De 12 a 16 de outubro, a cidade do Porto acolhe o Family Film Project – Festival Internacional de Cinema de Arquivo, Memória e Etnografia. Ruben Östlund é o cineasta em destaque nesta 10ª edição feita de competição, performances, masterclasses, conversas, sessões especiais e oficinas infanto-juvenis.

Cartaz da 10ª edição do Family Film Project

Falar do Family Film Project é, não só falar de família, mas de tudo o que esta nos traz a nós, espectadores, e ao cinema - "surgiram novas formas de contar histórias, novos olhares, novos acessos a domínios historicamente inacessíveis. Um desses domínios, talvez o mais insuspeito de todos, é o da família, aqui entendida não propriamente como zona temática mas como metáfora da intimidade. A família desenha a última fronteira do privado: ela estende-se para além da sexualidade e da individualidade, e pode mesmo expandir-se até assumir a forma de uma comunidade, mas retém sempre uma aura de interdição, de choque contra a alteridade e a publicidade.", pode ler-se na mensagem deixada no site do festival pelo seu diretor, Filipe Martins.

O Family Film Project – Festival Internacional de Cinema de Arquivo, Memória e Etnografia traz à cidade do Porto a habitual secção competitiva com uma seleção de 20 obras, provenientes de diversos países, dividida em três temáticas: "Memória e Arquivo", "Vidas e Lugares" e "Ficção", que concorrem aos prémios de Melhor Curta-Metragem e Melhor Longa-Metragem. No sábado, dia 16, a secção Imagens Lá de Casa volta a trazer as tradicionais oficinas para crianças e jovens. Tânia Dinis propõe aos mais novos, partindo de arquivos de família, que estes revisitem memórias familiares em experiências e pequenos ensaios de visionamento de imagens, criando vários quadros visuais e diferentes narrativas para estes registos.

Se em 2020, o Family Film Project dedicou a sua 9ª edição ao cineasta alemão Harun Faocki, em 2021, é a vez do realizador sueco Ruben Östlund ver o seu trabalho destacado e viajar até ao norte de Portugal. No último dia do festival, o realizador dará uma masterclass no Passos Manuel (pelas 14h30) e apresentar, no Cinema Trindade, alguns dos filmes que marcaram o início da carreira do cineasta: Family Again, Autobiographical Scene Number 6882, Incident by a Bank, The Guitar Mongoloid e Involuntary, são as obras escolhidas e que abordam, de forma inconfundível, as relações familiares e a peripécia humana, combinando realismo sensível com formalismo irónico.

Para esta edição, o festival desafiou o músico Rui Reininho, e a sua formação experimental do novo disco 20.000 Éguas Submarinas, a trabalhar uma banda sonora para The Shape of Things to Come, um filme de arquivo que reúne uma seleção amadora de ficção científica / terror, de registos feitos por crianças ítalo-americanas em Nova York nos anos 60. O filme-concerto, que terá lugar a 13 de outubro no Coliseu Porto Ageas, dá ainda continuidade à colaboração com o Home Movies – Archivio Nazionale del Film de Bolonha, que, por sua vez, traz a conferência Gesto das Mulheres – Vida e Obra em Filmes Caseiros Italianos, com a presença de Giulia Simi. O festival é composto ainda por uma seleção de filmes espanhóis, fruto de uma parceria com a MICE – Mostra Internacional de Cinema Etnográfico (Galiza).

O Family Film Project é um festival feito para todos, por isso, desafia o público a uma série de performances, masterclasses, conversas, sessões especiais e oficinas infanto-juvenis. Uma das masterclasses é a da realizadora vietnamita-canadiana Carol Nguyen, centrada no filme No Crying at the Dinner Table, e a conversa com Catarina Vasconcelos em torno dos filmes Metáfora ou a Tristeza Virada do Avesso (a ser exibido no festival), e o mais recente A Metamorfose dos Pássaros, que chega às salas de cinema em outubro.

No dia 12 de outubro, os visitantes do festival podem assistir ao habitual ciclo de performances Private Collection que este ano propõe os artistas Flora Détraz (18h00, Maus Hábitos), Jorge Gonçalves (20h30, Coliseu Porto Ageas) e António Olaio (22h, Passos Manuel). 

Os bilhetes para as sessões de cinema têm um custo de 3€ no Passos Manuel (com entrada gratuita para estudantes) e de 6€ no Cinema Trindade. As entradas para o filme-concerto, à venda em breve no Coliseu Porto Ageas, poderão ser adquiridas por 8€ ou 6€ com o Passe Geral do festival, à venda por 10€ no Passos Manuel. Já a inscrição nas oficinas para crianças e jovens tem o custo de 13€. As masterclasses, conferência e performances têm entrada gratuita.

Texto de Patrícia Nogueira
Still do filme Involuntary

O Gerador é parceiro do Family Film Project

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal clica aqui.