fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Opinião de João Teixeira Lopes

Contra os capo regimes em ciência

Nas Gargantas Soltas de hoje, João Teixeira lopes critica os chefes carismáticos que, na prática científica, exigem obediência a uma monocultura intensiva onde a dúvida não entra.

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Muito se tem dito, a propósito de recentes e infames casos, sobre as insidiosas formas pelas quais, em contexto académico (ensino e investigação), se propagam práticas de abuso, em geral cumulativo (físico e psicológico; “material” e simbólico, pessoal e institucional). Todavia, talvez não se tenha refletido o suficiente sobre as condições epistemológicas (de produção, disseminação e recepção do conhecimento) que lhes subjazem e que se desenvolvem em situações sociais concretas (Universidades, laboratórios, centros de pesquisa). 

Desde logo, sobre a fabricação e imposição de monoculturas paradigmáticas:  aquelas que só indicam um caminho para resolução do puzzle científico e que socializam intensa e abusivamente os investigadores (em particular os mais desmunidos em capital científico) através de práticas ritualizadas de produção de crença nas verdades salvíficas da liturgia teórica. Não se devem citar autores dissonantes, ler livros arquivados no index ou explorar vias que testem a validade das profecias anunciadas. Neste modelo, só há ciência pela repetição e pela mimetização, sempre inferior e aquém, do brilhantismo do chefe.  Há quem lhe chame “fazer escola” ou “fazer corpo”. Prefiro chamar-lhe, já o disse, monocultura ou cultura intensiva de uma só espécie.

Nada tenho contra as afinidades intelectuais, nem contra a aproximação de pessoas que comungam conceitos e modos de pesquisar, desde que isso aconteça num ambiente onde a partilha é estimulada e a dissensão admitida. Se, pelo contrário, a aprendizagem intensiva e verticalizada se transforma numa espécie de projeto socializador total, sem distinção entre o pessoal e o institucional, o público e o privado, a profissão e a intimidade (para aumentar a produtividade da crença, cultivada em todos os contextos e momentos possíveis, sem pousio), cria-se o húmus pútrido da sincronização abusiva, tornada rotina,  espécie de mecanismo  de tipo semiconsciente que se aplica em todas as decisões e procedimentos, como algo adquirido e quase automático (é também assim que se produz o “consentimento”, por falta ou adormecimento de disposições reflexivas).

Portanto, a ciência lida mal com os capo regimes. Ela deve ser acumulada, trabalhada, coletivamente construída, mas sempre sob a batuta da dúvida e do questionamento colaborativos. Uma verdade, em ciência, não é uma opinião, porque tem bases num método calcorreado por múltiplos agentes e processos, mas também não é um absoluto.  É um erro à espera de vez, para citar de memória Virgílio Ferreira, uma razão polémica, para referir agora Bachelard. 

A dominação carismática é nociva à ciência. Não induz a crítica à autoridade. Ritualiza-se para não incomodar. Conforma-se antecipadamente. Distribui benesses e recompensas pelos apaniguados e fabrica “inimigos externos” para se consolidar. Alimenta-se da contradição performativa: digo-te como deves ser progressista e emancipado se, e só se, me obedeceres.  Exige fusão, adesão imediata, economia de argumentos. Ou se está com o capo ou contra ele. Ou se ama, ou se odeia. Ou se incarna, ou se expulsa.

É por isso que é preciso praticar ciência com quem nos antecede, mas também contra e para além. Ciência é movimento perpétuo, não um chorrilho de slogans ou palavras-chave encantatoriamente suspensas da mestria do chefe, que revela aos obedientes iniciados, depois de expurgado do dissenso, as ligações certas e as chaves interpretativas.

 É tão estúpida essa dominação, tão condenada ao esquecimento…Ao invés, que melhor homenagem se pode fazer a um grande cientista, senão agradecer-lhe por ter sido incompleto e imperfeito, seguindo-lhe os passos para prolongá-lo criticamente ou refutá-lo a partir das brechas e das pistas que ele próprio insinuou? Fazer ciência é (re)começar modestamente de alicerces antigos para edificar uma casa nova, que sempre se desmonta e reergue – em conjunto. 

-Sobre João Teixeira Lopes-

Licenciado em Sociologia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (1992), é Mestre em ciências sociais pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (1995) com a Dissertação Tristes Escolas – Um Estudo sobre Práticas Culturais Estudantis no Espaço Escolar Urbano (Porto, Edições Afrontamento,1997). É também doutorado em Sociologia da Cultura e da Educação (1999) com a Dissertação (A Cidade e a Cultura – Um Estudo sobre Práticas Culturais Urbanas (Porto, Edições Afrontamento, 2000). Foi programador de Porto Capital Europeia da Cultura 2001, enquanto responsável pela área do envolvimento da população e membro da equipa inicial que redigiu o projeto de candidatura apresentado ao Conselho da Europa. Tem 23 livros publicados (sozinho ou em co-autoria) nos domínios da sociologia da cultura, cidade, juventude e educação, bem como museologia e estudos territoriais. Foi distinguido, a  29 de maio de 2014, com o galardão “Chevalier des Palmes Académiques” pelo Governo francês. Coordena, desde maio de 2020, o Instituto de Sociologia da Universidade do Porto.

Texto de João Teixeira Lopes
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Julho 2024

Tranças de resistência

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

22 Julho 2024

Incertezas e ambiguidades: a nuvem cinzenta dos crimes de incitamento ao ódio

19 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

18 Julho 2024

Carta do Leitor: Admitir que não existem minorias a partir de um lugar de (semi)privilégio é uma veleidade e uma hipocrisia

17 Julho 2024

42: Caixas e cartas

17 Julho 2024

Mais de 1800 pessoas e entidades defendem “liberdade de escrever, de publicar e de ler”

16 Julho 2024

Assassinato de carácter: o (pré)juízo de Cláudia Simões

12 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

11 Julho 2024

Carta do Leitor: Afinar a curiosidade na apressada multidão

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0