- Ti Carminda!

- Sim, Ti Alice?

- A televisão está a dizer que há notícias da Operação do Marquês.

- O Marquês foi operado?

- Parece que sim, mas não sei porquê operaram o Marquês no Tribunal.

- No Tribunal? Mas esse não é o sítio onde levaram o Zeca da Pardalinha?

- Nã, Ti Carminda, o Zeca foi levado para o Ti Brunal, o marido da Ti Mariquinhas, lá do Lugar do Convento.

- O Ti Brunal da loja das bicicletas?

- Sim! O Zeca da Pardalinha ficou ajudante e parece que tem muito jeito para ir aos arames.

- Mas ao quê o Marquês foi operado?

- Nã sei, mas saiu de lá com um sorriso como se lhe tivessem dado um porco dos grandes!

- O Senhor Marquês tem porcos?

- Nã sei, mas que parecia ter saído com um porco dos grandes parecia.

- Nunca mais ouvi nada do Ti Brunal.

- O Ti Brunal deixou a Ti Mariquinhas.

- Deixou ela fazer o quê?

- Foi embora, Ti Carminda!

- O Ti Brunal? Porquê?

- Nã sei. Mas ouvi dizer que quria a Indupendência…

- A quem?

- A Indupendência.

- Mas pra que quria o Ti Brunal a Indupendência? É bonita?

- Dizem que anda com roupinha da moda.

- Achas que ele quer mesmo a Indupendência?

- Nã sei, ti Carminda, mas parece que a Indupendência saiu cá uma manhosa…

- Os homens são todos iguais.

- Cruzes Credo!

-Sobre Jorge Barreto Xavier-

Nasceu em Goa, Índia. Formação em Direito, Gestão das Artes, Ciência Política e Política Públicas. É professor convidado do ISCTE-IUL e diretor municipal de desenvolvimento social, educação e cultura da Câmara Municipal de Oeiras. Foi secretário de Estado da Cultura, diretor-geral das Artes, vereador da Cultura, coordenador da comissão interministerial Educação-Cultura, diretor da bienal de jovens criadores da Europa e do Mediterrâneo. Foi fundador do Clube Português de Artes e Ideias, do Lugar Comum – centro de experimentação artística, da bienal de jovens criadores dos países lusófonos, da MARE, rede de centros culturais do Mediterrâneo. Foi perito da agência europeia de Educação, Audiovisual e Cultura, consultor da Reitoria da Universidade de Lisboa, do Centro Cultural de Belém, da Fundação Calouste Gulbenkian, do ACIDI, da Casa Pia de Lisboa, do Intelligence on Culture, de Copenhaga, Capital Europeia da Cultura. Foi diretor e membro de diversas redes europeias e nacionais na área da Educação e da Cultura. Tem diversos livros e capítulos de livros publicados.

Texto e fotografia de Jorge Barreto Xavier

gerador-gargantas-soltas-jorge-barreto-xavier