fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A Maternidade e os Químicos

Nas Gargantas Soltas de hoje, Laura Bastos fala-nos sobre as preocupações da maternidade e a exposição das crianças a substâncias químicas.

Opinião de Laura Bastos

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O mês de Maio é também o Dia da Mãe. Nunca assinalei esta data antes de ser efetivamente mãe (e perdão à minha pelas vezes que não o fiz, com a desculpa de que é uma invenção com fins comerciais, que também o é). Há muito, demasiado, a ser falado sobre a maternidade. Para mim, tem sido sobretudo uma viagem estonteante entre preocupações sufocantes, alegrias surpreendentes e uma mudança brusca nas leis da física, pois de repente sinto que o peso da minha existência triplicou. 

Provavelmente partilho este sentimento com a maior parte das mães, mas, o que talvez não partilhe, é este desafio em particular: manter o equilíbrio entre o pânico causado pela informação a mais, e a garantia que sei o suficiente para que o meu filho esteja bem. Por um lado, sinto que sou constantemente bombardeada com informação sobre as escolhas certas. Apesar de, na verdade, cada vez que tomo uma decisão, vir a saber, passado algum tempo, e mais um quanto de informação apreendida, que essa escolha não é consensual e que na verdade ninguém se entende (chupeta ou não chupeta, bebegel ou não bebegel, benuron ou não benuron, co-sleeping ou não co-sleeping, treino de sono ou não treino de sono). Por outro lado, também sei que informação é poder e que devemos saber o mínimo para garantir o bem-estar das crianças, seja em relação à alimentação, higiene, e tantas outras coisas. 

E é neste estado mental que me deparo com uma das questões que mais me gera ansiedade enquanto cuidadora: os químicos a que somos expostos no dia a dia. Os produtos químicos usados na produção alimentar, nos produtos de limpeza, higiene e nos brinquedos parecem-me a mim tão omnipresentes que, cada vez que leio um pouco sobre as suas consequências (ou vejo sem querer uma publicação sobre isso algures), o meu coração começa a bater mais rápido e a minha respiração torna-se mais difícil. Sei bem de onde vem esta reação: o assunto parece tão maior do que eu, que me provoca a sensação de perda de controlo e, logo, de incapacidade de proteger o meu filho. 

Mas como informação é poder, obrigo-me a conhecer algumas estratégias (utilizo sobretudo os dados do projeto QuímicosZERO em https://quimicos.zero.ong/). E assim, para aqueles corajosos que enfrentam esta questão de peito aberto, mas também para aqueles que a enfrentam a medo, aqui vão algumas dicas: 

  • Utilizar produtos o menos possível em bebés e crianças pequenas e, quando usar, procurar artigos específicos para a faixa etária, de qualidade, com poucos ingredientes, e certificados com rótulos ecológicos abrangentes, como o Rótulo Ecológico Europeu, o Blue Angel ou o Nordic Swan; 
  • Evitar ao máximo produtos que contenham potenciais desreguladores endócrinos, como parabenos, antioxidantes do tipo BHT e BHA, perfumes e fragâncias; 
  • Preferir fraldas reutilizáveis feitas de algodão, se possível, orgânico; 
  • No caso das fraldas descartáveis, procurar adquirir aquelas certificadas com o rótulo ecológico europeu, pois não podem conter fragrâncias, devem ser apenas de algodão orgânico, o uso de formaldeído e de ftalatos é restricto e os corantes e tintas não podem ser usados em partes da fralda que estejam diretamente em contacto com a pele do bebé; 
  • Usar o mínimo de toalhitas possível, sendo que devemos escolher um artigo sem fragrâncias, sem fenoxietanol e sem parabenos;
  • Evitar protetores solares à base de filtros químicos, e, no caso de bloqueadores minerais, verificar que que não estão presentes no formato nano (provenientes de nanotecnologia) e que não contêm dióxido de titânio (procure a referência CI 77891) pois é uma substância potencialmente cancerígena; 
  • Evitar os dentífricos fluoretados para crianças com menos de 3 anos. Depois dos 3 anos, devemos optar por um dentífrico com baixa dosagem de flúor (até 500ppm). Procurar sempre os dentífricos biológicos certificados. 
  • Não comprar brinquedos com cheiros intensos a perfume ou que sejam pegajosos ao toque. Preferencialmente, os brinquedos devem ser feitos de materiais naturais (madeira, algodão), sem cor, sem elementos eletrónicos e sem plásticos.

Talvez se cumprisse todas estas diretivas (iniciei o processo, mas está longe de ser rotineiro), a minha ansiedade diminuísse. Mas por enquanto ponho este item no saco sem fundo das preocupações maternais, e aceitar que todas fazemos o melhor que sabemos, na esperança de que tudo corra bem.  

-Sobre Laura Bastos-

Laura Bastos é licenciada em Jornalismo e doutorada em Relações Internacionais pela Universidade de Coimbra. Colabora como voluntária com a ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável desde Setembro de 2022.

Texto de Laura Bastos | Zero – Associação Sistema Terrestre Sustentável
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

14 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

12 Junho 2024

42: Prólogo

12 Junho 2024

Haris Pašović: “Não acredito que a arte deva estar desligada da realidade”

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

10 Junho 2024

Matilde Travassos: “A intuição é a minha única verdade”

7 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0