Em 2019, as sessões de cinema no Auditório Municipal Fernando Lopes Graça, em Almada, estão de regresso. A sala do Fórum Municipal Romeu Correia recebe, no próximo mês de janeiro, cinco filmes de autor, todas as quartas-feiras às 21h30. As obras projetadas foram selecionadas de modo a escapar à vertente mais comercial habitualmente exibida nos cinemas.

A primeira obra a ser reproduzida na tela é A Aparição, com realização de Xavier Genolli. O filme, lançado em fevereiro deste ano, centra-se na história de Jacques, um jornalista convidado pelo Vaticano a investigar o caso de uma jovem que alega ter visto a Virgem Maria numa pequena vila em França.

De seguida, é exibido Raiva, de Sérgio Tréfaut, uma obra a preto e branco baseada no clássico da literatura portuguesa Seara de Vento, de Manuel da Fonseca, publicado em 1958. A obra neorrealista é inspirada num acontecimento verídico ocorrido em Beja, em 1930. A película expõe a pobreza, as opressões e as injustiças sociais enfrentadas pelos trabalhadores rurais, sob o domínio dos grandes proprietários, registadas no Alentejo da década de 1950. Entre estas vidas difíceis, uma noite um homem injustiçado perde a razão e torna-se um assassino. O elenco conta, entre outros nomes, com Hugo Bentes, Sergi López, Catarina Wallenstein, Rogério Samora, Adriano Luz, Leonor Silveira, Lia Gama, Isabel Ruth, Diogo Dória e Luís Miguel Cintra.

No dia 16, é a vez de Shoplifters: Uma Família de Pequenos Ladrões chegar ao grande ecrã do auditório almadense. A comédia dramática, vencedora da Palma de Ouro no Festival de Cinema de Cannes deste ano, é realizada pelo cineasta japonês Hirokazu Kore-eda. Uma semana mais tarde, é projetado o filme 17 Raparigas, de Muriel Coulin e Delphine Coulin.

A última obra cinematográfica a ser transmitida em janeiro é uma história de amor impossível numa época impossível. Guerra Fria, do polaco Pawel Pawlikowski, conseguiu a distinção de Melhor Realizador no Festival de Cannes 2018. A película apresenta um romance inspirado na história dos pais do realizador, no qual duas pessoas de origens e personalidades diferentes desenvolvem um romance algures entre a Polónia, Berlim, a Jugoslávia e Paris, em período de plena Guerra Fria.

O custo dos bilhetes é de 3 euros em todas as sessões, com desconto de 50 % para jovens e reformados.

Texto de Carolina Gaspar
Fotografia de Timothy Eberly, disponível via Unsplash

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.