fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Campanha “Vamos fazer o (im)possível acontecer” quer mais mulheres imigrantes nas europeias

A campanha, liderada em Portugal por Farhana Akter, baseia-se na educação política, empoderamento e autonomia feminina, com o objetivo de formar um Parlamento Europeu mais inclusivo e atento às necessidades destes grupos minoritários. As ações voltam-se para as eleições de junho de 2024 e são promovidas pelo projecto Vote With Her.

Texto de Amina Bawa

Fotografia da cortesia de Farhana Akter

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O Parlamento Europeu é a única instituição da União Europeia (UE) diretamente eleita pelos cidadãos, desempenhando um papel crucial na formulação de políticas, legislação e fiscalização das atividades do bloco. No dia 9 de junho, Portugal elege 21 eurodeputados, dos 700 membros que representarão cerca de 450 milhões de pessoas. No entanto, o equilíbrio de género entre eurodeputados na sessão constitutiva de 2019 era de 59% de homens e 41% de mulheres, levando em consideração a definição binária.

Atentas a estes números e às questões relacionadas à vida dos imigrantes que vivem nos países da UE, nasce o projeto "Vote With Her", que propõe uma campanha de incentivo à participação política de mulheres migrantes ou mulheres de origem imigrante, com vistas à  inclusão deste grupo no processo eleitoral e para estimular essa representação na política. A iniciativa foi criada pela European Network of Migrant Women (ENoMW), plataforma feminista, secular e apartidária, como se define, em parceria com a femLENS, organização sem fins lucrativos que promove a fotografia documental como ferramenta de empoderamento para mulheres de diversas origens e associada a diversas organizações internacionais e locais em países da União Europeia. Segundo as organizadoras, o objetivo é aumentar a participação política de mulheres de origens imigrantes no contexto das eleições para o Parlamento Europeu de 2024, no países que fazem parte do bloco e a ativista Farhana Akter é a porta-voz do projeto em Portugal.

Fotografia da cortesia de Farhana Akter

Segundo a agente de mudança, o objetivo do “Vamos fazer o (im)possível acontecer: empoderar mulheres imigrantes” “é empoderar essas mulheres através da educação política, do incentivo ao voto e do engajamento cívico, com ênfase na importância do envolvimento feminino na democracia e na tomada de decisões políticas.”, defende Farhana Akter.

O “Vote With Her” também afirma criar consciência entre as mulheres imigrantes sobre seus direitos políticos, facilitando o acesso à informação sobre processos eleitorais, registros de voto e outras questões relacionadas à participação cívica. Geralmente, iniciativas como estas  têm como foco conectar mulheres com recursos e redes que podem ajudá-las a se tornarem mais ativas politicamente, tanto em nível local quanto europeu. Pretende ainda superar barreiras culturais, de idioma e de género para promover uma maior participação das mulheres em contextos políticos e sociais.

Trabalhar com as mulheres imigrante em Portugal

De maio a novembro de 2023, mais de 50 mulheres de diferentes origens, em 14 estados da União Europeia, participaram de um programa que ofereceu treinamento online e presencial, cobrindo uma ampla gama de temas, desde a estrutura institucional da UE e processos legislativos até campanhas políticas e advocacy. Elas também foram apresentadas ao PHOTOVOICE, uma ferramenta que permite a indivíduos e comunidades contarem suas histórias e transmitir mensagens políticas por meio da fotografia. Dos 22 projetos selecionados para receberem apoio da Vote With Her após a formação, o de Farhana Akter, mediadora intercultural, foi o único em Portugal. Ela afirma que busca comunicar a sua visão e preocupações a um público mais vasto e encorajar a participação desse público nas eleições Europeias de 2024. Para isso, foi lançada a campanha “Vamos fazer o (im)possível acontecer: empoderar mulheres imigrantes”.

Assim como muitas das mulheres com quem trabalha, Farhana Akter, que era professora de química em Bangladesh, decidiu buscar por novas oportunidades na Europa, quando deu início à uma pós-graduação na Islândia, na qual aprendeu um pouco sobre política internacional e interações públicas. Durante o curso, um dos professores despertou a sua admiração: “era membro do Parlamento na Islândia e de alta posição. Eu fiquei realmente impressionada com suas palestras motivacionais, mas não pude aprofundar no tema, pois não tive tempo suficiente para isso. Então, eu pensei: vamos ver o que esse curso me traz, somando a minha profissão.”, comenta Akter.

