fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Blocos de Carnaval brasileiros antecipam a folia em Lisboa

O Hub Criativo do Beato, em Lisboa, acolhe, no dia 4 de fevereiro, a festa Pré Karnaval, que une os blocos de Carnaval brasileiros Blocu e Viemos do Egyto na garantia de um espaço para a cultura imigrante em Portugal.

Texto de Analú Bailosa

Fotografia de Camila Marquez

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Composto por artistas residentes de ambos os coletivos, o cartaz do evento confirma atuações de Millian Dolla, Venga Venga, Cigarra, Justy Divynall, Prof Dorly, e VJ Astronauta Mecanico. O destaque é o concerto de MC Carol, nome de relevância do funk do Rio de Janeiro.

Ao Gerador, Karl La Tavares (Viemos do Egyto) e Cigarra (Blocu), explicam que os dois blocos trazem “uma força carnavalesca que grita em manifesto”. “Na folia, enxergamos a potência política que tem o Carnaval e a importância do levante popular de tomar as ruas para exaltar nossa própria cultura”, continuam.

As representantes afirmam ainda que a curadoria de artistas e colaboradores está centrada em “corpos dissidentes e queers e pessoas racializadas”. A Casa T, primeiro centro de acolhimento e sociabilização Transvestigênere de Portugal, é parceira do evento, assim como o Coletivo Zelu, de artistas multidisciplinares BIPOC (Black, Indigenous and People of Color), que apresentará uma exposição no espaço. A festa Pré Karnaval também contará com o som automotivo do Fluxo de Rua e terá o bar comandado pelo Criolense Kitchen Club.

Original do Rio de Janeiro, o Viemos do Egyto nasce com a intenção de homenagear o Axé Music dos anos 80 e 90, ritmo de “cunho político essencialmente periférico”, diz-nos Karl La Tavares. Além de exaltar a música do Sul Global, o coletivo, presente em Portugal desde 2018, encontra inspiração no cruzamento entre o imaginário popular pelo Egito Antigo e suas invenções futuristas e as expressões artísticas contemporâneas.

O Blocu, por sua vez, descreve-se como um bloco de Carnaval eletrónico, performático e queer. Fundado em São Paulo e estabelecido em Lisboa desde 2019, o grupo usa a linguagem alegórica e paródica típicos da festa para levantar questões sobre a liberdade de expressão, a diversidade, a identidade cultural e o combate à homofobia, transfobia, gordofobia, ao racismo e outras intolerâncias.

“Num contexto imigracional, não tinha como vir para Portugal e deixar isso [a potência política do Carnaval] para trás. É a nossa linguagem, como nos expressamos e reafirmamos a nossa existência”, conclui a organização ao defender a importância do evento para a recriação da brasilidade noutro território.

A festa Pré Karnaval decorre às 17h do dia 4 de fevereiro, no Hub Criativo do Beato, em Lisboa. Os bilhetes custam 15 € e estão disponíveis online.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

3 Abril 2024

Festival Bons Sons convida o público a viver a aldeia em toda a sua diversidade

2 Abril 2024

Mariana Vieira da Silva: Marcelo “será visto como alguém que contribuiu para a instabilidade”

26 Março 2024

Diana Andringa: “o jornalismo está a colaborar na criação de sociedades antidemocráticas”

19 Março 2024

Leonor Chicó: “no nosso quintal já se sentem os efeitos da crise climática” 

16 Março 2024

José Pacheco Pereira atribuiu nota 7 à probabilidade de uma guerra na Europa

12 Março 2024

A Open Food Facts quer empoderar os consumidores através da informação

5 Março 2024

Bolsa Amélia Rey Colaço abre candidaturas para 7ª edição

29 Fevereiro 2024

50 Abris: diferentes retratos da liberdade precisam de apoio para sair em livro

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

Saber mais

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0