fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Absurdo: uma exposição de Teresa Murta, na Galeria NAVE.

Para o ano de 2020, a Galeria NAVE tem a curadoria de Mercedes Cerón, que…

Texto de Rita Dias

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Para o ano de 2020, a Galeria NAVE tem a curadoria de Mercedes Cerón, que quer trazer nomes da arte contemporânea nacional e internacional. Começando com uma artista plástica portuguesa, Teresa Murta apresenta a exposição Absurdo.

Em exibição entre os dias 5 de março e 4 de abril, Absurdo marca o regresso de Teresa Murta à Galeria NAVE e determina um passo importante na carreira da artista, que verá o seu trabalho internacionalizado ainda durante 2020, numa exposição em Madrid. “O trabalho exposto em 'Absurdo' talvez seja a transição mais eloquente da carreira de Teresa Murta. Por absurdo talvez seja, porque é o mais emotivo, e o mais comovedor. Quando começamos a abrir os olhos para o visível, há muito que já estávamos pegados ao invisível – assim diria o poeta D’Annunzio”, lê-se no comunicado de imprensa.

“A obra de Teresa Murta prima por uma vivacidade de uma não-realidade, de um universo do que não é, nem está, e que desenvolve através da liberdade do seu traço diretamente na tela, sem esboço ou roteiro pré concebido, numa sinfonia sensorial emprenhada pelo surrealismo onde o sonho predomina”. Neste seguimento, ao longos dos quatro anos mais recentes, a artista plástica desenvolveu um trabalho que reflete sobre o pensamento e sobra obra escrita de Gaston Bachelard, através do estímulo às referências inconscientes do espectador.

Teresa Murta é o nome artístico de Teresa Costa Gomes, nascida em Lisboa em 1993. Estudou na ESAD.cr – Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha, onde concluiu a Licenciatura em Artes Plásticas. É autora das exposições individuais “Rock. My World.”(ArtRoom, 2019), “In>side<Out” (Galeria Wozen, 2017), “Mundo Plano” (Palácio Chiado, 2016) e das exposições colectivas “ARTFEM – Mulheres Artistas” (1ª Bienal Internacional de mulheres artistas de Macau, 2018), “Universo Surreal - Entre o Delírio e o Absurdo” (Galeria Wozen, 2016) e “LISBOA 13.2 NE 1/500000” (Centro Cultural do Cartaxo, 2015).

A exposição Absurdo poderá ser visitada de segunda a sexta, entre as 12h00 e as 19h00, e aos sábados, entre as 15h00 e as 19h00. A Galeria NAVE, que promove a exposição de combinações artísticas contemporâneas e multidisciplinares num enquadramento de autor, incluídas no panorama nacional e internacional, fica no Príncipe Real, em Lisboa.

Texto de Rita Dias
Fotografia via press release

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

4 Junho 2024

Irene Flunser Pimentel: “o identitarismo é a grande arma da extrema-direita”

28 Maio 2024

Tiago Fortuna: “a deficiência é um espaço de combate para quem a habita”

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

14 Maio 2024

António Sampaio da Nóvoa: “a melhor política educativa é a valorização daquilo que já se faz”

7 Maio 2024

Festival Mental está de volta a Lisboa para a sua 8.ª edição

30 Abril 2024

Flávio Almada: “Devemos recusar a geografia do medo”

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0