fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Amaral Media: por um mundo melhor através da educação e literatura

“Criar um mundo de pessoas mais cultas” é o objetivo da Amaral Media, um meio de comunicação, que nasceu de um pequeno projeto de âmbito educativo, criado por Pedro Amaral, em 2021, quando era ainda estudante do ensino secundário. Fomos conhecer esta iniciativa, com foco nas áreas da educação e literatura, e que mantém hoje uma forte ligação com a comunidade escolar.

Texto de Redação

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.


Tudo começou com uma simples e complexa questão: quais os temas que mais inquietam os jovens? “A saúde e bem-estar mental foi a resposta a que cheguei”, partilha Pedro Amaral, fundador e diretor da Amaral Dias, que decidiu, na altura, criar um projeto escolar “que promovesse o envolvimento, empenho e saúde psicológica dos alunos.”

Com foco nas áreas da educação e literatura, assim nasceu o Jornal Digital da Escola, que, mais tarde, ganhou o nome que hoje apresenta, fruto da vontade de expandir a publicação, para além das quatro paredes da instituição.

No site Amaral Media, é publicado conteúdo áudio, vídeo e escrito, com o objetivo claro de fomentar e difundir o conhecimento e de ter um impacto positivo nas vidas através da literatura.

O Gerador quis conhecer melhor este projeto (e o seu mentor), que este ano lançou a iniciativa “Poesia e Prosa nas Escolas” – uma ação que dá aos estudantes do ensino secundário, em Portugal, a oportunidade de publicar gratuitamente textos literários escritos por eles, permitindo assim que possam construir os seus universos literários.

Pedro Amaral, fundador, diretor e editor-chefe do projeto falou ao Gerador.

Fundaste este projeto com 16 anos. Porque achaste que era um projeto que fazia falta?

“Tende vergonha de morrer até teres conquistado alguma vitória para a humanidade [Be ashamed to die until you have won some victory for humanity]”. Ouvi esta frase de Horance Mann – através do astrofísico Neil deGrasse Tyson – e desde então que me acompanha.

Apesar da incrível experiência que tive, passar pelo secundário fez-me sentir a falta de união entre os alunos de diferentes turmas e, juntamente, a minha familiarização com questões de saúde mental. Acreditei que algo precisava de ser feito e, se conseguisse mover a agulha nesta área, conseguiria ajudar as pessoas a ter uma vida melhor. A possibilidade de contribuir para um mundo melhor, juntamente com a minha crença de que ter pessoas mais felizes e com bem-estar faz sempre falta, levou-me a começar este projeto.

Como está montado o projeto? E quais são os objetivos principais? O Amaral Media tem dois pilares primordiais: educação e literatura.

Na literatura, temos uma vasta biblioteca de conteúdo literário original e escrito por várias pessoas. Nesta parte da missão, o que nos rege é ter impacto nas vidas através da literatura.

Na educação, antigamente éramos mais generalistas, mas agora focamo-nos em três áreas – psicologia, tecnologia e filosofia – estando assim na intersecção entre as ciências e as humanidades. E aqui a nossa missão é fomentar e difundir o conhecimento.

A abordagem que adotamos para as duas publicações é diferente e igual em simultâneo. Estas diferem, porque, enquanto na publicação educativa procuramos profissionais e pessoas especializadas nas respetivas áreas, na publicação literária adotamos uma abordagem que assenta na ideia da democratização da literatura.

A literatura pode ser escrita por todos e ser para todos. E unindo ambas as publicações, temos a nossa visão global de criar um mundo de pessoas mais cultas, unidas e com bem-estar. Acredito que isto pode ser feito, através da arte literária, da educação ou da abordagem de temas de saúde mental.

Como olhas para a maneira como a literatura é trabalhada ao longo do ensino obrigatório?

Considero a minha experiência algo atípica, uma vez que vim para Portugal em 2019 e acabei aqui o secundário. Tive professores fantásticos e a minha professora de português deu-me mais do que alguma vez podia pedir. Aprendi sobre o sublime universo literário português e tive uma experiência positiva nos três anos.

Diria, no entanto, que existem claramente ações que podem ajudar a melhorar o cenário da literatura no ensino, nomeadamente: a adoção de formas mais cativantes de ensinar as obras; a organização de programas que dão vida às obras estudadas, por exemplo, peças de teatros, poesias expressivas lidas pelos alunos; o acrescento (nas disciplinas de inglês, espanhol, etc.) do estudo de obras estrangeiras que também são de interesse para a humanidade.

Pedro Amaral, fundador, diretor e editor-chefe da Amaral Media

Achas que os alunos são incentivados o suficiente a escrever os seus próprios textos?

Na minha experiência tive algumas vezes a caneta na mão para escrever um texto literário, mas acredito que se pode incentivar mais os alunos, através de projetos escolares e nacionais de escrita literária. Tentámos no Amaral Media fazer isso com o projeto “Poesia e Prosa nas Escolas” e acredito que uma maior coordenação entre o Amaral Media e o sistema de educação daria em algo muito mais frutífero.

Mas é claro que nem todos os alunos gostam de escrever e há que permitir que assim o seja. Todavia, acredito profundamente que é do interesse de todos desenvolver a competência da escrita, pois, é através da escrita que muitas pessoas pensam, e desenvolver a escrita nas escolas contribui para uma sociedade melhor e dá-nos mais Antónios Damásios e Fernandos Pessoas.

O processo de submissão de textos terminou em março. Que balanço fazes do projeto Poesia e Prosa nas Escolas?

O “Poesia e Prosa nas Escolas” foi interessante, mas surgiram vários obstáculos. Começámos por escolher depender da comunicação social para passar a mensagem para os alunos do país, mas nunca obtivemos uma resposta. Tivemos então de mudar de estratégia e depender das redes sociais. Tinha o desejo de deslocar-me às várias escolas do país, mas isso revelou-se impossível. Comecei então a ligar pessoalmente para as escolas secundárias de todo o país – que são 967 no total –, mas nem ia na décima quarta escola, quando me apercebi de quão caro seria. E, tendo eu os meus 17 anos, não tinha ainda nenhum dinheiro no bolso para gastar.

Digamos que foi a nossa primeira experiência e que aprendemos várias lições. A adesão podia ter sido melhor – e sempre pode – mas estamos gratos pelas pessoas que participaram.

Podem estar atentos que iremos publicar os textos brevemente. Este foi o nosso pontapé de saída e temos em construção muitos mais projetos para mais faixas etárias, por isso, estamos ainda apenas no começo de algo muito maior.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

3 Abril 2024

Festival Bons Sons convida o público a viver a aldeia em toda a sua diversidade

2 Abril 2024

Mariana Vieira da Silva: Marcelo “será visto como alguém que contribuiu para a instabilidade”

26 Março 2024

Diana Andringa: “o jornalismo está a colaborar na criação de sociedades antidemocráticas”

19 Março 2024

Leonor Chicó: “no nosso quintal já se sentem os efeitos da crise climática” 

16 Março 2024

José Pacheco Pereira atribuiu nota 7 à probabilidade de uma guerra na Europa

12 Março 2024

A Open Food Facts quer empoderar os consumidores através da informação

5 Março 2024

Bolsa Amélia Rey Colaço abre candidaturas para 7ª edição

29 Fevereiro 2024

50 Abris: diferentes retratos da liberdade precisam de apoio para sair em livro

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

Saber mais

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0