Hoje, dia 18 de junho, passam dez anos sobre a morte de José Saramago e a Fundação José Saramago está a organizar uma leitura do romance Alabardas, alabardas, Espingardas, espingardas, com os atores André Levy, Joana Manuel e Tiago Rodrigues, numa sessão com transmissão online.

“Uma década de saudade, mas não de ausência”, sublinha a Fundação José Saramago (FJS), no momento em que recordava todas as iniciativas relacionadas com o escritor português e com a sua obra. Para além dos projetos musicais, obras de teatro, filmes, exposições, congressos de literatura, encontros e manifestações cívicas em todo o mundo, conta-se a reedição de vários livros, o lançamento de dois romances inéditos, Claraboia e Alabardas, alabardas, Espingardas, espingardas, um volume dos seus diários (Último Caderno de Lanzarote) e uma conferência para entender o conjunto da sua criação, intitulada “Da Estátua à Pedra”, recorda a fundação em comunicado.

Alabardas, alabardas, Espingardas, espingardas é o romance que José Saramago estava a escrever quando, no dia 18 de junho, “deixou de estar”, como gostava de se referir à morte. O livro foi publicado em 2014 do mesmo modo que o escritor o havia deixado. Além dos três primeiros capítulos, que começam a desvendar a história de Artur Paz Semedo, um homem em conflito moral por trabalhar numa fábrica de armamento, foram também publicadas as notas que José Saramago fez como preparação prévia para a escrita do romance.

A leitura da obra de José Saramago será transmitida por streaming, através da Maple Live, a partir das 18:30. A receita da bilheteira virtual (os bilhetes têm um custo de três euros) reverte na totalidade para um Fundo de Apoio aos Profissionais da Cultura.

Texto de Rita Dias a partir da Lusa
Cartaz da Fundação José Saramago

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.