A Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo (CPBC) acaba de ganhar um novo fôlego, depois de estabelecer uma parceria com a Allianz Portugal, numa altura em que via a sua continuidade ameaçada por falta de apoios.

Neste acordo válido para os próximos três anos, a seguradora será o principal parceiro da CPBC, através do apoio à agenda de espetáculos e atividades de âmbito cultural e artístico da Companhia, fundada em 1998 por Vasco Wellenkemp e Graça Barroso.

“Temos vindo a criar uma maior proximidade com a sociedade, muitas vezes através do desporto, mas cada vez mais com a cultura. Num ano em que se celebra o centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andresen, quisemos promover uma homenagem à sua obra. E tivemos oportunidade de o fazer através da dança, associando-nos à CPBC, o que nos deixa muito contentes pois temos excelentes bailarinos em Portugal”, começou por afirmar Teresa Brantuas, CEO da Allianz Portugal, realçando que através desta parceria, a seguradora pode “retribuir à sociedade aquilo que recebemos dela”.

A escolha da CPBC é justificada pela Allianz devido à “qualidade do repertório, a linha técnica e artística e a sua excecional à arte e a valorização da dança”.

Por seu lado, Vasco Wellenkamp, diretor da CPCB, sublinhou que este acordo marca “o renascimento da Companhia”, que recentemente se viu numa “situação complicada”, tendo mesmo equacionado o fecho de portas. “Este apoio é para nós o renascimento da companhia, é o retomar da carreira. Estamos numa fase que é um recomeço”, acrescentou.

No âmbito do acordo anunciado ontem, já está também marcado o primeiro espectáculo da CPBC, com estreia agendada para dia 10 de abril, no Teatro Camões, em Lisboa. Dividido em três partes e coreografado por Vasco Wellenkamp e Miguel Ramalho, o espectáculo – “Na Substância do Tempo” – incluirá uma homenagem a Sophia de Mello Breyner, a propósito das comemorações do seu centenário. Além da estreia, estão agendados espectáculos nos dias 11, 12 e 13 de abril, no mesmo local.

O mesmo espetáculo segue depois para outras localidades, designadamente em Setúbal, no Fórum Municipal Luísa Todi, a 31 de Maio, e na abertura do Festival Algures a Nordeste, no Teatro Municipal de Bragança no dia 7 de Setembro.

De acordo com o diretor artístico da Companhia, para além destas exibições estão igualmente agendadas outras localidades e salas no país, ainda a serem divulgadas, bem como uma possível atuação em Itália. Vasco Wellenkamp explicou que o repertório só começou a ser preparado este ano e que, dessa forma, a companhia está já “atrasada para marcar teatros”.

“Para o ano, começamos a marcar já este ano, e depois vamos ganhando dinâmica própria”, aclarou Vasco Wellenkamp, não escondendo a comoção por ver a sua companhia ganhar novamente vida.

Texto de Ricardo Ramos Gonçalves
Fotografia de Allianz Portugal

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.