Hoje, dia 8 de Junho, o festival de cinema documental de Sheffield, anunciou o programa deste ano, o qual conta com duas produções portuguesas, “A nossa terra, o nosso altar, de André Guiomar, sobre o Bairro do Aleixo, no Porto, e que cumpre a estreia internacional, e o documentário de traços biográficos A metamorfose dos pássaros, de Catarina Vasconcelos, inspirado na família.”

O festival, que reúne 115 filmes, de 50 países de todo o mundo e 49 idiomas, terá início a 10 de Junho.  Entre os 115 filmes, estão 31 estreias mundiais, 15 estreias internacionais, 5 estreias europeias e 40 do Reino Unido.

O contexto pandémico que atravessamos obrigou a uma reconfiguração. A primeira parte será realizada com “exibições online, por subscrição e apenas para público no Reino Unido”. Contudo, este evento “prosseguirá no outono com sessões de cinema em sala, mas tendo em conta as medidas restritivas motivadas pela pandemia”, escreve a Lusa.

Cíntia Gil, que assumiu, neste ano, a direcção do festival, refere a urgência de se viver o cinema como proposta de reflexão, através das diversas sensibilidades e expressões que propõe. Associando-se ao movimento antirracista “Black Lives Matter”, e apontando “a falha sistémica das instituições e nações”, escreve, em comunicado: “Este programa é nossa contribuição para isso: provém de um esforço colectivo para resistir a visões hegemónicas sobre o cinema e a sua relação com o mundo e com as nossas vidas.”

Trailer d’A Metamorfose dos Pássaros, de Catarina Vasconcelos

Texto de Raquel Botelho Rodrigues
Cartaz disponível no site do Sheffield Doc/ Fest