Depois de celebrar a sua maioridade com um evento que se arrastou por um ano, e se alastrou por diferentes espaços da cidade,  o Doclisboa regressa de 21 a 31 de outubro à Culturgest, à Cinemateca Portuguesa, ao Cinema Ideal, ao Museu do Oriente e ao Cinema São Jorge. Resistência é o mote desta 19ª edição que dedica as retrospectivas às cineastas Cecilia Mangini e Ulrike Ottinger. 

A sessão de abertura faz-se com A Terra segue Azul quando saio do trabalho, de Sérgio Silva, e Landscapes of Resistence, de Marta Popivoda, dois filmes representativos do mote desta edição e que convocam diferentes contextos de resistência. Seguindo o olhar de Popivoda, encontramos a história de uma das primeiras mulheres a fazer parte da resistência jugoslava contra o nazismo; com Silva, ex-programador da Cinemateca Brasileira, deparamo-nos com uma reflexão sobre o arquivo cinematográfico e a efemeridade do património que recentemente se viu em chamas.  

Na secção Heartbeat, um dos grandes destaques vai para Jane by Charlotte, o primeiro filme de Charlotte Gainsbourg no qual põe em espelho a sua relação com a sua mãe. O título recorda, inevitavelmente, o filme Jane B. par Agnès B., um encontro da atriz francesa com icónica cineasta, também francesa, estreado em 1988. Nesta secção que pretende aproximar o espectador do universo artístico, destaca-se também Eunice ou Carta a Uma Jovem Atriz, de Tiago Durão, que partilha as muitas facetas da atriz, mãe, avó, mulher. 

O que distingue Jane by Charlotte é um olhar de dentro, da intimidade

Nesta edição do Doclisboa, o israelita Avi Mograbi estará presente para apresentar The First 54 Years - An Abbreviated Manual for Military Occupation, um filme que mostra a complexidade do conflito israelo-palestiniano. Também sobre complexidade, num outro tema, o Doclisboa apresenta em estreia mundial a Trilogia de Narodnaya (Narodnaya, After Narodnaya e Comet), de Vadim Kostrov, que dá a ver uma galeria sazonal numa pequena localidade russa e acompanha o seu processo de transição para um pólo da cultura underground local; e Firestarter - The Story of Bangarra, de Del Minchin e Wayne Blair, sobre uma companhia de dança australiana aborígene.

Num artigo do Refinery 29, Uprising é descrito como um documento que recupera a História Negra apagada no Reino Unido

Na secção Da Terra à Lua, destaca-se a apresentação integral dos três episódios de Uprising, assinados por Seteve McQueen e James Rogan, produzidos pela BBC. A série resulta num tríptico que tem como ponto de partida o incêndio de 1981 em New Cross, no qual 14 jovens afro-britânicos perderam as suas vidas. Um registo das tensões ainda hoje latentes, com o governo de Margaret Thatcher como pano de fundo. 

A retrospectiva de Ulrike Ottinger chega após Paris Calligrammes, o filme que mostra a sua Paris, ter estado na 18ª edição do Doclisboa. Desta vez, o corpo de trabalho da cineasta, fotógrafa e artista alemã será visto num sentido mais amplo com uma exposição de fotografias que irá decorrer no Museu do Oriente. Também Cecilia Mangini, nome maior do documentário italiano, será homenageada neste Doclisboa, numa retrospectiva que percorre a sua obra na íntegra, inclusive com obras em que colaborou como argumentista.

No corpo de trabalho de Cecilia Mangini, encontram-se muitas camadas da sociedade italiana

Descobre a programação completa deste Doclisboa, aqui.

Texto de Carolina Franco
Still de La Canta delle Marane (1960), de Cecilia Mangini
O Gerador e o Doclisboa são parceiros