fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Casa arrendada também é lar

Nas Gargantas Soltas de hoje, Sandra Baldé reflete sobre mudanças e a percepção do conceito de “lar”.

Opinião de Sandra Baldé

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Mudanças são desafiadoras. Eu, particularmente, acho que tenho uma relação de amor ódio com a mudança. Há momentos e situações na minha vida em que o meu interior quase que grita por uma mudança, seja ela de atitude, de cabelo, de círculo de amigos... Mas há outras em que me escudo completamente. Às vezes é preciso ousadia para viver coisas diferentes, mas eu nem sempre estou mentalmente pronta para isso. Ainda assim, ela acontece. Ora porque não depende só das minhas vontades, ora porque o conforto já não cabe mais naquele cenário. E assim decisões difíceis são tomadas.

De todos os tipos de mudanças, penso que mudar de casa ainda é o meu calcanhar de Aquiles. Quando eu nasci, em 1997, os meus pais moravam num apartamento em Monte-Abraão. Passámos por Queluz e pouco tempo depois estávamos de mudança para aquela que seria a nossa casa por 16 longos anos – Idanha-Belas. Naquele T2 na Rua 22 de maio, fui criança, pré adolescente, adolescente e tornei-me adulta. Aos 20 anos, os meus pais mudaram-se para o Algarve. Na altura eu não trabalhava, então tive que agarrar nas minhas coisas e ir viver com eles. Esta é uma das memórias mais vincadas que tenho quando falo da minha pouca abertura a mudanças. Vivi em Portimão por 4 anos, e só no último ano aprendi a gostar de lá morar. Era muito difícil para mim sentir-me em casa quando sentia falta do espaço que tinha sido o meu lar por quase 2 décadas, sentia falta dos meus amigos e da minha vida em Lisboa.

Depois da primeira “porrada” deixa de doer com tanta força. Ainda no Algarve saí de casa dos meus pais, aos 23 anos, e fui morar num quarto, a alguns quarteirões de distância. Foi um pouco duro, tinha receio de me arrepender ou que algo desse errado, mas hoje agradeço-me muito por ter tomado essa decisão. 8 meses depois, em 2021, entrego a carta de demissão no meu emprego e decido que vou voltar a morar em Lisboa, desta vez sozinha. Fui, e em 2 anos e meio mudei-me 3 vezes. O processo de uma mudança deixa-me em estado de stress: arrumar tudo em caixas e sacos, desempacotar, perder coisas, destralhar. Um ano num quarto, outro ano em outro quarto. Agora, finalmente um apartamento. Arrendado. E vazio.

Pelo caminho, a pouco e pouco mudar de casa já não me assustava tanto, mas a falta de apego e capricho porque aquele espaço, que era temporário e nunca seria de facto lar, estava sempre presente. Ainda está, porque afinal de contas, se a casa não é própria é porque é de uma outra pessoa. E aquele sentimento de “um dia vou sair daqui” pode ser um elemento sabotador. É uma realidade agridoce, que me faz questionar de que forma devo olhar para a situação. A escolha é quase sempre fácil, mas claro que, vivendo numa sociedade onde a situação imobiliária está um caos, todos os jeitos de pensar são válidos.

Casa própria não é a realidade da população em geral. Mas um lar é direito básico. Ter uma casa, seja em que contexto for, é uma benção, e é motivo para celebrar todos os dias. A vida é demasiado curta para não nos permitirmos viver ao máximo, depositando muito amor em tudo aquilo que somos, fazemos e vivemos.

Hoje o meu lar é o meu apartamento arrendado, vazio, que de pouco em pouco se vai tornando no lar que eu sempre sonhei.

-Sobre Sandra Baldé-

Escritora, DJ, e empreendedora digital, começou o seu percurso no digital em 2013 com o blog Diário de uma Africana, uma plataforma voltada para discussões raciais & de género e para autocuidado de pessoas negras. Em 2021 autopublicou o seu primeiro livro intitulado "Para Que Fique Bem Escurecido" cujo enredo gira em torno dos desafios da mulher negra num país maioritariamente branco. 

Texto de Sandra Baldé
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

14 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

12 Junho 2024

42: Prólogo

12 Junho 2024

Haris Pašović: “Não acredito que a arte deva estar desligada da realidade”

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

10 Junho 2024

Matilde Travassos: “A intuição é a minha única verdade”

7 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0