É já no dia 6 de setembro que o Indie Lisboa abre as portas pela última vez na sua 18ª edição. O “até já” desta sessão de encerramento faz-se com Paraíso, o mais recente filme de Sérgio Tréfaut, no grande auditório da Culturgest.

Ainda antes, no pequeno auditório, decorre a cerimónia de entrega de prémios, pelas 19h00. No Cinema Ideal e na Cinemateca Portuguesa passam filmes de Sarah Maldoror, Enrico IV de Marco Bellocchio, 50 (O Dos Ballenas Se Encuentran En La Playa) de Jorge Cuchi, bem como os filmes premiados. 

Paraíso, que estreia nos cinemas a 16 de setembro, passa-se no Palácio do Cacete, antiga residência dos presidentes do Brasil, no Rio de Janeiro, e acompanha “um grupo de homens e mulheres quase centenários” que se reúnem nos jardins dessa residência para cantar canções de amor. 

“Nasci no Brasil e deixei o país quando era adolescente. Voltei agora, após mais de 40 anos de ausência. Procurei reencontrar o que ficou de um país que eu guardava na memória. Filmei nos jardins do Palácio do Catete, pouco antes da pandemia. Sede do governo até a construção de Brasília, o Palácio do Catete é hoje o Museu de República. Até Março de 2020, os jardins recebiam uma população idosa que se reunia todos os dias para cantar e partilhar o seu amor pela vida, até surgir a pandemia. Paraíso é o retrato de um Brasil que desaparece”, disse Sérgio Tréfaut sobre o seu documentário. 

Esta longa metragem é marcada pela pandemia e pretende homenagear “uma geração dizimada”. Podes saber mais sobre esta edição do Indie Lisboa, aqui.  

Still de Paraíso, de Sérgio Tréfaut
O Gerador e o Indie Lisboa são parceiros