fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Dissecar o insulto

Nas Gargantas Soltas de hoje, André Tecedeiro reflete sobre os insultos dirigidos às pessoas LGBTQIA+.

Opinião de André Tecedeiro

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

No dia 17 de maio, Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia (IDAHOT), estive presente na Assembleia da República para assistir à discussão sobre alterações a leis que afetam a minha comunidade. 

Foi triste presenciar a ignorância e a transfobia descarada de alguns discursos, naquele dia que simbolicamente marca a luta contra esse tipo de violência. 

Insultos, insinuações, piadas, alcunhas, humilhações são desde sempre usados como violência psicológica contra pessoas LGBTQIA+. Mesmo quem está "no armário" sofre com os insultos direcionados às comunidades às quais, em segredo, pertence. 

De acordo com um estudo português de 20101, o insulto “é utilizado como forma de estigmatização das pessoas LGBT, e assume um caráter banalizado e frequente”. Ser alvo de insultos é uma condição tão intrínseca à experiência queer, que uma das formas de fortalecimento e empoderamento da comunidade é a apropriação dos insultos que lhe são dirigidos. 

Queer, significava na sua origem "estranho" ou "esquisito". No século XIX, era usada como um insulto contra pessoas com orientações sexuais ou identidades de género não normativas. A partir dos anos 80, a comunidade apropriou-se desse termo como forma de identificação, orgulho e empoderamento. 

Apropriando-se do insulto, as pessoas queer não deixam o poder nas mãos de quem as olha de fora e não as compreende. Usam o insulto como um espaço de visibilidade, porque a invisibilização também é uma forma de violência. Ressignificar reitera aquilo que quem insulta deseja apagar. 

Lila Tiago e João Caçador usam esta estratégia de apropriação e ressignificação do insulto. A sua atitude desafiadora começa no nome que escolheram para o seu projeto, Fado Bicha, que deixa claro que estamos perante aquelas bichas de quem se fala sem conhecer as suas dores e alegrias. Pisam o palco orgulhosas e poderosas, assumindo a identidade que lhes foi imposta como uma forma de resistência. 

No prefácio do seu romance “As malditas”, Camila Sosa Villada escreve que “abaixo da linha do Equador, quase a tocar no fim do mundo, muitas de nós fomos desenterrar a palavra travesti”. 

Camila refere-se à forma como as mulheres da América Latina se apropriaram do insulto travesti para nomear as suas próprias identidades, distanciando-se das teorias trans exportadas pelo norte global. Teorias regulamentadoras, patologizantes e marcadas pelo binarismo colonial. 

A apropriação da palavra travesti é um gesto de resistência, que renova a palavra usada para o insulto e a devolve poderosa, habitada por identidades reais, livre de gestos colonizadores e enriquecida pela cultura de origem destas mulheres. 

Vejo essa possibilidade de ressignificar o insulto como algo poético. São essas tensões que me fazem acreditar que a linguagem é um organismo vivo, capaz de acompanhar os seres humanos na sua eterna mutação. 

O que é um insulto? Uma palavra por si só não tem valor moral. Para que uma palavra se transforme em insulto, interessa saber quem a diz, a quem é dirigida, em que contexto e com que intenção. 

Uma palavra só se torna insulto quando há um problema social que o sustente. Esse problema pode ser transfobia, homofobia, racismo, o que seja. Sem isso, muito do que consideramos insulto perderia imediatamente o seu significado e poder. 

No dia 17 de maio, na Assembleia da República, uma deputada afirma que a discriminação das pessoas trans é irrelevante porque os seus problemas não se podem sobrepor aos de todos os portugueses. Com esta afirmação exclui de forma estratégica as pessoas trans do grupo dos “portugueses”. Os que comem, trabalham, habitam, estudam, cuidam da família, pagam os impostos e os salários dos deputados. Ao contrário das pessoas trans, que são apenas trans. 

Um outro deputado de extrema direita diz que "ainda vamos ver o PS a propor nesta câmara que uma pessoa se possa registar como um animal se se identificar como cão ou como gato, e o PAN a propor a distribuição de chifres gratuitos". 

Nada disto é inocente. 

Insinuar que pessoas trans não são cidadãos; insinuar que não existem; negar que sofram discriminação; acusá-las de invisibilizar a restante comunidade LGBTQIA+; comparar as suas identidades a animais. Tudo isto são estratégias de diabolização e desumanização. Tudo isto aconteceu na Assembleia da República no dia 17 de maio. 

Foi a desumanização que permitiu causar o sofrimento e morte de milhões de homens gays, pessoas ciganas e judias sem que vozes contra se levantassem. A desumanização anestesia as consciências. É pela desumanização que se começa a matar. 

Discursos desumanizadores são lidos na casa da democracia sem chamadas de atenção. Pelo contrário, num plenário que esteve sempre barulhento, foi assustador como toda a gente se calou para os ouvir melhor.


1 Oliveira, J.M., Pereira, M., Costa, C. & Nogueira, C. (2010). Pessoas LGBT – identidades e discriminação. In Estudo sobre a discriminação em função da orientação sexual e da identidade de género . Lisboa: Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género.

-Sobre a André Tecedeiro-

André Tecedeiro é um escritor português nascido em 1979. Tem licenciatura e mestrado tanto em arte como em psicologia. Publicou sete livros de poesia, sendo o mais conhecido “A Axila de Egon Schiele” (Porto Editora, 2020).

Texto de André Tecedeiro
As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

18 Junho 2024

Tirar a cabeça da areia

18 Junho 2024

O argumento romântico para a participação política

13 Junho 2024

Ansiedade Política: Como Lidar com a ascensão da Extrema Direita?

11 Junho 2024

Sobre o Princípio de Reparação do Dano Ambiental (e a Necessidade de Tutelar o Direito ao Ambiente)

6 Junho 2024

Em voz alta: Medo em tempos de ódio

6 Junho 2024

Sobre o novo aeroporto e a sustentabilidade do setor da aviação

4 Junho 2024

Paz

30 Maio 2024

Sem ensaios de ciência: Viagem decisiva – entre ciência e humanidade

30 Maio 2024

Contra os capo regimes em ciência

28 Maio 2024

Discurso de ódio e liberdade de expressão: os pactos inconscientes

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0