fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

De onde vem o que comemos? Este festival usa os jardins de Lisboa para dar lições

Festival Jardins Abertos abre as portas dos “jardins mais bonitos” da capital a todos os interessados em discutir e aprender sobre a temática da alimentação. Atividades são gratuitas.

Texto de Isabel Patrício

Fotografia cortesia de Festival Jardins Abertos

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Este fim de semana, os jardins de Lisboa voltam a promover diversas atividades, visitas guiadas e oficinas focadas na temática da alimentação. Isto no âmbito da edição de Primavera do festival Jardins Abertos, cujo programa, que pode ser consultado online, envolve, por exemplo, a Estufa Fria de Lisboa, a Quinta Pedagógica dos Olivais e o Parque Florestal de Monsanto. A participação é gratuita.

“O festival Jardins Abertos começou com um objetivo simples e direto: a aproximação à natureza em contexto urbano de forma gratuita e acessível. Os jardins de Lisboa surgem como lugares de promoção de conhecimento”, explicam os responsáveis desta iniciativa. A edição de Primavera arrancou no fim de semana de 20 e 21 de maio e terminará já nos próximos dias, a 27 e 28.

Desta feita, é a alimentação o foco do festival. “De onde vêm e como se produzem alimentos, como identificá-los quando crescem de forma selvagem e espontânea e onde encontrá-los na cidade. Falamos dos vários ciclos da produção agrícola: a colheita, a preservação, a transformação e também do desperdício”, salienta a organização, que reconhece a importância de alertar para a urgência “de uma transição para sistemas sustentáveis de produção”.

“Ao apresentar soluções criativas e jardins de investigação existentes na cidade de Lisboa, encontraremos caminhos e respostas para o futuro”, perspetivam os responsáveis.

Deste festival, fazem parte, por exemplo, a Estufa Fria de Lisboa, mas também o Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian, o Jardim da Casa de São Mamede, o Parque Botânico de Montemor-Mor, entre outros.

Poderão ainda ser visitados espaços de investigação e projetos comunitários, como a Agrofloresta da Bela Flor, a Horta do Alto da Eira, a Raiz Farm e o Permalab, “um espaço de investigação e de experimentação de técnicas de permacultura”.

A participação nas atividades previstas no festival Jardins Abertos é inteiramente gratuita e aberto a todos, “para que a nossa comunidade continue a crescer de forma sustentável e informada”, apela a organização.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

4 Junho 2024

Irene Flunser Pimentel: “o identitarismo é a grande arma da extrema-direita”

28 Maio 2024

Tiago Fortuna: “a deficiência é um espaço de combate para quem a habita”

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

14 Maio 2024

António Sampaio da Nóvoa: “a melhor política educativa é a valorização daquilo que já se faz”

7 Maio 2024

Festival Mental está de volta a Lisboa para a sua 8.ª edição

30 Abril 2024

Flávio Almada: “Devemos recusar a geografia do medo”

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [para entidades]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0