Amanhã, dia 20 de Março, emmy Curl vem tocar à nossa casa, através de um vídeo em directo, no Youtube, pelas 17h00.

A cantora, compositora e guitarrista veio a Portugal para apresentar o seu novo álbum, Ø Porto, numa tour por vários pontos do país. Dado o contexto de pandemia que atravessamos, só actuou no Musicbox, em Lisboa, no dia 6 de Março. Porém, emmy reiventou a forma de no-lo fazer chegar, aproveitando a data do concerto em Vila Real. Neste sentido, apela à solidariedade do público, através de um contributo com a quantia desejada, sendo-lhes retribuída a oferta digital dos seus dois últimos trabalhos. Refere, ainda, na sua página de Instagram, o investimento que este tipo de produção implica: “I invested all my funds in ØPorto. Even though I had the pleasure of being supported, GDA (Portuguese artists rights management), the amount of money was not enough to invest in CDs and vinyls, music videos, gear, transportation, and so on. Everything you can hear and see is not cheap to make, if you’re an independent artist as me.”

Este álbum trata-se de um elogio à cidade do Porto, onde emmy morou. Explora as suas fases e faces, enquanto lugar em que os contrários se encontram e convivem em harmonia, que não passa apenas pela luz e sombra, dia e noite, velho e novo, campo e cidade, mas pela natureza e tecnologia, que considera conviverem nesta cidade como em nenhuma outra. “O álbum está dividido a meio. A primeira parte é quando estou na natureza, nos parques, nas devesas, que é um bocadinho mais fora do Porto, a atravessar uma ponte. É um ambiente mais idílico, sonhador, transporta-me logo para viajar na música, por exemplo. Depois, tens a outra parte, estar nos clubes, sair à noite, todo esse aproveitamento da cultura, do som, da poluição, de quando estás no mercado e toda a gente está aos berros. Acho que isso é um contraste muito bonito”, apresenta, em entrevista, ao Gerador.

Texto de Raquel Botelho Rodrigues

Fotografia da cortesia de emmy Curl