Arno Brandlhuber, arquiteto e urbanista alemão, fundador do ateliê Brandlhuber+, em Berlim, é o primeiro convidado do Ciclo Distância Crítica 2017-2019, composto por um conjunto de conferências coproduzidas pela Trienal de Arquitetura de Lisboa e pelo Centro Cultural de Belém (CCB). A conferência terá lugar no próxima dia 5 de fevereiro, às 19h, no Grande Auditório do CCB, em Lisboa.

Sob o mote "Architecture as Argument" (“Arquitetura como Argumento"), Brandlhuber irá abordar o papel do vídeo, da televisão e do meio online, entre outras imagens efémeras na produção espacial e, no discurso arquitetónico no seu sentido mais lato, refere a organização em comunicado.

Com especial interesse no Brutalismo Industrial, no seu portefólio encontram-se projetos de arquitetura com destaque para “Brunnenstrasse 9”, uma ruína que passou a ser um pólo criativo (Berlim, 2009), “The Antivilla” como reabilitação de uma fábrica de lingerie (Krampnitz, 2014), e “a Igreja St. Agnes” transformada em Centro de Artes  (Berlim, 2015). O autor destaca-se ainda pelo seu contributo em diversos trabalhos de investigação, exposições, publicações ou ações expressas de ativismo político.

Professor convidado na célebre escola de arquitetura, a ETH de Zurique, Brandlhuber questiona a perspectiva meramente estética, técnica e económica da arquitetura, recentrando o seu papel e importância na ordenação das relações sociais e políticas.

Após a conferência, segue-se uma conversa crítica orientada pela arquiteta Lucinda Correia, cofundadora da Artéria – Humanizing Architecture.

Este ciclo termina a 6 de maio com uma conferência dedicada a “Habitar em Marte” com Michael Morris. A conferência tem um custo de entrada de 7 €. Os bilhetes podem ser adquiridos através da ticketline e dos locais habituais.

 

Texto de Ricardo Ramos Gonçalves
Fotografia de Martin Binder

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.