Em 2020, após a conclusão do curso na Islândia e a convite de amigos que viviam em Portugal, Farhana chega à capital portuguesa. Estimulada pelos temas estudados, dá início a formação de mediadora intercultural comunitária na Fundação Aga Khan. “Foi nesse ponto que comecei a minha nova carreira, na verdade, profissionalizei o que já vinha fazendo.”, afirma.

Como mediadora intercultural, Akter teve a oportunidade de participar de muitos workshops, treinamentos e voluntariados, como na Associação Renovar a Mouraria, uma organização sem fins lucrativos dedicada à revitalização do bairro da Mouraria, em Lisboa, através de projetos comunitários, educativos e culturais. Passou então, a ser conhecida como a “irmã benagli” que além de falar diversos idiomas, apoiava, principalmente, as mulheres asiáticas e africanas.

Fotografia da cortesia de Farhana Akter

As boas relações criadas com os movimentos sociais e associações de apoios aos imigrantes e os contatos que fez durantes as formações em Lisboa, culminaram na sua eleição como presidente da Cooperativa Bandim, plataforma multimarca composta por pessoas de mais de 30 origens diferentes, unidas pelo interesse de criar produtos nas indústrias criativas. “Não sou só eu, somos nove pessoas no conselho. Antes de mim ou de nós, era apenas um projeto promovido pela Fundação Aga Khan, que estava tentando reunir algumas mulheres migrantes e fazer algo para elas. Agora é uma cooperativa, um grupo autônomo que toma suas próprias decisões e tenta resolver seus problemas juntos e trazer mais parceiros.”, exalta a presidente.

Com o desenvolvimento de seus trabalhos com as comunidades imigrantes, Farhana decidiu ir além dos projetos em Lisboa e atualmente busca enfatizar a importância de reconhecer as pessoas e seus talentos, instigando a sociedade a ver os imigrantes de forma positiva para estimular o empoderamento através do conhecimento e da informação. “E esse projeto [“Vamos fazer o (im)possível acontecer: empoderar mulheres imigrantes”] realmente quer alcançar essa comunidade e dar a elas algumas ferramentas e encorajá-las para seu empoderamento, o empoderamento feminino por meio da educação política.”, defende a representante portuguesa.

Campanha “Vamos fazer o (im)possível acontecer: empoderar mulheres imigrantes”

Lançada no último dia 12 de abril, no Beco do Rosendo, em Lisboa, a campanha destaca as histórias de diversas mulheres imigrantes de diferentes nacionalidades e contextos. O foco é a cultura como uma ferramenta para reconhecer o potencial das pessoas, com o objetivo de incentivar uma visão mais positiva sobre os migrantes e contribuir para seu empoderamento.

O trabalho de Farhana Akter não é solitário. A equipe conta com Sara Alemão, destacada pela femLENS. “De fato, só conheci a Farhana em agosto [de 2023] e desde então temos vindo a trabalhar em fases de projeto distintas, sendo que até dezembro tivemos a fase da preparação da campanha com textos e com as imagens feitas pela Farhana”, explica Sara.

Fotografia da cortesia de Farhana Akter

Nesta fase do projeto e até às eleições entre os dias 6 e 9 de junho, estão sendo fixados posters em vitrines de lojas e estabelecimentos como na Cooperativa Bandim, na Lisbon International Culture Association (LICA), no Centro Comercial da Mouraria, n’O Estúdio, em Benfica e na Agência para a Integração, Migrações e Asilo (AIMA), em Anjos onde acontecerá um evento público, no dia dia 10 de maio que tem as inscrições abertas através do link.

A campanha teve ainda outras respostas positivas. “Depois temos cartões-postais dados como presente, que dão abertura para um diálogo. Além disso, nós solicitamos ao Metropolitano de Lisboa e aceitaram a proposta de colar cartazes em algumas das estações.”, celebra Farhana Akter.

A ativista ainda faz questão de reforçar que “Embora seja uma rede europeia de mulheres migrantes e o foco esteja no empoderamento feminino, todas essas informações são igualmente importantes para todos os imigrantes, homem, mulher, ambos ou todos.”, pontua a mediadora.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

24 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

23 Maio 2024

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

22 Maio 2024

Sara Cerdas: “Não podemos apenas viver de políticas feitas a pensar no ciclo político”

21 Maio 2024

Miradouro da Lua, colonialidade crua

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

20 Maio 2024

Mulheres em situação sem-abrigo: números atuais podem ser apenas a ponta do icebergue

17 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

16 Maio 2024

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0