fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Entre Lisboa e Faro, já se vive o “Presente Invisível” na Bienal BoCA

Artes visuais e performativas, música, cinema, debates e workshops dão visibilidade aos temas dos movimentos migratórios, apagamentos históricos, extrativismos e as violências racial e de género. A quarta edição da Bienal de Artes Contemporâneas (BoCA) arrancou no último sábado e prolonga-se até 15 de outubro.

Texto de Redação

Chatroom © Ana Borralho _ João Galante (criada com a ajuda da plataforma de Inteligência Artificial Midjourney)

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Paul B. Preciado, Agnieszka Polska, Héctor Zamora, Ana Borralho, João Galante, Vera Mantero, Gabriel Chaile, Orquestra do Algarve, João dos Santos Martins, Ana Jotta, Joana Sá e Filipe Pereira e Marina Herlop são alguns dos artistas que integram a edição de 2023 da bienal.

A bienal passará por 32 espaços culturais, patrimoniais e verdes das cidades de Lisboa e de Faro, entre teatros, museus, centros culturais, espaços patrimoniais, naturais e discotecas, com projetos que serão apresentados apenas numa das cidades e outros que circulam pelos dois territórios.

Ao todo, são mais de 30 artistas e pensadores que, ao longo de seis semanas, vão apresentar maioritariamente novas criações encomendadas, produzidas ou co-produzidas pela BoCA, em torno do tema "Presente Invisível".

Constantemente atento ao atual panorama cultural, artístico, social e político, o diretor artístico John Romão expressa o desejo de "trazer visibilidade a assuntos vivos que não são vistos, seja por constrangimentos sociais, políticos, culturais, económicos, legais ou tecnológicos ou ignorando deliberadamente a existência de outros, de validar identidades que habitam as margens." Com esta aspiração, o programa deste ano investiga questões relacionadas com a crise migratória ou a identidade de género, afirmando a presença física daquilo que normalmente não se vê.

"Habitamos um presente caraterizado pela vertigem da velocidade, ela própria geradora de invisibilidades que permitem ao nosso olhar um desprendimento do humano, ou seja, a possibilidade de ignorar a liberdade, a justiça e a igualdade. Aquilo que só é visível se nos permitirmos ver e cuidar, comprometidos com o presente", é explicado ainda no site oficial do evento.

As criações vão abordar temas como os movimentos migratórios, apagamentos históricos, extrativismos e as violências racial e de género.

Vinte estreias mundiais, dez estreias nacionais e outros dez projetos já estreados e que se encontram em diálogo com a restante programação são, de resto, alguns dos números desta edição, que acontece em 32 espaços de apresentação, espalhados por duas cidades portuguesas.

A artista visual e realizadora polaca Agnieszka Polska vai estrear-se no teatro com “The Talking Car" ["O Carro Falante", em português], com um elenco composto por Albano Jerónimo, Bartosz Bielenia, Íris Cayate, Aaron Ronelle e Vera Mantero.

O mexicano Héctor Zamora, inspirado por um dos ofícios mais antigos do seu país, os globeros – vendedores de balões coloridos – apresenta a ação performativa “Quimera”, com pessoas migrantes a vender volumosos conjuntos de balões que formam palavras que aludem à crise e à migração.

O cartaz inclui também as duas primeiras incursões do filósofo Paul B. Preciado no palco e no cinema, com o texto “Eu Sou o Monstro que vos Fala”, pela voz de um grupo de cinco intérpretes transgénero e não binários, e o filme “Orlando, a minha biografia política”, adaptação da obra de Virginia Wolf.

Três propostas do realizador e encenador Marcus Lindeen, sobre identidade e mudança de género, a apresentação do saxofonista Benkik Giske e do bailarino Romeu Runa, e a primeira ópera do músico e artista visual Pedro Alves Sousa são outras das propostas.

Para ver há ainda o concerto “Pripyat” de Marina Herlop, que cruza música, performance e artes visuais a partir de um poema de Mário Cesariny, a instalação do artista argentino Gabriel Chaile em homenagem a Alcindo Monteiro, assassinado em 1995 em Lisboa, e o espetáculo “SPAfrica”, de Julian Hetzel e Ntando Cele.

A bienal conta também quatro workshops, entre dança e performance (com a coreógrafa brasileira Gaya de Medeiros ou a uruguaia Tamara Cubas), artes performativas e teatro (com a artista multidisciplinar Ntando Cele) e artes sonoras (com o saxofonista e artista multimédia Pedro Alves Sousa), e ainda cinco debates. Toda a informação, programa completo, datas, horários e bilheteiras está disponível aqui.

A BoCA conta com financiamento do Ministério da Cultura / Direção-Geral das Artes, Câmara Municipal de Lisboa, Câmara Municipal de Faro, Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação Millennium Bcp, e com as parcerias de MaisFRANÇA / Institut Français du Portugal, Festival Queer Lisboa, FLAD ou Goethe Institut Lisboa.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

14 Maio 2024

António Sampaio da Nóvoa: “a melhor política educativa é a valorização daquilo que já se faz”

7 Maio 2024

Festival Mental está de volta a Lisboa para a sua 8.ª edição

30 Abril 2024

Flávio Almada: “Devemos recusar a geografia do medo”

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

3 Abril 2024

Festival Bons Sons convida o público a viver a aldeia em toda a sua diversidade

2 Abril 2024

Mariana Vieira da Silva: Marcelo “será visto como alguém que contribuiu para a instabilidade”

26 Março 2024

Diana Andringa: “o jornalismo está a colaborar na criação de sociedades antidemocráticas”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0