A ANIMAR está de volta de 3 de maio a 20 de junho, com uma proposta de cinco programas distintos. Este ano, para além das salas de cinema do norte do país, o projeto apresenta também uma programação online.

Pelo 16º ano consecutivo, a ANIMAR celebra o que de melhor se faz no cinema de animação. O projeto educativo que se tem vindo a afirmar na região Norte de Portugal traz, mais uma vez, o cinema para junto do público mais jovem, convidando realizadores, produtores e outros personagens do mundo do cinema para partilharem a sua experiência profissional com os alunos da região, através de workshops e ateliês. Para além das atividades a realizar na Solar - Galeria de Arte Cinemática, e de uma exposição, o festival propõe uma viagem ao pré-cinema, a ocorrer em escolas de todo o país. A novidade do festival está no online, com uma programação criada exclusivamente para quem quer acompanhar o festival à distância.

Este ano, a ANIMAR propõe cinco programas distintos de curtas metragens animadas. Animação Portuguesa no século XXI, é uma das propostas que celebra o presente do Cinema de Animação. Antecipando também o seu futuro, a ANIMAR escolheu uma seleção de filmes de animação nacional das primeiras décadas do século XXI, seriada pelos realizadores João Gonzalez e Natália Azevedo Andrade. Tal como o nome indica, "Animação Portuguesa no Séc. XXI", pretende compilar algumas das mais relevantes obras de animação produzidas em Portugal, fruto de diferentes contextos, estilos de animação e múltiplas visões da realidade.

A realizadora Julia Ocker, presença regular no Curtas Vila do Conde, terá um lugar no festival, com as "Curtas Julia Ocker". A realizadora alemã terá em cena onze breves curtas-metragens, cada uma com o nome de um animal, que prometem muita animação. Desde a história de um cordeiro que salta de aventura em aventura a um caranguejo que adora beliscar tudo a cada um, Julia Ocker traz ao ANIMAR uma divertida secção para toda a família.

Com apenas dois filmes realizados, João Gonzalez é um dos mais jovens talentos do cinema português de animação, e por isso terá os seus trabalhos presentes nas "Curtas João Gonzalez". Nesta secção encontramos "The Voyager", o seu primeiro filme e projeto final de licenciatura que se estreou no Curtas Vila do Conde, em 2017. "The Voyager", conta com uma performance ao vivo em piano sempre que possível, e já obteve 11 prémios em festivais nacionais e internacionais, incluindo BFI Future Film Festival, CINAMINA e MOSTRA. A segunda curta metragem apresentada será "Nestor" (2019), sobre um homem com vários comportamentos obsessivos-compulsivos, que vive num barco-casa instável, que nunca para de oscilar.

As "Curtas Natália Azevedo Andrade", apresenta as curtas mais recentes da realizadora, como "Within" (2015), a primeira obra da realizadora, sobre uma bailarina que perde o ritmo, "Hereafter" (2016) e "Lascas" (2020), todas exibidas nas várias edições do Curtas Vila do Conde. "Hereafter" e "Lascas" realizadas no âmbito do Mestrado em Animação na Moholy-Nagy University of Art and Design Budapest.

Também Tânia Dinis apresenta na ANIMAR as suas curtas metragens, com uma reflexão sobre o universo familiar, enquadrando-se na sua componente de formação e criação artística. "Não são favas, são feijocas"(2013), "Laura"(2017) e "Teresa" (2017) são obras que cobrem uma área cinzenta, no que respeita ao género, encontrando-se entre a ficção, o documentário, o experimental e os filmes de arquivo. Desde 2011, a artista tem vindo, a desenvolver um trabalho de pesquisa e criação, sobre intimidade, arquivo de família, documento, relação tempo-imagem-memória-sonho, entre outros.

O pass online, que dá acesso a mais de cinquenta curtas-metragens e conteúdos exclusivos, custa 4€ e está disponível aqui, bem como a programação completa da ANIMAR 16

Cartaz do festival ANIMAR

O ANIMAR foi criado em 2005, e tem como principal objetivo levar o cinema para junto do público mais jovem. A par da exibição de obras na Solar, e da organização de visitas guiadas, este projeto integra um programa de cinema para alunos de diferentes faixas etárias, normalmente realizado em cooperação com entidades nacionais e estrangeiras com experiência no campo da educação pela imagem. O programa é complementado pelos ateliers práticos, onde os alunos têm oportunidade de entrar em contacto com algumas das técnicas utilizadas no cinema de animação através da produção de pequenos filmes e um terceiro, que tem lugar nas salas de aula de várias escolas do concelho de Vila do Conde, dedicado à construção de brinquedos óticos.​

Texto de Patrícia Nogueira
Imagem cedida pela ANIMAR

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.