doutor em Filosofia Social e Política (Universidade do Minho, 2020). A nível académico, é o autor do livro A Liberdade dos Futuros - Ecorrepublicanismo para o século XXI (Tinta da China, 2021) e co-autor do livro Rendimento Básico Incondicional: Uma Defesa da Liberdade (Edições 70, 2019; vencedor do Prémio Ensaio de Filosofia 2019 da Sociedade Portuguesa de Filosofia). É co-autor das bandas desenhadas Amadeo (Saída de Emergência, 2018; Plano Nacional de Leitura), Liberdade Incondicional 2049 (Green European Journal, 2019) e Tempo (no prelo). Escreveu ainda o livro Tamem digo (Officina Noctua, 2022). Em 2014, foi um dos co-fundadores do partido LIVRE.

Texto de Jorge Pinto
Fotografia de Luís Catarino
*As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.*

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Maio 2024

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

21 Maio 2024

Miradouro da Lua, colonialidade crua

16 Maio 2024

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

14 Maio 2024

E que a festa dure até às tantas por mais tantos anos

14 Maio 2024

Se eu não gostar de mim, quem gostará?

9 Maio 2024

Acompanhar a política europeia é antecipar aquele que será o nosso futuro

9 Maio 2024

Pelas crianças (algumas)

7 Maio 2024

O futuro da Europa é Social

7 Maio 2024

A Maternidade e os Químicos

2 Maio 2024

Casa arrendada também é lar

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0