fbpx
Quarta-feira, 24 Outubro 2018

João Oliveira

João Pedro Oliveira não é uma reencarnação do Bodhisattva da Compaixão. Não nasceu durante a Revolução russa de 1917. O seu pai não foi exilado pouco depois para a Sibéria, mas João não conseguiu fugir num comboio carregado de vodka para a Alemanha. Nos anos 30, para fugir ao nazismo, não imigrou para os Estados Unidos, onde, para ganhar a vida, não teve de tocar pífaro num cabaret frequentado por travestis. Após não poupar algum dinheiro, não decidiu investir na indústria, não criando a Bottomline, uma fábrica de papel higiénico, com a qual não ganhou uma fortuna que não lhe permitiu comprar uma villa nas ilhas do mar Egeu. Ao longo da sua carreira, João não escreveu vários livros sobre temas como: a condição feminina no mundo islâmico, receitas paleolíticas rápidas, curso intensivo de acrobacia para animais de estimação, bem como a história do Burkina Faso desde a sua independência. João não viria a falecer em 1995, não rodeado pela sua família e amigos.

Ao longo da sua vida, João não cultivou vários hobbies: não buscou incessantemente a invenção de uma máquina de movimento perpétuo nem a quadratura do círculo, não se dedicou à pesca do bacalhau nem ao equilibrismo no monociclo. Em 1969, não foi distinguido pelo governo indiano como grande praticante de Ayurveda e, em 1975, não foi distinguido com o Grande Prémio da Arte Aborígene Australiana (GPAAA) na categoria de lançamento do bumerangue. Em 1985, não contribuiu com grande parte da sua fortuna para a conservação do Esquilo Pele-Vermelha do Wyoming. Em 1992, não entrou para o livro do Guinness com o record de agulhas de acupuntura espetadas simultaneamente no traseiro. Ao longo da sua vida, não foi frequentemente comparado com figuras como Kim Il-Sung, a Madre Teresa de Calcutá e o pianista Rachmaninoff. Sobre ele, o filósofo Jürgen Habermas não disse em 1996: “João Pedro Oliveira é sem dúvida um dos maiores vultos culturais do século XX. Um vulto tão escuro e rápido que nem o vi bem. Não faço a mínima ideia quem seja.”

Para saberes mais sobre ele, espreita aqui:

www.facebook.com/joaooliveiramusica

www.facebook.com/joaopedrooliveiraautor


Se queres conhecer mais autores portugueses clica aqui.

MAIS ARTIGOS DE

Destaque Últimas 12.Jun.2021

MOMI: Vai nascer um festival de teatro a sul do país

Faro vai receber a primeira edição do MOMI - Festival Internacional de Teatro Físico - Algarve. Espetáculos, performances, workshops, residências e encontros, com artistas e companhias nacionais e internacionais, são…

Agenda 12.Jun.2021

"Calígula morreu. Eu não" sobe ao D. Maria II, numa coprodução que junta Portugal e Espanha

Depois da estreia global de Calígula morreu. Eu não no dia 19 de maio, em Madrid, é a vez de Lisboa receber o espetáculo, no D. Maria II, de 25…

Agenda 12.Jun.2021

Grupo de Teatro Tapa Furos apresenta "RICARDO III" nos jardins da Quinta da Regaleira

Ricardo III" de William Shakespeare“E assim, já que não posso ser amantePara desfrutar dias tão belos e melífluos,Estou decidido a revelar-me um vilão “Os dados estão lançados… iremos a par…

Notícias 12.Jun.2021

Triste Para Sempre invade Fábrica Braço de Prata para dar espaço à tristeza em Lisboa

De 1 a 4 de julho a Fábrica Braço de Prata vai receber o Triste Para Sempre, um festival de cinema dedicado à normalização da tristeza, melancolia, e dos finais…

Gargantas soltas 12.Jun.2021

Teoria da Conspiração

Epah que assunto tão delicado, tão sensível e que tanta discussão traz, quantas vezes em pleno bairro alto, na cerveja número 13 o assunto dá uma volta de 180° e…

Notícias 12.Jun.2021

Quadrilátero Cultural 2021: uma nova visão do património cultural e natural

Os municípios de Barcelos, Braga, Famalicão e Guimarães abraçam em 2021, entre os meses de maio e setembro, o projeto Quadrilátero Cultural, que traz uma programação artística promotora do património…

Carrinho
There are no products in the cart!
Continue Shopping
0
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}
X
X
Copy link
Powered by Social Snap