fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Afinal, o que é um museu? Nova definição “reforça serviço à sociedade”

Acessibilidade, inclusão, sustentabilidade e diversidade. Estes são alguns dos pontos que constam da nova definição de museu, que, segundo o ICOM Portugal, reforça a dimensão de serviço à sociedade através de uma “relação mais estreita” com os públicos.

Texto de Isabel Patrício

Fotografia de Amy-Leigh Barnard via Unsplash

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Há década e meia que a definição de um museu não era revista, ainda que, nestes quinze anos, muito tenha mudado no mundo. No final de agosto, o Conselho Internacional de Museus (ICOM) decidiu, por isso, refletir essa transformação no seu entendimento das instituições em causa, passando a incluir nomeadamente os conceitos de sustentabilidade, diversidade e acessibilidade. “A revisão é um exercício saudável, [porque] obriga ao questionamento sobre o que somos, o que fazemos e porque o fazemos”, sublinha, assim, a investigadora Ana Carvalho. “A nova definição reforça a dimensão de serviço à sociedade”, acrescenta, por sua vez, a presidente da direção do ICOM Portugal, Maria de Jesus Monge.

Com 92 % dos votos, a assembleia geral extraordinária do ICOM aprovou, no final de agosto, a nova definição de museu, estabelecendo que se trata de uma “instituição permanente, sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade, que pesquisa, coleciona, conserva, interpreta e expõe o património material e imaterial”. “Os museus, abertos ao público, acessíveis e inclusivos, fomentam a diversidade e a sustentabilidade. Os museus funcionam e comunicam ética, profissionalmente e, com a participação das comunidades, proporcionam experiências diversas de educação, fruição, reflexão e partilha de conhecimento”, afirma ainda o novo entendimento.

Pela primeira vez, passam, deste modo, a estar em destaque conceitos como sustentabilidade, inclusão, diversidade e acessibilidade, os quais já “estavam subjacentes”, garante Maria de Jesus Monge, mas que importa agora realçar de forma expressa na definição, tendo em conta que ainda “existe um caminho a percorrer” na sua tradução no terreno. “Pretende-se que os museus reforcem o seu papel, não apenas nas dimensões mais habituais de agentes ativos de recolha, conservação, produção e comunicação de conhecimento, mas sobretudo na dimensão de agentes de consciencialização e dinamização social”, salienta a responsável.

Também Ana Carvalho, da Universidade Évora, entende que os conceitos agora incluídos já tinham alguns reflexos práticos, mas avisa que “o mundo dos museus é muito desigual e diversos”. “Convivem diferentes velocidades”, observa, defendendo que a integração desses novos pontos na definição pode “ajudar a colocar em ação” essas temáticas, em certos contextos e para “muitos museus”.

É que, sublinha, “a definição de museu do ICOM tem sido ao longo dos tempos um referencial, atendendo à notoriedade e prestígio do ICOM, que agrega a maior comunidade de profissionais e de museus do mundo”. E acrescenta: “É a definição de museu mais difundida internacionalmente. Por essas razões, é com frequência fonte de inspiração, por exemplo, para pensar ou repensar as legislações nacionais.”

Por outro lado, Ana Carvalho enfatiza que a nova definição de museu pode ser até “inspiracional”, além de servir potencialmente como uma “ferramenta importante” para os profissionais chamarem a atenção das tutelas “para o que o museu pode ou não ser”.

No terreno, Joaquim Caetano, diretor do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), confirma que a definição em causa orienta o trabalho que é feito nestas instituições, ainda que cada uma tenha especificidades. “O Museu Nacional de Arte Antiga tem como missão o conhecimento, a exposição e usufruto do património cultural como museu de referência nacional. A sua prática é norteada pela definição de museu aprovada pelo ICOM, mas está condicionada às próprias especificidades administrativas, financeiras e de enquadramento legal, como museu tutelado pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), dentro das atribuições legais que lhe foram atribuídas”, pormenoriza.

No entender deste responsável, a mudança na definição que agora recebeu “luz verde” era necessária, destacando-se como positiva a incorporação do património imaterial, mas também a “referência expressa” à acessibilidade, inclusão, sustentabilidade e diversidade. “A definição é em si mesma reflexo das preocupações e das situações existentes. Mas as situações são também muito diferentes, conforme os museus. Um museu de uma pequena comunidade incorpora mais diretamente os contributos dessa comunidade do que um museu nacional, por exemplo”, ressalva.

Já Emília Ferreira, diretora do Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) afirma que a mudança aprovada é “subtil”, mas “revela uma crescente preocupação com o papel de intervenção social que os museus têm”. “Não é demais reforçar [essa dimensão], sobretudo num contexto em que o próprio tecido social se tem alterado, complexificado e exigido novas respostas”, sublinha.

No caso do MNAC, a responsável assegura que “não é de hoje” a aposta no diálogo com a comunidade, com os demais museus e com as instituições, como escolas, bibliotecas e teatros. “O maior problema prático continua a ser a falta de recursos humanos e financeiros”, admite Emília Ferreira. Além disso, a esse obstáculo, soma-se um outro: “um alto nível de analfabetismo”, que fez com que nunca se tenham criado hábitos muito regulares de consumo a este nível. “Isso faz com que muitos continuem afastados dos museus, por considerarem que não é para todos”, lamenta.

Neste cenário, a diretora do MNAC deixa uma mensagem clara: uma comunidade só existe quando “todos participam”. Ou seja, o reforço da ligação à comunidade agora subentendido na nova definição de museu não depende apenas das instituições, declara. “É difícil ser-se ouvido, quando o ruído à nossa volta apaga a nossa voz”, observa Emília Ferreira. “O entretenimento e o desporto têm um tempo de antena que os tornam crescentemente populares. Não se faz isso com a cultura, nem com a ciência. Toda a gente sabe porquê. É preciso inverter o valor comunicacional e criar a necessidade de consumo cultural nas populações”, apela.

Isto até porque, nas palavras da presidente da direção do ICOM Portugal, os museus preservam a capacidade de “construir narrativas plurais”, que são fundamentais sobretudo em momentos de “rápida evolução e transformação”. “Uma das mais importantes funções do museu é o desenvolvimento de uma cidadania ativa e empenhada, inclusiva e sustentável, que promove o bem-estar de todos, sem exceção”, remata Maria de Jesus Monge.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Abril 2024

Informação local: resistir apesar de tudo

19 Março 2024

O Teatrão: 30 anos de história, de novos desafios e de velhos problemas

19 Fevereiro 2024

Assistência sexual e a democratização do acesso ao corpo

14 Fevereiro 2024

Direito de resposta

14 Fevereiro 2024

Do Brasil até Portugal: uma “metamorfose ambulante”

12 Fevereiro 2024

Lenocínio simples: exploração ou autodeterminação?

5 Fevereiro 2024

Entre o reconhecimento e a abolição, prostituição mantém-se à margem 

29 Janeiro 2024

Entre o chicote e a massagem: como se define um trabalho sexual?

15 Janeiro 2024

Apesar dos esforços, arquivos digitais ainda deixam margem para dúvidas

8 Janeiro 2024

Das boas práticas aos problemas: como os órgãos de comunicação arquivam o seu trabalho?

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0