A ARCOlisboa – Feira Internacional de Arte Contemporânea de Lisboa regressa para a sua quarta edição, entre 16 e 19 de maio, com um total de 70 galerias portuguesas e estrangeiras. Numa coorganização entre a IFEMA (Feira de Madrid) e a Câmara Municipal de Lisboa, a ARCOlisboa compõe-se por galerias de 17 países diferentes e uma secção dedicada às publicações de arte contemporânea.

Em 2019, a feira de arte abre uma nova secção especial, África em Foco, que contará com seis galerias: Afriart (Kampala, Uganda), Arte de Gema (Maputo, Moçambique), Jahmek (Luanda, Angola), Momo (Cidade do Cabo, África do Sul), Movart (Luanda, Angola), e This is not a White Cube (Luanda, Angola). De acordo com a organização, foi “assumido como ponto de partida a singular posição internacional de Portugal na encruzilhada entre a África e a Europa”, criando uma secção que será organizada pela curadora Paula Nascimento.

As três grandes áreas em torno das quais as feiras anteriores foram organizadas mantêm-se; o Programa Geral, com 52 galerias, Opening, com nove, e Projetos, também com nove. Distribuídas por essas áreas estão 24 galerias de Portugal, 24 de Espanha, 2 do Brasil e outras do Reino Unido, da Roménia, de Itália, da Polónia e de França, algumas delas pela primeira vez. Estreiam-se no Plano Geral a Vera Munro (Alemanha) e Georg Kargl (Áustria), ao mesmo tempo que regressam Krinzinger (Áustria), Greenlgrassi (Londres), Pietro Sparta (França) e Vermelho (Brasil).

Já o programa Opening volta a centrar-se em galerias com uma trajetória de, no máximo, 7 anos, com o objetivo de proporcionar nova informação e experiências estéticas. Selecionadas por João Laia, estarão representadas nove galerias, entre elas a Lehmann+Silva, do Porto, e a Fran Reus, de Palma de Maiorca.

A secção de projetos volta a ocupar o Torreão Poente, com nove projetos de artistas individuais apresentados na feira pelas suas galerias. Daniel García Andújar, da galeria Àngels Barcelona, Gerold Miller, da Cassina Projects, e Nicolás Grospierre, da Alarcón Criado, são três desses nove artistas.

Além da mostra de arte contemporânea organizada entre o Programa Geral, o Opening e os Projetos, a Arcolisboa 2019 agrega 50 editoriais de arte na secção dedicada às publicações de arte contemporânea organizada pela Arts Libris, que inclui um ciclo de conferências e debates que pretendem refletir o estado atual das publicações de arte.

#ARCOlisboa19 acogerá la participación de 70 galerías de 17 países, y como novedad contará con la especial participación…

Publicado por Feria ARCO em Quarta-feira, 3 de abril de 2019

A página do Facebook da ARCOmadrid já começou a publicitar a feira de Lisboa

No campo da reflexão foram ainda preparados o programa de debate à volta da arte e do colecionismo, realizado com a colaboração da Fundação Millennium BCP; o “Encontro de Museus”, um projeto dirigido por Pedro Gadanho e Nicolas Bourriaud coordenado por Filipa Oliveira, no qual se reunirão profissionais internacionais para partilharem os seus projetos atuais e futuros; e ainda conferências focadas na arte contemporânea africana, com a participação de convidados como Raphael Chickwkwa e Azu Ngagbogu.

A Arcolisboa abre no dia 16 de maio, quinta-feira, e 17 de maio, sexta-feira entre as 14h00 e as 21h00; no dia 18, sábado, entre as 12h00 e as 21h00; e no domingo, dia 19, das 12h00 às 18h00. A entrada tem um custo de 15€, com a excepção dos estudantes que pagam 5€.

Texto de Carolina Franco e Lusa
Fotografia disponível via Facebook

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.