fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Candidaturas para a Primeira Edição do Prémio Jornalismo Vicente Jorge Silva abertas até 1 de junho

A Imprensa Nacional – Casa da Moeda S.A (INCM) divulgou, esta terça-feira, o regulamento e…

Texto de Isabel Marques

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A Imprensa Nacional – Casa da Moeda S.A (INCM) divulgou, esta terça-feira, o regulamento e o prazo de candidaturas para a Primeira Edição do Prémio Jornalismo de Excelência Vicente Jorge Silva. Uma iniciativa, e uma homenagem a uma figura do jornalismo nacional, que pretende distinguir trabalhos que reforcem os diferentes estilos jornalísticos da imprensa escrita. Estilos esses como a investigação, a reportagem ou a análise, contribuindo para uma sociedade mais informada, esclarecida e democrática.

Desde 16 de março, que qualquer jornalista que tenha um trabalho jornalístico publicado entre 1 de janeiro de 2020 e 31 de dezembro de 2020 pode submeter a sua candidatura. A peça vencedora, que tem de estar publicada num meio de âmbito regional ou nacional, português, será premiada no valor de cinco mil euros, independentemente do meio de difusão utilizado pelo órgão de comunicação, desde que seja em formato escrito.

Cada autor ou grupo pode apresentar dois trabalhos. Podem concorrer jornalistas, qualquer que seja a sua nacionalidade, desde que titulares de Carteira Profissional, de Cartão equiparado a jornalista, de Cartão de correspondente estrangeiro ou de Título Provisório de Estagiário em Portugal. As candidaturas devem ser submetidas até ao dia 1 de junho de 2021, por via eletrónica, através do preenchimento do formulário disponível no site do prémio.

Presidido por Nicolau Santos, Presidente da Agência Lusa, o júri do prémio será ainda composto por Manuel de Carvalho, Diretor do jornal Público, João Vieira Pereira, do jornal Expresso, Teresa de Sousa, do jornal Público, dois meios de comunicação marcantes na carreira de Vicente Jorge Silva, e ainda Daniela Maria, jornalista reformada da Antena 1 Madeira.

Em nota de imprensa, Gonçalo Caseiro, Presidente do Conselho de Administração da Imprensa Nacional – Casa da Moeda, afirmou que “é com um sentido maior de serviço público que prosseguimos a missão de contribuir para uma sociedade informada e livre com esta iniciativa, relembrando a importância do trabalho e do rigor do Vicente Jorge Silva no jornalismo, não podendo deixar de apoiar e incentivar aqueles que continuam a escrever em língua portuguesa.”

A imagem e a identidade do prémio foram desenvolvidas por Henrique Cayatte, designer e ilustrador português com uma carreira marcada pelas colaborações com a área editorial da INCM. Convidado por Vicente Jorge Silva para integrar a criação do jornal Público, Henrique Cayatte foi ainda cofundador, editor gráfico, ilustrador e autor do design de toda a publicação e suplementos do jornal. Para a marca deste prémio o designer português optou pela representação, em três retângulos, dos jornais que marcaram a vida de Vicente Jorge Silva: o Comércio do Funchal, o Expresso e o Público.

Texto de Isabel Marques
Fotografia da cortesia da organização

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

3 Abril 2024

Festival Bons Sons convida o público a viver a aldeia em toda a sua diversidade

2 Abril 2024

Mariana Vieira da Silva: Marcelo “será visto como alguém que contribuiu para a instabilidade”

26 Março 2024

Diana Andringa: “o jornalismo está a colaborar na criação de sociedades antidemocráticas”

19 Março 2024

Leonor Chicó: “no nosso quintal já se sentem os efeitos da crise climática” 

16 Março 2024

José Pacheco Pereira atribuiu nota 7 à probabilidade de uma guerra na Europa

12 Março 2024

A Open Food Facts quer empoderar os consumidores através da informação

5 Março 2024

Bolsa Amélia Rey Colaço abre candidaturas para 7ª edição

29 Fevereiro 2024

50 Abris: diferentes retratos da liberdade precisam de apoio para sair em livro

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

Saber mais

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0