A longa-metragem da cineasta Catarina Vasconcelos recebeu ontem, 1 de dezembro, o prémio de melhor filme, no Festival Internacional de Documentário do Chile (FIDOCS), e o Prémio do Júri Jovem.

O reconhecimento foi unânime. O júri da competição principal da edição deste ano, composto pelos cineastas e produtores Gema Juarez Allen (Argentina), José Luis Torres Leiva (Chile), Diego Pino Anguita (Chili) e Rachel Daisy Ellis (Brasil), atribuiu o galardão máximo do festival à cineasta portuguesa, "pela sua capacidade de transformar a história do património familiar num olhar poético e pessoal", de acordo com a Lusa.

A narrativa do filme de Catarina cruza documentário e ficção, partindo da história particular da família da realizadora, nomeadamente, a avó paterna, que nunca chegou a conhecer.

“A Metamorfose dos Pássaros”, uma produção da Primeira Idade que deverá estrear-se em Portugal em 2021, tem estado em circulação internacional por mais de 40 festivais e mostras de cinema.

Depois de conquistar o Prémio da Crítica Internacional, o filme de Catarina tem vindo a destingir-se com: o Prémio de Melhor Filme no Festival de Vílnius (Lituânia), o Prémio Especial do Júri no Festival de Taipei (Taiwan), o Prémio do Melhor Filme no Festival Dokufest (Kosovo) e o prémio Zabaltegi – Tabakalera, no Festival de Cinema de San Sebastián (Espanha).

Em território nacional, o reconhecimento também foi assinalado. No início de setembro conquistou o prémio do público no IndieLisboa.

Ainda em contexto de mérito, em outubro, seguiram-se os prémios do público e de contribuição artística no Festival de Cinema de Curitiba (Brasil), além da estreia na Áustria, no âmbito do Viennale - Festival de Cinema de Viena.

Durante o mês de novembro, o filme também foi duplamente premiado com o Grande Prémio e o Prémio do Público, da 20.ª edição do festival New Horizons.

Texto de Patrícia Silva e Lusa
Fotografia via IndieLisboa

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.