fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Coreógrafa Luísa Saraiva estreia-se em Lisboa com espetáculo sobre fisicalidade da voz

A coreógrafa portuense Luísa Saraiva estreia-se em Lisboa com uma peça inspirada nos cantares tradicionais da zona da Beira Baixa. Espetáculo poderá ser visto de 9 a 11 de fevereiro.

Texto de Isabel Patrício

Fotografia cortesia de Teatro do Bairro Alto

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O Teatro do Bairro Alto, em Lisboa, vai ser palco da estreia na capital da coreógrafa Luísa Saraiva, com a peça “Tirana”. O espetáculo, que poderá ser visto de 9 a 11 de fevereiro, partiu dos cantares tradicionais da zona da Beira Baixa, “onde se destacam temas como o instinto maternal, o trabalho feminino e a violência de género”.

Depois de ter sido apresentada numa versão para museu na Fundação de Serralves, no Porto, em setembro do ano passado, a nova peça de Luísa Saraiva chega agora à sala do Teatro do Bairro Alto. “O trabalho partiu da pesquisa de campo, na zona da Beira Baixa e das Terras de Arões, sobre canções populares entoadas entre mulheres”, é explicado em comunicado.

Na base da coreografia que compõe a “Tirana” está, deste modo, o “canto polifónico português”, é ainda adiantado, bem como a fisicalidade da voz. “‘Tirana’ é uma coreografia sonora imersiva que explora a fisicalidade do limite da voz feminina. Através de canções populares portuguesas e repertório polifónico feminino sobre temas como a maternidade, violência e trabalho, a peça aborda questões de género na produção e interpretação do som”, é descrito.

Neste espetáculo, a tal natureza táctil do som promete ser capturada numa escultura, “que opera como instrumento musical” e que foi desenhada exclusivamente para esta obra pela artista sonora Inês Tartaruga Água. “Ao criar paisagens sonoras e de movimento, procura-se mapear as fronteiras entre a respiração, o som e o canto”, avança, assim, o Teatro do Bairro Alto, em comunicado.

Luísa Saraiva é uma coreógrafa e bailarina portuense, que recorre a uma abordagem transdisciplinar na investigação do movimento, da linguagem e do som. Já trabalhou com artistas como Alexandra Pirici, Ben J. Riepe, Catarina Miranda e Jonathan Saldanha. Em 2018, recebeu o prémio Ground Support NRW com a peça “A Concert”, em colaboração com Lea Letzel. 

Por sua vez, a “Tirana” conta com Joana Silva e a Apricot Productions na direção de produção, bem como com Alice Heyward, Fabíola Augusta, Luisa Fernanda Alfonso e Luísa Saraiva na performance

Os bilhetes vão dos três aos 12 euros e podem ser adquiridos online. O espetáculo acontecerá às 19h30 dos dias 9, 10 e 11 de fevereiro.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

3 Abril 2024

Festival Bons Sons convida o público a viver a aldeia em toda a sua diversidade

2 Abril 2024

Mariana Vieira da Silva: Marcelo “será visto como alguém que contribuiu para a instabilidade”

26 Março 2024

Diana Andringa: “o jornalismo está a colaborar na criação de sociedades antidemocráticas”

19 Março 2024

Leonor Chicó: “no nosso quintal já se sentem os efeitos da crise climática” 

16 Março 2024

José Pacheco Pereira atribuiu nota 7 à probabilidade de uma guerra na Europa

12 Março 2024

A Open Food Facts quer empoderar os consumidores através da informação

5 Março 2024

Bolsa Amélia Rey Colaço abre candidaturas para 7ª edição

29 Fevereiro 2024

50 Abris: diferentes retratos da liberdade precisam de apoio para sair em livro

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

Saber mais

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0