Almada, Coimbra, Lisboa e Porto, são as cidades contempladas com as vinte cinco peças de arte que fazem parte da exposição Cais Urbana, que estará em exposição até novembro.

Partilha e Respeito de Halfstudio, exposta no Museu da Cidade, na Cova da Piedade ©CAIS URBANA

O município de Almada, conta com duas das vinte cinco obras. A peça da Halfstudio, Partilha e Respeito, está exposta no Museu da Cidade, na Cova da Piedade, enquanto Já olhou lá para fora hoje? de GODMESS, encontra-se no Santuário Cristo Rei.

Cais da Alteridade, obra de ±MAISMENOS±, está exposta no Convento de São Francisco em Coimbra, na mesma cidade, onde AKACORLEONE expõe Caos, no Coimbra Shopping.

Em Lisboa, o Hotel Ritz acolhe Pardal, a obra de Aheneah, a Fundação Champalimaud, expõe Envolto, de Daniel Eime, o MNAC – Museu Nacional de Arte Contemporânea, apresenta Por dentro, de FAHR 021.3 e a Dois Corvos – Cervejaria mostra Juntos ao Luar, de Frederico Draw & Contra. A Cervejaria Trindade, tem ainda em exposição As voltas que a vida dá, de Hugo Makarov, a Fundação Oriente, mostra Íntegro, Integração, Integral, da artista Mariana Rio, mas também Vinte e Cinto, de mynameifnotSEM & Mariana PTKS estará em exposição na estação ferroviária Roma-Areeiro. Lisboa conta ainda com Desbrotar, de The Caver, em exposição no Centro Comercial Colombo e Danificada mas Feliz de Tiago Galo, no Museu da Presidência da República.

A norte do país estão expostas Coração sem Abrigo, de Catarina Glam, no Norte Shopping, Homeless, de gonçaloMAR, no Centro CAIS Porto, The Key, de Kruella d’Enfer, na Igreja de São Francisco, e ainda Metamorfose, de Margarida Fleming, no Palácio da Bolsa. A obra de MOSAIK, Simple as Love or Hate, pode ser encontrada na Loja Guerin, no Porto, enquanto I Will Mean Something To You, de Tamara Alves, encontra-se exposta na estação ferroviária de Ermesinde e CAIS de Vhils, na Casa da Arquitectura de Matosinhos.

A exposição conta ainda com peças de MONK, Mário Belém, Mariana a miserável e André da Loba, cujos locais serão brevemente anunciados.

Em novembro, as vinte cinco peças serão licitadas, e o seu valor será revertido para a Associação CAIS.

Texto de Rita Matias dos Santos
Fotografia de ©CAIS URBANA

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.