No âmbito da candidatura a Capital Europeia da Cultura 2027, Coimbra organiza o primeiro encontro literário internacional "Cidades Invisíveis". O evento acontece de 26 a 29 de maio e tem como cidade convidada Santiago de Compostela.

Desde sempre, Coimbra tem uma ligação ao universo literário, é um dos pontos de partida da formação de várias gerações de escritores e outros intelectuais do mundo lusófono, e está na origem de movimentos que marcaram a visão da literatura em Portugal. Com o objetivo de reforçar este vínculo, e aproveitando a candidatura Capital Europeia da Cultura 2027, a cidade prepara-se para organizar o I Encontro Literário Internacional "Cidades Invisíveis", de 26 a 29 de maio. Durante estes dias o evento convida os participantes a mergulhar nos imaginários urbanos presentes em diversas práticas artísticas.

Todos os anos, o festival convidará uma cidade com o objetivo de percorrer as relações múltiplas entre a Cidade e a Literatura, de acordo com a convicção de Italo Calvino que diz que, "a cidade não conta o seu passado, contém-no como as linhas da mão". A cidade convidada para a primeira edição é Santiago de Compostela, cidade geminada e com uma ligação histórica a Coimbra. Ao longo dos quatro dias, Coimbra irá receber um conjunto de atividades, gratuitas, abertas ao público, como tertúlias, momentos de leitura, protagonizados por escritores e atores, mesas redondas e conversas com escritores – que visam promover a interação entre escritores convidados e participantes – e, até mesmo, uma homenagem aos 40 anos de carreira da escritora Teolinda Gersão. Dos escritores galegos convidados destacam-se, Teresa Moure Pereiro, Susana Sanchéz Arins, Elias Torres Feijó e Carlos Quiroga que estará na Casa da Escrota, em residência artística, dedicando-se a um projeto literário, e participará nas atividades regulares da cidade. Dos nomes portugueses destacam-se Almeida Faria, Teolinda Gersão, Marlene Ferraz, Vasco Pereira da Costa e José Manuel Mendes.

Para Manuel Machado, presidente da Câmara Municipal de Coimbra, está é "mais uma forma de afirmar Coimbra como cidade de literatura e, de forma mais ampla, de reforçar a importância da cultura para o município e o empenho que a Câmara Municipal tem dedicado a esta área estratégica das suas políticas públicas". 

Paralelamente ao encontro literário, será promovida, no Convento São Francisco e no âmbito da programação do "Semestre Europeu: a Europa em Coimbra 2021", uma exposição que pretende valorizar o Livro nas suas dimensões materiais, refletindo sobre o lugar que ocupa nas nossas vidas, na cidade, no conhecimento, nos tempos de lazer, na circulação das ideias e na educação e, ainda, sobre a Casa dos Livros, a biblioteca ou a livraria. Esta edição tem a temática, O Livro Transformado, que pretende refletir sobre o conceito de metamorfose – da transformação modal (do romance ao teatro e à poesia) à transformação transmodal (o diálogo das artes como a pintura ou o cinema, o digital, o audiobook, a criatividade computacional, etc.), passando pelas traduções, adaptações, reescritas, pela memória (do livro recitado) e tantos outros exercícios que serão revelados na inauguração da exposição, a decorrer durante o mês de maio. 

Texto de Patrícia Nogueira
Fotografia de Carlos Machado via Pexels
Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.